quinta-feira, outubro 19, 2006

Referendo ao aborto

Foi aprovada a proposta do PS após discussão que decorreu em tom calmo e civilizado.

Até o extremismo de Nuno Melo, a quem coube a homilia do CDS, foi disfarçado pela postura beata seguida com devoção por Paulo Portas.

No fórum que se seguiu, na SIC/Notícias, o Professor Daniel Serrão, sempre alinhado com as posições mais conservadoras da Igreja católica, teve uma postura moderada que indicia a alteração das posições eclesiásticas ou o receio de se comprometerem com atitudes anacrónicas.

Mas, por enquanto, a procissão ainda vai no adro.

17 Comments:

At quinta out 19, 07:54:00 da tarde, Blogger el__sniper said...

Caro Calros Esperança, eu sou pela despenalização do aborto.
Contudo quero alertá-lo para o facto de este ir ser feito dentro do SNS com dinheiro dos impostos de todos nós.
É de meu parecer que as IVG devem ser desincentivadas e não promovidas (embora proibir não seja a solução). Não me parece que ao fazer IVG no SNS se desincentive antes pelo contrário. E como uma IVG, excepto nos casos já previstos na lei, não são um problema de saúide de quem os queira fazer, porque razão hão de
os abortos ser feitos no SNS.

Sobretudo quando Correia de Campos: "O ministro da Saúde vai avaliar se os anticoncepcionais vão perder a comparticipação do Estado. Para decidir se avança com a medida, Correia de Campos vai mandar fazer um estudo de mercado para saber quem são as mulheres que compram estes medicamentos com e sem receita médica e quem beneficia da sua gratuitidade nos centros de saúde." in CM
É para quê? Para promover abortos?

 
At quinta out 19, 08:22:00 da tarde, Anonymous pai de família said...

Vamos lá, então.
Não haverá tréguas. A cruzada será implacável.
Com Deus Nosso Senhor do nosso lado, os cultores da morte perecerão e calar-se-ão para sempre.
Que Deus nos ajude nesta aberrante escolha entre vida e morte.
Que vença a defesa da VIDA!
Que vençam as criancinhas inocentes!

 
At quinta out 19, 08:47:00 da tarde, Anonymous e-pá! said...

O facto do Prof. Daniel Serrão, apresentar-se com uma linguagem comedida, não é nenhum garante do debate sereno e civilizado, nem nenhum sinal de que a Igreja (a que está intimamente ligado) tenha feito alguma inflexão sobre esta matéria.
A Igreja sente-se respaldada pela ortodoxia do Bento XVI e, como lhe é timbre, será inflexível.
Aliás, hoje D. José Policarpo afirmou que "a Igreja vai indicar voto".
Agora, os políticos são muito sensíveis às inflexões dos eleitores e, desde há algum tempo, vêm manifestando um tímido repúdio pelos escandalosos julgamentos (e eventual prisão) de mulheres que ousaram interromper a gravidez.
Este comportamento fez que o Cardeal os advertisse nos seguintes termos: «porque a proposta de leis liberalizantes da prática do aborto se tornou numa causa partidária, a campanha pode cair, na linguagem e nos métodos, numa vulgar campanha política».

Mas a campanha (chamar-lhe-ia cívica - ao arrepio da previsão de S. Eminência) ainda não começou e estou convicto que, os "argumentos" do anterior referendo, vão surgir.
Só no aspecto formal, os conservadores, poderão parecer mais polidos ou menos agressivos. Ou não, como se pode verificar pelo fundamentalismo do "pai de família" que, no seu intimo, sonha com uma "guerra".
Todavia, vão continuar a aparecer as concepções dogmáticas dos « que defendem a vida». O que sendo um estafado refrão é, simultaneamente, um insulto para os que em consciência são defensores da despenalização da interrupção voluntária da gravidez.

O aparecimento das 1ªs sondagens sobre este problema podem trazer volte-faces.
A aparente calma que, por ora, envolve este assunto pode ser um prenúncio de tempestade.

