sábado, agosto 20, 2005

Viagem à Grécia - Recordações

Há destinos mais interessantes para fazer roer de inveja e deslumbrar os amigos com a nossa prosperidade, mas poucos são tão decisivos para apaziguar a consciência com o tributo que devemos à nossa cultura.

É por isso que a Grécia e a sua capital macrocéfala são destinos obrigatórios. São para os europeus o que Meca e a Arábia Saudita representam para os árabes, lugares que remetem para as origens das respectivas civilizações e que, no caso da Grécia, inspiraram a cultura judaico-cristã e a humanizaram.

Não sei se ainda a habitam filósofos, artistas e escritores ou se jazem definitivamente sob as ruínas de uma civilização que entranhou a nossa.

O casario imenso, de salubridade duvidosa, mostra um irreprimível mimetismo com o passado na ânsia desesperada de transformar-se em ruínas. Atenas não é a cidade sonhada, é um espaço em que os subúrbios tomaram conta da burgo, uma imensa e catastrófica sequência de habitações degradadas que abrigam quatro milhões de pessoas, ruas pejadas de automóveis à beira de se desmantelarem, enorme quantidade de lixo a aguardar remoção e multidões de turistas a caminho da Acrópole. A Grécia, entre a glória do passado e a incúria do presente, parece ter parado no tempo e hesita nos caminhos do futuro.

A Acrópole é a bela jóia que a cidade arruinada exibe para provar a nobreza da origem. O Pártenon ainda homenageia Atena, filha de Zeus, deusa das Artes, das Ciências e das Indústrias, a quem os seus imponentes frontões e admiráveis frisos foram dedicados. Sucessivamente templo pagão, igreja, mesquita e paiol, foi nesta qualidade gravemente danificado por uma explosão no séc. XVII que lhe feriu o mármore e o orgulho, mas manteve a majestade e elegância. O Erecteu, sublime, respira dignidade e exibe o Pórtico na cópia honesta das Cariátides.

De resto só nos museus sobra ainda o testemunho de Fídias que mais de quatro séculos antes de Cristo guiou o cinzel, com rigor e volúpia, desgastando a pedra até descobrir as formas femininas que a habitam, apetecidas e perfeitas, percorridas por um manto diáfano que as afaga numa glorificação da beleza e exaltação do desejo.

Nos templos, pouco frequentados, entram crentes apressados, num périplo osculatório de ícone em ícone, indiferentes aos vírus, que se persignam à chegada e à partida. Deixam uma vela acesa e uma prece, antes de alcançarem de novo a rua, enquanto outros acompanham a liturgia e a desgarrada mística em que clérigos se envolvem atacando o cantochão.

Nas ruas, padres fardados a preceito, gozam a isenção de impostos, a opulência e o prestígio, namoram de mãos dadas e evitam castamente manifestações de impetuoso afecto. Uma mole imensa de turistas extasia-se no Museu Nacional com a apoteose da forma e a beleza sensual que percorre o mármore. Nos restaurantes aguarda-se que os empregados terminem o cigarro, a bebida e a conversa, antes de atenderem os fregueses.

Em Agosto, zarpam diariamente do Pireu luxuosos paquetes atulhados de gente que foge ao fumo, ao calor abrasador e aos gregos, a caminho do mar Egeu e da costa da Ásia Menor, peregrinos em busca dos lugares sagrados onde predicaram Paulo e João ou turistas à procura de praias e de sol. Uns, muito vestidos, procuram a eterna salvação da alma; outros, despidos, o bronzeado efémero do corpo. Entre o êxtase místico e a excitação dos sentidos todos gozam, mergulhando na História que percorre a orla de três continentes e povoa centenas de ilhas.

Quem fizer a viagem, e for acompanhado, não se esqueça de preencher no boletim de registo de embarque o espaço da data de casamento e atribuí-la a um dos dias a bordo. Casais que fruam uma feliz união, ainda que sazonal, não se arrependerão. Nessa noite serão presenteados com um belo bolo de aniversário e uma garrafa de bom champanhe enquanto violinos vibram parabéns junto à sua mesa, empunhados com segurança por músicos da orquestra privativa.

Depois, basta-lhes manter a compostura face aos numerosos desconhecidos que se associam às felicitações.

5 Comments:

At sábado ago 20, 06:53:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

A Grécia é um dos poucos países onde um português sente que nasceu num país civilizado...

 
At segunda ago 22, 04:34:00 da tarde, Blogger Manuel da Gaita said...

Pois é.
Os gregos são tolos da cabeça e conduzem de forma caótica! Eu ia sendo atropelado por um carro da policia quando circulava num passeio.

Eu também utilizo a tecnica "lua de mel" quando vou em viagens com a minha mulher. Somos sempre bem atendidos e é só ofertas nos hoteis.

Essa viagem não foi organizada pelos Antigos Estudantes? Se foi, os meus pais também lá iam.
Cumprimentos do blog
www.opiolhodasolum.blogspot.com

Cumprimento

 
At segunda ago 22, 09:51:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Manuel da Gaita:

Esta viagem foi comprada numa das numerosas agências de viagem que vendem sempre produtos semelhantes.

É uma forma de ter uma assistência mínima e hotéis marcados.

 
At segunda ago 22, 11:00:00 da tarde, Blogger Manuel da Gaita said...

Eu quando fui à Grecia, há 4 anos, devo dizer-lhe que não gostei de Atenas. Na altura estava uma confusão tremenda com o pessoal a preparar os Jogos Olimpico. Há demasiadas semelhanças na forma de pensar e agir portuguesas e talvez talvez tenha começado aí a perca do encanto.

Confesso também a minha ignorância e faço uma confusão doida com todos os deuses e deusas gregas e também romanos à mistura. Talvez isso me tenha levado a uma fuga desesperada até Santorini e Mikonos onde tive o resto de umas férias tipo "República Dominicana".

obrigado pela resposta
www.opiolhodasolum.blogspot.com

 
At sexta mar 02, 07:01:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. tamiflu preventative

 

Enviar um comentário

<< Home