segunda-feira, maio 22, 2006

Rescisões amigáveis

Se Marques Mendes fizesse ideia do sofrimento, violência e coacção psicológica que acompanha as rescisões «amigáveis» nas empresas privadas, não teria coragem de propô-las, como projecto partidário, para a função pública.

Aliás o que impediu os Governos em que participou de avançar com tão brilhante medida?

Pior, só Martins Borges de Freitas, do CDS, que declarou que a proposta ficava aquém do que o seu partido gostaria: «Essa proposta implica o pagamento de indemnizações aos funcionários a despedir ou acordo entre as partes. A nossa visão não é essa».

Claro que, quem conhece o CDS, sabe que um regime autoritário resolveria a situação sem precisar de acordo ou pagar indemnizações. Despedia os funcionários, simplesmente.

Fonte: Diário de Notícias

7 Comments:

At segunda mai 22, 04:26:00 da tarde, Anonymous João Dias said...

Excelente análise, Carlos. Estou de acordo com tudo o que escreveu.

 
At segunda mai 22, 07:39:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Pensava eu que vocês fossem democratas ! são uma m...já alguma vez passaram por dificuldades ? já passaram fome ? vocês sãos uns tristes !!! vocês são como o outro: temos que esperar que morram..

 
At segunda mai 22, 08:20:00 da tarde, Anonymous e-pá! said...

A proposta de Marques mendes sobre o despedimento de funcionários públicos é... o convite ao suicídio político de Socrates.

Primeiro, doura a pílula e fala numa entidade vaga que são rescisões amigáveis;
Segundo, Socrates se enveredasse por esse caminho tinha que se entender, ao nível de direitos constitucionais, com o PSD com todas as consequências que daí advinham;
Terceiro, apetece perguntar se o grupo parlamentar do PSD não tem capacidade para, em seu nome e dando públicamente a cara, tomar essa iniciativa no Parlamento.

A obsessão doentia de Marques Mendes pelos chamados "pactos de regime" é exactamente para isso - impôr pacotes políticos antipopulares e direitistas às costas do PS. Até aqui o PS tem resistido mas, para um cidadão atento, a pressão é cada vez maior.

Fazer política de direita acaba sempre nisto: não se pode dar a mão que logo tomam o braço...

O melhor será será amigavelmente rescindir dos "fretes" à direita.

 
At segunda mai 22, 09:25:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Nem de propósito. Vejam o que acabo de ler no Causa Nossa:

A grande proposta do PSD para reduzir o peso do Estado, que consistia em dispensar funcionários públicos, a troco de indemnizações a pagar por fundos comunitários, acaba de ser rechaçada liminarmente pela Comissão Europeia, com o argumento de que os dinheiros comunitários servem para criar empregos e não para o contrário.
Quando a leviandade substitui a responsabilidade, o resultado só pode ser a humilhação. Depois disto, como consubstanciar a pretensão do PSD de se apresentar como «oposição responsável e credível»?
[Publicado por vital moreira] 22.5.06

 
At terça mai 23, 12:06:00 da manhã, Blogger Cavaleiros do Apocalipse said...

Eu concordo com o despedimento dos funcionários publicos..vamos começar já pelos 230 que estão na A.R. e sigamos pelos assessores e pessoal de gabinete!

 
At terça mai 23, 07:16:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

isto so já lá vai à bomba!!! acabar com a raça destes politicos de redoma de vidro, bem apadrinhados à esquerda e à direita. A democracia conquistada em 25 de Abril de 1974, degenerou há muito em cleptocracia ou oligarquia dos tacheiros politicos.

 
At terça mai 23, 10:33:00 da tarde, Anonymous SATANÁS said...

(Ai coitado do Nuno Moita se os "amigos" do Parlamento forem despedidos!... Lá terá de ir para Condeixa, alcatroar o concelho?)

Porra, isto sou só eu a pensar! Pq. não posso?

 

Enviar um comentário

<< Home