domingo, junho 12, 2005

O S. Roque (Crónica)

Ficou-me de criança a impressão de que a ermida do S. Roque, na margem esquerda do Côa, estava alcandorada num monte enorme e que ao sacrifício da subida se deveria a recompensa dos milagres.

Hoje, ao passar no IP 5, sobre a ponte rodoviária, surpreende-me lá em baixo uma capela exígua abandonada num pequeno cabeço, com a vegetação a apropriar-se da área da devoção e dos negócios. Onde está um chaparro negociava burros um cigano, onde a Lurdes começava às dez a aviar copos de meio quartilho, para terminar às 3 da tarde com o pipo e a paciência devastados, medram giestas e tojos e o abandono tomou conta do espaço onde estava sediada a feira e se realizava a festa.

Onde os solípedes e as pessoas alcançavam não sobem ainda os automóveis.

Eu gostei, ainda gosto, de romarias. Mesmo com milagres cada vez mais raros, a acontecerem na razão inversa dos louvores, encontramos sempre caras que atraem afectos e nos devolvem memórias. Às vezes não são quem pensámos, os anos passam, são filhos, mas vale a pena, falam-nos do que nós sabíamos, são da terra que julgámos.

Há mais de cinquenta anos o Rasga foi ao S. Roque com a mulher, ela cheia de fé, ele com muita sede, como sempre, até a cirrose o consumir. A feira e a romaria partilhavam a data e o espaço. Não sei das promessas dela, as mulheres lá tinham contratos com os santos, não era costume explicitá-los, ele tinha as mãos cheias de cravos, coisa de rapaz, julgava que era feitio. A mulher dissera-lhe que havia de ir ao S. Roque, o Maravilhas curou-se, o Ti Velho também, pelas outras aldeias ia a mesma devoção, os resultados eram de monta. O Rasga até tinha pensado no ferrador, não para ferrar o macho, ele queimava os cravos, mas eram grandes as dores, ficavam as mãos com marcas piores que a cara do Medo com as bexigas, e a febre, às vezes, levava a gente. Já se acostumara, não valia a pena ralar-se, o pior era a mulher a azucrinar-lhe os ouvidos, tens de ir ao S. Roque, se trabalhasses em vez de beberes havias de ver o incómodo, eu faço-te companhia, és um herege, uma oração, uma pequena esmola, dois cruzados, um quartinho no máximo, o S. Roque não é interesseiro, vens de lá bom, levas a burra que já mal pega em erva, enjeita os nabos, não temos feno, há-de morrer-nos em casa, além do prejuízo vais ser tu a enterrá-la, podias vendê-la.

E lá foram os três, que a burra também contava, partiram quando a Lurdes e a Purificação já levavam uma légua de avanço, tinham bestas lestas e levantavam-se cedo, era mister que se antecipassem aos homens que quando chegavam logo queriam matar o bicho e os negócios não podiam fazer-se sem haver onde pagar o alboroque.

O Rasga, mal chegou, pediu três notas pela burra a um da Parada que lhe ofereceu duas, a mulher do da Parada ainda o puxou, homem para que queres a burra, o rachador do Monte meteu-se logo, isto não é assunto de mulheres, tinham que fazer negócio, tem que tirar alguma coisa, não tiro, dou-lhe mais uma nota de vinte, tiro-lhe essa nota, nem mais um tostão, e o do Monte a dizer racha-se, vários a apoiar, fica por duas notas e meia, o rachador a agarrar-lhes as mãos, estranha união, e a fazer com a sua um corte simbólico, deram as mãos estava feito o negócio, um tirou cinquenta o outro deu mais cinquenta, consumada a liturgia logo assomou meia nota de sinal, faltavam duas que apareceriam quando lhe entregasse o rabeiro, vai uma rodada, paga o vendedor que recebeu o dinheiro, primeiro um copo para o comprador, o rachador a seguir, depois para todas as testemunhas, outra rodada paga o comprador, outra ainda, esta pago eu, diz um da Cerdeira, não quero mais diz o de Pailobo, morra quem se negue, praguejou um da Mesquitela, olha vem ali o Proença da Malta, grande negociante, como está, disseram todos, uma rodada, pago eu, diz o Proença, mas a minha primeiro, exigiu o da Cerdeira com agrado geral, e ali ficaram a seguir os negócios, os foguetes e a festa, e a tirar o chapéu e a agradecer ao Proença quando este foi dar a volta pelo sítio do gado onde já se encontrava o Serafim dos Gagos a disputar-lhe o vivo e a pôr a fasquia aos preços.

Findas a feira e a festa, esta terminou primeiro, um dos padres ainda tinha de levar o viático a um moribundo de Pínzio, o Rasga e a mulher vinham consolados, ela com a missa e a procissão, ele com duas notas e meia no bolso e o buxo cheio de vinho, ela a pensar na vida e ele a cambalear.

Algum tempo depois perguntei ao Rasga o que era feito dos cravos. Ficaram no S. Roque, menino, ficaram no S. Roque.

6 Comments:

At domingo jun 12, 04:54:00 da tarde, Blogger 1313 said...

Não li este post por ter muitas palavras e nenhuns bonecos. Além disso, hoje é dia do Senhor, por isso oremos. Burps!

 
At domingo jun 12, 11:11:00 da tarde, Anonymous politicaehouse said...

http://politicaehouse.blogspot.com/

 
At segunda jun 13, 10:35:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Delicioso retrato que me levou aos tempos da minha escola primária em que se pedia à Sra. Professora para faltar, por mor de levar, à rédea, as novilhas às feiras do Ladário, Pereiro, Sátão, Santo Ildefonso ou Avelal.
O texto só poderá ser apreciado por aqueles que de alguma forma sentiram a emoção das recordações duma vida agreste, mas sadia. Os outros olham para o tamanho ou p'ró boneco!
FP

 
At segunda jun 13, 12:04:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

FP:
Obrigado por me recordar uma expressão tão familiar:

«.. por mor de...», deliciosa expressão que ouvia ao meu avô materno quando ele tinha a idade que agora me pesa.

Quem foi às feiras do Ladário, Pereiro, Sátão ou Avelal, conhece as Terras do Demo e recorda fidalgos a quem o Malhadinhas era capaz de contar como da sua coitanaxa fez dona.

Valeu-nos o Aquilino para que as memórias se não perdessem.

Um abraço.

 
At quinta jun 16, 02:20:00 da tarde, Anonymous Maria said...

Sr, Carlos Esperanca,
Muito bom! Eu tenho o privilegio de ter nascido tambem num desses lugares esquecido pelos deuses, em Tras-os-Montes. É essencial que se escreva sobre sobre as nossas aldeias, os ritos e as tradicoes de ha poucas decadas. Hoje em dia a maioria desses lugares vegetam tenuemente num arfar agonizante e apenas as lembrancas de pessoas como (nos) serao testemunho de um passado rico e recente mas ja tao distante.

Com os melhores cumprimentos,
Maria

 
At quinta jun 16, 05:50:00 da tarde, Blogger Carlos Esperança said...

Maria:
Não posso deixar de lhe agradecer as suas palavras.
Pensei usar o Domingo para publicar crónicas que, aliás, já mereceram o acolhimento do Jornal do Fundão.

No entanto, a falta de interesse que julgo notar fez-me duvidar do interesse em continuar.

Assim, no próximo domingo reincidirei.

 

Enviar um comentário

<< Home