sábado, janeiro 27, 2007

CML - Zangam-se as comadres




O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carmona Rodrigues (PSD), acusou sexta-feira o seu antecessor na autarquia, Pedro Santana Lopes, de ter elaborado uma proposta «confusa» para o Parque Mayer, que lhe levantava «as maiores dúvidas».

6 Comments:

At sábado jan 27, 04:01:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Acho Carmona sensato...

ZÉZÉ.

 
At sábado jan 27, 04:29:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

As histórias do Parque Mayer, dos terrenos da antiga "Feira Popular", da "Bragaparques", da CML, dos "direitos de preferência", etc., são um imbróglio, tão grande e tão confuso, que tornam imperativa uma investigação judicial.
A necessária transparência das decisões públicas da edilidade, e fundamentalmente as transparências negociais, parecem ter sido objecto de arrasadora demolição. Desse arraso, nasceu uma selva (com a sua "lei"). Um excelente caldo de cultura para a corrupção e o favorecimento.
Independentemente do resultado das averiguações à Bragaparques e a alguns edis ou funcionários dessa Câmara, esta situação tornou visível que os municípios não se podem envolver em embrulhadas destas em que o mercado, com o seu liberalismo, é pródigo.
Os negócios públicos devem ser tratados na hasta pública, sem condicionalismo. Senão os condicionalismos, as reservas, os pré-acordos, as preferências, etc., transformam-nos, num quebra-cabeças, só inteligíveis para alguns (privilegiados).
Depois de ler as acusações de Santana Lopes seguidas das explicações de Carmona Rodrigues, confesso que tenho dificuldade em compreender o que se passou (foi sucedendo) e quais os enquadramentos legais que se usaram (ou abusaram).
E, como vulgar cidadão, nestas questões do foro público, não devia ter dúvidas ou suspeições.
A verdade é que as tenho...

 
At domingo jan 28, 03:31:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
At domingo jan 28, 10:52:00 da manhã, Anonymous Manuel Norberto Baptista Forte said...

Um "homem das luzes na ribalta" versus um razoável "talonador" (acho que foi a posição que ocupou).
A falta completa de ideias para Lisboa; viu-se e está-se a ver.

 
At domingo jan 28, 07:33:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Anónimo a quem apaguei o comentário:

Pode colocá-lo no «Espaço dos leitores». Ainda não percebeu que nada tem a ver com o assunto do post?

 
At domingo jan 28, 07:52:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

o karmona pode ser professor, mas em política está sempre a levar lições do santana.
toma e embrulha!

 

Enviar um comentário

<< Home