quinta-feira, dezembro 20, 2007

Fim deprimente de um herói

Foto: Reuters

Fidel Castro deixou entender que poderá abandonar em breve de forma definitiva a chefia do Estado do seu país, actualmente temporariamente entregue ao irmão Raul. Numa carta, o líder cubano disse que não pretendia «agarrar-se a cargos».

Comentário: Não há prestígio que resista à ausência de liberdade.

7 Comments:

At quinta dez 20, 03:12:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"Fim Deprimente de um Herói", ou...

"A Agonia Patética de um Tirano"

 
At quinta dez 20, 03:52:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Sim, o segundo título é mais apropriado. Ou os tiranos de esquerda são melhores que os de direita? Esta agora!

 
At quinta dez 20, 04:55:00 da tarde, Blogger e-pá! said...

Este é, para mim, um assunto que merece melhor tratamento, já que Fidel, Che, Camilo Cienfuegos, entre outros, tiveram um enorme impacto na minha juventude. Não o posso, nem o devo, negar.
De facto, vivi com o entusiasmo de um adolescente a aventura revolucionária de Sierra Maestra, nem o julgamento de Fidel onde foi pronunciada a célebre frase ..."a História me absolverá",... o fim do lupanar dos EUA dirigido por Fulgencio Batista, etc.
Mas vamos relegar essas considerações para mais tarde ou para outra oportunidade.

O que me trouxe aqui, hoje, são as atitudes aparentemente contraditórias vindas de Havana.
Primeiro, a sua nomeação como candidato à Assembleia Nacional para o acto eleitoral de 20 de Janeiro 2008 a dar-lhe continuidade à vida pública;
Logo de seguida, a sua missiva que prenuncia o afastamento de Fidel e a exibição de um video onde se visualiza um homem muito desgastado e fragilizado... próximo do fim da sua existência.

O que se passa na realidade?

 
At quinta dez 20, 10:08:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Pois é, este herói, é amado pelo seu povo, é internacionalista e tem resistido de forma notável ao vizinho americano.

Grande Fidel, VIVA FIDEL.

( se todos os políticos fossem assim, o mundo era melhor )

 
At sexta dez 21, 02:45:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

A liberdade do Jardim Gonçalves e daquele moço mui democrata Pinto não sei qtos dos botões de punho nazis.Liberdade era falar disso e o pq é q as prisões não têm destes amantes da liberdade.Liberdade é para explorar é o q vossa excelencia não tem coragem de dizer

 
At domingo dez 23, 06:33:00 da tarde, Anonymous HAYEK said...

DITADOR=HERÓI

Em que ficamos?
A nossa cultura está cheia de "frases feitas".A dita "esquerda" não pensa, mas decora e deita fora!
E assim vai falando de liberdade(como se a "liberdade" só exista fora das grades das prisões), de igualdade (como devessemos ser todos da mesma altura)...
Entendamo-nos!
HAYEK

 
At domingo dez 23, 09:21:00 da tarde, Anonymous Carlos Esperança said...

HAYEK:

Não tenho problemas em responder nem sofro de complexos de esquerda.

Fidel libertou Cuba de um ditador execrável, deu ao seu povo os melhores índices de saúde, intrução e cultura da América do Sul e resistiu à chantagem e às ciladas dos EUA.

Foi um herói.

Fidel perseguiu intelectuais, prendeu adversários e governou com um partido único.

Tornou-se um ditador.

É difícil aceitar que o alibi da hostilidade americana não justifica a restrição das liberdades?

Nos últimos dias mais alguns bailarinos de grande qualidade pediram asilo e não regressaram a Cuba.

 

Enviar um comentário

<< Home