domingo, dezembro 27, 2009

IRLANDA: Um Natal de repugnância e cólera…

O escândalo da pedofilia no seio de instituições religiosas abala a Igreja cristã irlandesa. Ou, talvez, as suas réplicas sejam mais devastadoras e atinjam os alicerces da ICAR.


Quando olhamos para os últimos acontecimentos em Dublin o que sobressalta é uma cascata de demissões:
O bispo de Limerick (oeste de Irlanda), Donald Murray, renunciou a 17.12.09;
O bispo de Kildare e Leighlin, James Moriarty, a 24.12.09;
Os bispos auxiliares de Dublin Eamonn Walsh e Raymond Field, no passado dia 25.12.09.
E o que adiante se verá…
A arquidiocese de Dublin é acusada de encobrir os abusos sexuais cometidos por padres pedófilos. Esta vergonhosa conivência com tão graves crimes coloca a ICAR na senda de uma organização foragida à Justiça. Não se entende como o arcebispo de Dublin - Diarmuid Martin, vai recebendo estas renúncias e limita-se a comunicá-las a Bento XVI. Na verdade, o arcebispo, que é o actual primeiro responsável, dos abusos repetidamente cometidos na arquidiocese que actualmente dirige, permanece impávido e sereno no exercício das suas funções eclesiásticas.

Mas, se hoje o arcebispo de Dublin dá a cara e desdobra-se em desculpas, procurando resolver esta serial criminalidade (um padre confessou ter abusado de mais de 100 crianças!), controlando os danos à ICAR, nomeadamente, tentado evitar os julgamento dos responsáveis identificados pela Comissão de Investigação Murphy, outros há, como o resignatário cardeal Desmond Connell (retirou-se em 2004), um dos inefáveis “príncipes da Igreja”, eleitor de Bento XVI e teologicamente próximo da actual sua doutrina anti-conciliar deste Papa, que tentaram por todos os meios “esconder” da Justiça estes crimes, numa atitude repugnante. Este cardeal, um dos grandes responsáveis pelos inclassificáveis atropelos cometidos à Justiça, goza - em tempos de cólera - a tranquilidade a sua jubilação.

Entretanto, Bento XVI permanece no Vaticano, indiferente a este monumental escândalo e a estes crimes que na prática permanecem inimputáveis, teorizando sobre os princípios morais que a Igreja defende e que pretende impor a todos – não só os católicos.

A pretensa autoridade moral da Igreja que esta, dogmaticamente, utiliza, quando contempla o Mundo, foi estrondosamente abalada por este escândalo.
O Relatório Ryan que desvendou as denúncias de abusos sexuais a menores, praticados por membros do clero, em escolas católicas do país, publicado em Maio passado, teve como efeito a ICAR se comprometer ao pagamento de indemnizações no valor de 145 milhões de euros. E assim se abafa centenas de crimes. Os clérigos pedófilos gozam de inteira liberdade e, possivelmente, prosseguem as suas criminosas actividades.

Estes crimes que ocorreram em diversas dioceses irlandesas não se circunscrevem só à Igreja. Contaram com a complacência da polícia desde 1975 a Maio de 2004!

O Governo irlandês através do Ministro da Justiça, Dermot Ahern, classificou estes crimes como: “perversão calculada e sistemática do poder e da confiança infligida em crianças indefesas e inocentes”. E, verberando o criminoso conluio da Polícia, advertiu: “não haverá lugar para se esconderem”, pelo que “a justiça - mesmo quando foi protelada – não será negada”...
Ficamos, para já, a aguardar a inevitável investigação sobre o intolerável comprometimento da Polícia com estes repugnantes crimes.
Entretanto, a justiça irlandesa já condenou oito padres em Dublin e está a julgar mais três, estando em curso acções contra outros 35. A intervenção governamental foi determinante para enfrentar a atitude de “arrogância e encobrimento” da hieraraquia religiosa.

Este é o caminho certo para enfrentar estes vergonhosos e horrendos crimes. As negociações promovidas pela hierarquia religiosa com as vítimas são uma intolerável excepção e têm como finalidade última iludir a sua gravidade, deixando impunes os já referenciados prevaricadores.

Finalmente, a fuga à Justiça permite a prossecução destes crimes, escondendo a verdadeira face da ICAR.

5 Comments:

At domingo dez 27, 04:14:00 da tarde, Blogger MFerrer said...

É pá,
Mas que falta de respeito!
Então a ICAR já não pode continuar a sua caminhada versus o infinito?
Sempre foi assim.
A devassidão para eles, e a dieta para os outros. No amoedamento, no casamento, na blasfémia, na devassidão, que sei eu?
Basta ver a pobreza do Vaticano, as suas intervenções pífias em defesa(?) dos mais fracos e dos oprimidos, ou apreciar o ouro de que se recobrem, para perceber quem são, ao que vêm, e o que defendem.
São um bando de escroques disfarçados de intelectuais da treta. Com universidades e muita media para espalhar e difundir a sua ideologia acerca de pobres agradecidos e de pulhas generosos...

 
At domingo dez 27, 06:41:00 da tarde, Blogger e-pá! said...

Errata:

Quando no texto se lê:
"A arquidiocese de Dublin é acusada de encobrir os abusos sexuais cometidos por bispos pedófilos".

Deve ler-se:
"A arquidiocese de Dublin é acusada de encobrir os abusos sexuais cometidos por padres pedófilos".

 
At domingo dez 27, 07:35:00 da tarde, Blogger Carlos Esperança said...

E- Pá e leitores:

Errata: A correcção já foi feita no post.

 
At domingo dez 27, 10:56:00 da tarde, Blogger Manuel said...

Será só na Irlanda? Ou noutros países o assunto está "encoberto"?

 
At segunda dez 28, 05:09:00 da manhã, Blogger Julio Carrancho said...

A IÇAR tem sido sempre um ninho de áspides perigosíssimas. Só que Napoleão conseguiu retirar-lhe parte do VENENO ao “desnacionalizar” o antro da sua “toda-poderosidade”! [Eu sei que a palavra não existe.]
Abaixo a IÇAR e a sua MÁFIA secreta de pedofilia!
Pare-se de dar dinheiro a um sistema religioso de ladroagem dos inocentes!

 

Enviar um comentário

<< Home