sexta-feira, junho 29, 2007

Momento de Filosofia

Fanatismo e Tolerância

Como se define o fanatismo Lord Russell?

Inclino-me a classificar de fanático todo o indivíduo que considera uma determinada coisa tão avassaladoramente importante que a coloca acima de tudo o mais.Vou dar-lhe um exemplo. Suponho que toda a gente bem formada reprova a crueldade para com os cães; mas se alguém considerar essa crueldade como a pior que pode haver, esse alguém é um fanático.

Acha que na história da humanidade se têm visto muitos casos em que se formam numerosos grupos de fanáticos?

Sim, tem havido casos desses em quase todas as épocas, e na grande maioria dos países. É uma das doenças mentais a que estão sujeitas as comunidades.

“…. Porque é que o fanatismo atrai tanta gente?

Porque em certa medida confere uma agradável sensação de solidariedade. Os fanáticos quando se juntam, sentem-se à vontade entre amigos.Entusiasmam-se. Pode apreciar o facto em qualquer partido político.
Há sempre um grupo de fanáticos à roda dele, que se sentem muito bem em companhia uns dos outros e quando a coisa se espalha e se combina com uma tendência para odiar um outro grupo, então o fanatismo floresce.

Mas o fanatismo pode alguma vez servir de mola real para boas acções?

Serve de mola real para acções, sem dúvida, mas não sou capaz de me lembrar de nenhum caso na história em que essas acções fossem boas. Têm sido sempre acções más, creio eu, porque o fanatismo é parcial e tem quase inevitavelmente um elemento de ódio. Os fanáticos odeiam os que não comungam nas mesmas ideias. È praticamente inevitável.

“in A minha concepção do mundo”

Bertrand Russell

2 Comments:

At sexta jun 29, 02:14:00 da tarde, Blogger Maria Lucia said...

Pessoas são fanáticas porque são carentes, é o que eu acho.

 
At domingo jul 01, 10:21:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

O que há mais por aí é fanáticos...gostei de ler

 

Enviar um comentário

<< Home