domingo, janeiro 20, 2008

Crónica

Nadir Afonso (bordel)
Novos cadernos da colecção “O Fio da Memória. Ed. CMG

2 Comments:

At domingo jan 20, 02:34:00 da tarde, Blogger jrd said...

Um espanto!Um espanto que se repete como "uma pedra solta"!
Admirável.Quem mais escreve assim?!
abraço

Nota:Achas que eles, os filhos...(de agora)percebem?

 
At domingo jan 20, 04:19:00 da tarde, Anonymous Alexandre de Castro said...

Caro Esperança:
Literariamente, perfeito. O texto devolve ao leitor um retrato fiel da realidade vivida pelos estudantes do liceu de uma cidade da província em meados do século passado. E, afinal, a Guarda em nada se distinguia da cidade da minha adolescência, Lamego, a não ser, talvez, pela altitude e pelo facto de só ter três estações anuais..
O humor é soberbo. Depois de ter lido que o aplicado funcionário judicial tinha arrolado um crucifixo, marca INRI, nunca mais deixei de rir, já para não falar do culto mariano da impostora entrevadinha, a quem alguém, por certo, lhe encomendou a estudadda encenação.
Em três pinceladas, surge um texto vivo, colorido e significativo.
Um abraço
Alexandre de Castro

 

Enviar um comentário

<< Home