Aguardemos, pois. Atentos.

De resto a questão que levanta "el_sniper" é um assunto sério. O comportamento do SNS em relação à IGV e à prevenção da sua necessidade deve ser discutido na primeira oportunidade. É que, ao contrario do que muita gente supõe, esta medida, tem custos financeiros.
A grande poupança é nas vidas das mulheres que interrompem a gravidez, em condições precárias. O que parecendo pouco é muito. Incomensurável!

 
At quinta out 19, 10:24:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Carlos Esperança:

Este seu Post, apesar de não estar nada surpreendido consigo, foi de uma ignobilidade sem precedentes, pelo menos que me recorde. Passo a explicar:
Num estado de direito democrático, que claramente pessoas com você não sabem o que é, cada um tem direito à sua opinião e a poder expressa-las. Certo?
Pois bem, eu vou votar a favor da IVG, pelas mulheres, pela sociedade, pelas crianças que viriam a um mundo nada feliz!
No entanto, reconheço que cada um tem direito a ser contra ou a favor, jamais os criticarei, isso era noutros tempos... noutros tempos...
Agora o tom sarcático, baixo e indigno com que fala de Nuno Melo (de quem não gosto), e de todos que têm opiniões divergentes da sua, só demonstra aquilo que é! Ora querem lá ver que o homem agora nãopode ter opinião e defende-la com dignidade e frontalidade!!! Foi mais digno na defesa que o seu partido de governo que nas promessas eleitorais dizia que não haveria referendo, que seria decidido na assembleia da República, como as SCUTS...
Ai..ai... se algum dia pessoas como você tivessem oportunidade de governar... ai Salazar que estavas de volta, mas em versão piorada!
Não lhe ficam bem estas atitudes anti-democráticas...

 
At quinta out 19, 10:31:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

ABORTO????? ABORTO????
Querem ver que este gajo (CE) está a dar razão ao Nuno Melo quando disse que não era IVG, mas sim Aborto... Mais um tiro no pé Esperancinha!!!!

 
At quinta out 19, 10:32:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É IVG é!

Porque o unico aborto que se conhece, chama-se Carlos Esperança!

 
At quinta out 19, 10:58:00 da tarde, Blogger Camisa Azul said...

Os defensores da cultura da morte vão tentar legalizar a matança dos inocentes.
Mas é na rua que se vai travar a batalha.
Entretanto convém referir que o grande capital qual vampiro já fareja presa; várias clínicas aborteiras pretendem instalar-se em Portugal.

 
At quinta out 19, 11:14:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Anonymous Qui Out 19, 10:24:20 PM:

Talvez a sua idade não lhe permita saber o que foi a ditadura e, daí, a leviandade com que me insulta.

Confunde a crítica com o despautério de me acoimar de antidemocrata.

Pode ser ignorância ou maldade. Em qualquer dos casos não o deveria fazer a coberto do anonimanto.

Há tradições que permanecem.

 
At sexta out 20, 01:17:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Com estado de ditadura em que estamos, concordo que se fale neste blog e outros do PS sob anonimato!
Sabia, senhor Esperança que estão a pedir os nomes dos professores que fizeram greve????
Já deve ter presenciado isto, não???
tem razão o anónimo que afirmou "ai Salazar que estavas de volta, mas em versão piorada!"

 
At sexta out 20, 01:33:00 da manhã, Anonymous Carlos Esperança said...

Anonymous Sex Out 20, 01:17:34 AM:

A Dr.ª Celeste Cardona já não faz parte do Governo: O Dr. Adelino Salvado já não é director da PJ. Paulo Portas já não infiltra as secretas.

Mas o que tem isto a ver com o referendo?

