sexta-feira, janeiro 18, 2008

Ordem dos Médicos - Bastonário reeleito

O projecto de revisão do código deontológico dos clínicos está pronto e será debatido no primeiro trimestre deste ano, adiantou Pedro Nunes, que ontem foi reeleito bastonário da Ordem do Médicos (OM) com uma vantagem de cerca de 1700 votos relativamente ao adversário, o neurologista portuense Miguel Leão. (Público).

O bastonário acrescentou que o código deontológico revisto provavelmente não "agradará" ao ministro da Saúde.

Comentário: O código não tem que agradar ao ministro, tem apenas que respeitar as leis.

6 Comments:

At sexta jan 18, 03:34:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

A Igreja é missionária porque anuncia que Deus é Pai. Todavia, há muitas pessoas que não reconhecem o Deus de Jesus Cristo como Criador e Pai: porque são indiferentes ou ateus, porque construíram um Deus à própria imagem e semelhança; ou ainda porque O consideram um ser totalmente inalcançável. Para eles, diz o Papa, a tarefa dos crentes é testemunhar que, em Cristo, Deus fez-se próximo de cada homem e torna-o capaz de O conhecer e de O amar.

 
At sexta jan 18, 03:34:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Na cultura moderna difundiu-se um sentido de expectativa de uma nova era de paz, de bem-estar, de solidariedade, de respeito pelos direitos e de amor universal. Este Reino, já proclamado no Evangelho, realiza-se na história graças a pessoas, famílias e comunidades que escolhem viver de maneira radical os ensinamentos de Cristo.

 
At sexta jan 18, 03:40:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O ser humano está todo presente desde o início da vida. É uma certeza confirmada pela ciência: todas as características e potencialidades do ser humano estão presentes no embrião. A vida é, a partir desse momento, um processo de desenvolvimento, que só acaba na morte natural. O aborto provocado, sejam quais forem as razões, é sempre uma violência injusta contra um ser humano.

A legalização não é o caminho adequado para resolver o drama do «aborto clandestino». A luta contra este drama social passa por um planeamento equilibrado da fecundidade, por um apoio decisivo às mulheres para quem a maternidade é difícil, pela dissuasão de todos os que intervêm com meros fins lucrativos.

O aborto não é um direito da mulher. Ninguém tem direito de decidir se um ser humano vive ou não vive, mesmo que seja a mãe que o acolheu no seu ventre. A mulher tem o direito de decidir se concebe ou não. Mas desde que uma vida foi gerada no seu seio, é outro ser humano, em relação ao qual tem particular obrigação de o proteger e defender.

 
At sexta jan 18, 04:25:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Parece que este não é o Bastonário do agrado do ministro...as más línguas, diziam que o governo patrocinava a outra candidatura.

 
At sexta jan 18, 05:08:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Eram muito más, de facto, as ditas línguas.

Este é exactamente o bastonário que deixou terminar as carreiras médicas, não defendeu com afinco o acto médico, fez fraca figura na defesa do código deontológico e finalmente levou deixar levar a cabo a linda reforma do SNS que está na praça pública.

Sempre com este ar de pachá e dando a sensação que está do mesmo lado do ministro - o do sector privado.

 
At sexta jan 18, 10:33:00 da tarde, Anonymous ahp said...

Não conheço o Estatuto da Ordem dos Médicos. Mas o Estatuto da Ordem dos Advogados (que contém o respectico código deontológico) é uma lei aprovada pela Assembleia da República - a Lei n.º 15/2005 de 26 de Janeiro.
Custa-me a compreender que os médicos possamter um código deontológico superior à lei, ou até contra a lei.

 

Enviar um comentário

<< Home