sexta-feira, março 30, 2007

União Europeia e Irão

A União Europeia exigiu, esta sexta-feira, que o Irão liberte imediatamente os marinheiros britânicos, cuja captura constitui «uma violação do direito internacional».


Comentários: 1 - A exigência é legítima e razoável;

2 - A União Europeia não pode fazer exigências cujo cumprimento não seja capaz de fazer cumprir.

18 Comments:

At sexta mar 30, 11:26:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Convirá não acelerar demasiado nestes terrenos! Mais que um dos prisioneiros foi já apresentado nas televisões a afirmar ter violado a fronteira do Irão, ao contrário do que diz o governo inglês. E só ficará surpreendido com isso quem for ingénuo, ou desconhecer certas tradições imperiais pérfidas e mentirosas.
Ou há moralidade ou comem todos!

 
At sábado mar 31, 12:39:00 da manhã, Anonymous Carlos Esperança said...

Anónimo Sex Mar 30, 11:26:00 PM:

Desde quando é que merecem credibilidade as declarações feitas sob coacção?

Acredita mesmo que as declarações foram feitas de livre vontade?

Confia no teocrata do Irão?

Eu não confio.

 
At sábado mar 31, 01:18:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Aqui Carlos Esperança tem razão. Aliás os marines ingleses acabarão todos por confessar que os iranianos têm razão. E a seguir confessam o que for preciso. É a democracia iraniana a funcionar...

 
At sábado mar 31, 01:29:00 da manhã, Anonymous DLM said...

Para efeitos concretos, o que vale uma ameaça se não pode passar aos actos?

 
At sábado mar 31, 11:53:00 da manhã, Anonymous Ana Maria said...

Já todos sabemos que o governo Ingles mente! Temos provas disso com a invasão do Iraque.

Porquê que hei-de acreditar nele desta vez? Pode ser que o o governo do Irão esteja a mentir, não sei, mas que o governo Inglês é mentiroso, lá isso é.

Agora a Europa fazer esse tipo de declaração, significa que se O EUA e Israel levarem a sua avante (invadirem mais um Pais, porovocarem mais uma guerra, a Europa está a tomar partido. Isto ainda vai dar que falar.

 
At sábado mar 31, 01:54:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Chamo a atenção dos vários comentadores que nada, até agora, demonstra que as declarações foram forçadas pela coacção. Admito que foram condicionadas, mas não que se trata forçosamente de mentiras forjadas.
A credibilidade que elas me merecem é a mesma que me merece a palavra de Blair.
Se os marines ingleses acabarão todos por confessar ou não, não sei, ainda não vi. Se confessam o que for preciso ou não, duvido.
Parece-me que é embarcar facilmente em patranhas, acreditar que tudo isto é fruto da perversidade iraniana e da tortura.
Aguardemos as imagens e as notícias futuras.
Por mim, continuo na minha: ou há moralidade ou comem todos. Embora saiba que isto custa muito àsm tradições imperiais inglesas.

 
At sábado mar 31, 04:19:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Ana Maria:

Sabes o que penso da invasão do Iraque e do nojo (nojo é a palavra exacta) que sinto pelo bando dos 4.

Agora temos posições diferentes.

Um país que é capaz de exibir prisioneiros e pô-los a defender as suas posições, não tem um Estado de direito.

Imagina um prisioneiro de Guantánamo a dizer que Bush é um humanista. Não merecia crédito e era mais uma vergonha para a Administração americana: servir-se de prisioneiros.

O Irão é um perigo civilizacional e não é o facto de Blair merecer ser julgado que absolve o teocrata iraniano.

 
At sábado mar 31, 04:59:00 da tarde, Anonymous Ana Maria said...

Pois é Carlos, nesse aspecto os americanos não exibem os presos de Guantanamo... prefriram permitir a execução do Sadam em publico.Por acaso não reparei se o governo Do Blair ficou assim tão indignado com esse espectaculo.E, é verdade... a nossa Europa ameaçou de alguma forma o actual governo do Iraque?

 
At sábado mar 31, 05:07:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

Ana Maria:

Quanto ao Iraque bem sabes que estamos de acordo a 100%.

Quanto ao Irão estamos em desacordo, o que não é grave.

Grave é alguém servir-se de prisioneiros. E isso fê-lo o fascista islâmico do Irão. Disso não tenho dúvidas.

 
At sábado mar 31, 05:27:00 da tarde, Anonymous DLM said...