 
At sexta out 20, 01:42:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Mas faz o Sócrates, e o Jorge Coelho: "Quem se meter com o PS ... Leva!" estás esquecido???
Pedir nomes dos grevistas!
Posso-te fazer uma pergunta?
Esquece a merda do PS ou do PSD, ou PP... Esquece!
Concordas com isso? Pedir o nome dos professores grevistas???
Porra?!!!! Deves concordar claro! A tua democracia é esta.. Tudo o que o PSD faz está mal, o PS faz igual, está bem!
Lembraste do que disse o Santana sobre as SCUTs??? Lembras! "UTILIZADOR PAGADOR"
Iam matando o homem.. e tu tb! Não me esqueço!!! e agora???? Caladinho que nem um rato!

 
At sexta out 20, 02:24:00 da manhã, Anonymous Ana Conda said...

Visitei por acaso o vosso blog e a propósito do "post" e dos comentários, permiti-me tecer alguns comentários:
- Relativamente a "el sniper" e à sua aparente preocupação por ser o SNS( todos nós a pagar ), gostaria de lembrar que é o mesmo SNS que comporta as despesas de desintoxicações, hepatites, e o enorme bolo das complicações ligadas ao SIDA ( directa ou indirectamente fomentada pela igreja que proíbe a utilização do preservativo).

- "anonymous", ao falar em Salazar é bom lembrarmo-nos que não caiu do céu e que se saiba, também não foi fecundado por espermatozoides do espírito santo...Aparece como "Salvador da Pátria".Surge com a política de POUPANÇA (o "apertar de cinto", num povo que já nem cintura tinha...)e o AUTORITARISMO.
!Será que este povo, ao qual pertencemos, sente necessidade de uma figura de comando, autoritária?
! Será que em pleno século XXI estamos com uma versão modernizada? Claro que não poderemos falar em ditadura. Aqui, nem do proletariado!- está quase todo desempregado...-

E para terminar coloco uma questão que me confunde:
- Como é que um governo DETERMINA encerrar maternidades e hospitais, avançar com o TGV (depois de ter gasto milhões no alargamento da linha do norte para comboios mais velozes), transferir o aeroporto e tem que fazer um referendo para despenalizar o aborto???!!!
Ainda no século passado eramos um país laico. Mudámos?

 
At sexta out 20, 09:39:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

"Os cultores da morte perecerão e calar-se-ão para sempre."
"Mas é na rua que se vai travar a batalha."

Esses fanáticos, utilizam cada frase cheia de humanidade. Eu se fosse Deus, ao vê-los

 
At sexta out 20, 10:42:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Os cultores da morte perecerão e calar-se-ão para sempre."

"Mas é na rua que se vai travar a batalha."

Esses fanáticos, utilizam cada frase cheia de humanidade. Eu se fosse Deus, ao vê-los fazia-me castrar.
Cruzados com suástica e outras cruzes como estandartes. Com inteligência de cérebro clerical lavado.
Se, desde que a humanidade existe, não tivessem feito tanto mal (em nome de Deus), até deveriamos ter compaixão com estes pobres seres.

 
At sexta out 20, 01:39:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"Mas é na rua que se vai travar a batalha."

A rua não é propriamente o local indicado.

A "batalha", agora, trava-se nos vãos de escadas, em cubículos, em "abortadeiras" tradicionais, ... olhe, em qualquer sítio.

Mas na rua, não! Haja pudor...

 
At sexta out 20, 02:21:00 da tarde, Anonymous contribuinte said...

pagamos aos políticos a peso de ouro, mas quando chega a hora passam-nos a batata quente para a mão.
se o referendo tudo resolve, então reduzam os deputados, ministros, secretários e acessores para metade.

aliás, depois deste referendo vão fazer outro para penalizar outra vez a IVG?...

 
At sábado out 21, 03:48:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

contribuinte:

Estou de acordo consigo. Este problema da IVG devia ter sido decidido em sede parlamentar.

No entanto, depois de uma primeira asneira, não era politicamente correcto fazer o que se devia ter feito, sem repetir o referendo.

 

Enviar um comentário

<< Home