quarta-feira, junho 15, 2005

Álvaro Cunhal

Álvaro Cunhal era um homem de inteligência e cultura. Um artista dotado. Um político tenaz e persistente. Liderou o único movimento organizado de luta contra o fascismo em Portugal durante décadas. Preso, torturado, exilado, regressou à sua Pátria após a revolução dos cravos. Adoptou a estratégia de Lenine: após a revolução burguesa, seguir-se-ia o "putsch" da vanguarda, da "ditadura do proletariado", para libertar os oprimidos e implantar uma "verdadeira democracia". Felizmente falhou! Graças a Mário Soares, aos nossos amigos europeus e americanos e a grande parte das Forças Armadas! Felizmente falhou o projecto político de Álvaro Cunhal. Honra lhe seja feita: desde 1976 tem jogado as regras da democracia liberal, lutando pela protecção dos direitos dos trabalhadores e adoptando frequentemente posições progressistas.
Respeitemos a memória de um homem que marca o século XX em Portugal. Ele é o símbolo da resistência contra o fascismo e da utopia soviética não concretizada.
Foi um homem do seu tempo, mas isso não justifica a teimosia, a persistência no erro de julgamento político e ideológico: aquilo a que tantos – sobretudo à Direita! – apelidam de “coerência”.
A “coerência” não é um valor que deva ser enaltecido quando ela revela um persistente erro: Fidel Castro é coerente; Pinochet é coerente; mesmo Hitler e Stalin foram coerentes: isso não faz deles políticos ou líderes admiráveis. Antes pelo contrário…

André Pereira

1 Comments:

At domingo jun 19, 11:30:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

muito bem observado......

 

Enviar um comentário

<< Home