"prefriram permitir a execução do Sadam em publico"

A decisão foi do governo iraquianno e não do inquilino da casa branca

"invadirem mais um Pais, porovocarem mais uma guerra"

Delirio. Há tres anos um grupo de soldados britanicos foram igualmente sequestrados e posteriormente devolvidos. O objectivo era humilhar o "imperio". Conseguiram. O irao foi invadido?

 
At sábado mar 31, 05:48:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

dim:

«A decisão foi do governo iraquianno e não do inquilino da casa branca».

Pergunta: Merecem respeito as sentenças de um tribunal de um país ocupado?

E quem ocupa o Iraque? - Não são os EUA?

 
At sábado mar 31, 06:18:00 da tarde, Anonymous DLM said...

Meu caro, a invasão não teve a aprovação da onu. A ocupação, sim. Os EUA têm a aprovação da onu. Signifa isso que a decisão de tornar publica a execução saiu da onu? Não, a decisão foi iraquiana

 
At sábado mar 31, 08:41:00 da tarde, Blogger matarbustos said...

claro que há aproveitamento do irão. a exibição dos troféus na t.v. é propagandística.

agora custa-me a crer que os marinheiros ingleses se entregassem pacificamente se estivessem certos de não ter invadido as águas territoriais iranianas.

o episódio não surpreende ninguém. surpreendente seria encontrar marinheiros iranianos em águas territoriais britânicas. eu até acredito que as violações de águas territoriais sejam sistemáticas (as invasões de espaço aéreo são comuns em vários países).

quem anda à chuva molha-se e os ingleses, aliados de peso do país que ameaça o irão com a guerra, meteram o pé na argola. o irão conseguiu assim comprometer os planos de invasão que se previa para breve.

de qualquer modo, discordo do uso de que são alvo os marinheiros. mesmo que digam a verdade, o método é suspeito e pouco recomendável.

 
At sábado mar 31, 09:34:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Qualquer prisioneiro, diz sempre o que o captor quer ouvir, óbvio...

O Irão, está tomando uma atitude de força, para testar o ocidente, acredito que mais dia menos dia, há bombas em Teerão...logo que haja a libertação dos prisioneiros, vão levar no cortiço, até aposto.

 
At sábado mar 31, 10:15:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

• OPOSIÇÃO IRANIANA
Captura de marinheiros britânicos estava planeada
O Conselho Nacional da resistência iraniana afirmou, este sábado, que a detenção de 15 marinheiros britânicos já estava planeada pelos Guardas da Revolução islâmica. Entretanto, a Grã-Bretanha mostrou-se preocupada com a hipótese de os militares serem julgados no Irão.

http://tsf.sapo.pt/online/internacional/interior.asp?id_artigo=TSF179095

 
At domingo abr 01, 01:10:00 da manhã, Blogger matarbustos said...

a notícia torna tudo muito mais interessante:

1) supondo que os ingleses invadiram território iraniano, a existência de um plano de captura iraniano (a ser verdade) comprova que a violação é sistemática;

2) por outro lado, se de facto os britânicos não invadiram território iraniano, deu-se o inverso, isto é, o irão invadiu território iraquiano; mas neste caso porque é que as autoridades iraquianas não acusam o irão de ter violado o seu território? se o britânicos estão sob mandato das onu, porquê o silêncio deste orgão?

 
At domingo abr 01, 05:31:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

matarbustos:

Embora eu esteja convencido da maldade iraniana, reconheço que a sua argumentação é forte.

Tiro-lhe o chapéu.

 
At segunda abr 02, 12:44:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

certo dia uma expedição de arqueologos europeus encontraram um corpo de um general Persa perto de Teerão, após estudos elaborados e a utilização de todos os metodos cientificos disponiveis não conseguiram precisar a data em que tal general teria vivido. Encurralados nesta duvida cientifica acederam à proposta do Presidente Iraniano que dizia conseguir datar a época do tal corpo. Discrentes de tal proposito, mas sem mais saidas, entregarm o corpo. Passadas 48 horas, o presidente Iraniano apareceu nas televisões a dizer que o General se chamava Xerxes IV, era do seculo Iv A.c., vivido maritalmente com Xerxina (que nunca tirou a burca) com residencia sita à rua directa de Anshan,na Cordilheira de Zagros, na província de Fars, sudoeste do Irão e que tinha morrido em batalha com 45 anos. O arqueologo chefe de expedição infiltrado no meio dos jornalistas ( talvez por despeito) perguntou ao presidente Iraniano como sabia tanta coisa sobre o cadaver, eis a resposta do presidente Iraniano: " ao pricipio estava dificil, mas após as 1ªs 30 horas nos nossos calabouços, acabou por confessar"

abreijos aeminienses

 

Enviar um comentário

<< Home