sábado, janeiro 31, 2009

Verdade ou insurreição?

Uma juíza do Tribunal de Família e Menores de Lisboa emitiu um despacho contra o sistema Citius, do Ministério da Justiça.

Solange Hasse denuncia que o programa informático onde os magistrados passam a emitir os despachos é vulnerável a intromissões do poder político, que podem consultar e alterar os processos.

Cavaco Silva e a lei do divórcio

No local onde a irmã Lúcia passava tardes a pastorear cabras e à conversa com a Virgem, onde o Sol andou às cambalhotas e um anjo aterrou, Cavaco pareceu o líder da oposição de direita.

O local é adequado para o recolhimento, a oração, as flexões e as reflexões pias, sobretudo no que diz respeito ao divórcio, mas não é o sítio adequado a comícios profanos.

Foi, por isso, com surpresa que ouvi o PR, não a verberar as fugas de informação de um processo judicial mas a fragilizar o Governo quando este se encontra perante uma campanha que visa denegri-lo, sem o derrubar, para colocar no poder uma oposição sem programa, sem ideias e sem vergonha.

Não sei que estudos suportam a suspeita de que a nova lei do divórcio esteja na origem de novos pobres mas a crítica reiterada a outro órgão da soberania afigura-se um acto de quem, em vez de zelar pelo normal funcionamento das instituições, está a pôr em causa essa normalidade. Criticando a AR, atinge o Governo e revela o azedume que a casa da democracia lhe provocou.

O PR tem poderes para dissolver livremente a Assembleia da República e, se o fizer, estará só a usar os direitos que pode exercer, mas é ele que, aparentemente, quer condicionar o Governo e a AR, atacando a última.

Que raio de solidariedade institucional é essa de querer disciplinar outros órgãos cuja legitimidade é igual à sua?

Só um notável sentido de Estado, a enorme dedicação à causa pública e a noção dos riscos para o País pode levar o primeiro-ministro a manter-se no cargo perante a falta de solidariedade que o PR mostra, mais preocupado com a salvação da alma do que com a situação do País.

Cavaco Silva vetou a lei do divórcio como era seu direito e promulgou-a como era seu dever. Perdeu. Ponto final. Não pode andar a alimentar o ressentimento próprio do português médio que não se conforma com as decisões legítimas de que discorda.

Cavaco é o Bush português. Esperemos que por menos tempo.

Não é culpa dos portugueses se não conseguir acabar o mandato com dignidade.

sexta-feira, janeiro 30, 2009

Steele vs. Obama



Obama já tem alguém à sua altura para fazer oposição.

É a riqueza da democracia no seu esplendor. Para um bom Governo, uma boa oposição!

Os Republicanos têm que esquecer os tempos tenebrosos da loira de Wasila, ou o manager de baseball de Arlington.

O factor demográfico corre contra o partido dos WASP (White Anglo-Saxonic and Protestant) e, como pragmáticos que são, os homens da direita americana já encontraram o seu afro para começar um novo ciclo na política interna.

"Brasil urgente, Dilma presidente”



Não é ainda uma declaração de apoio da minha parte.
Mas desde já manifesto uma grande alegria e simpatia por esta potencial candidatura.

Primeiro, porque é do PT e não será necessário recorrer a um candidato emprestado de outro partido, como muitos previam.

Segundo, porque é uma mulher, num país em que estas sofrem constantes humilhações e privações. Será um extraordinário passo em frente de emancipação feminina na grande América Latina que conta já com uma Presidente no Chile e outra na Argentina.

Terceiro, porque tem grande experiência de governação, assegurando a continuidade das políticas que têm trazido algum progresso ao Brasil e alguma distribuição de renda e de terras, sem o populismo estéril dos pseudo-revolucionários mais a norte.

Quarto, porque não vem das grandes famílias dos coroneís nem da burguesia paulista, sendo alguém com um trajecto de vida que a robustece.

Vamos ver com que linhas se cose esta política à brasileira, sempre tão complexa.

Castanheira Barros e a política (2)


Resposta de Castanheira Barros ao Ponte Europa

A velha técnica de descontextualizar afirmações já não pega . Desafio-o a publicar na íntegra o texto que remeti à comunicação social e que infra-transcrevo e já agora convido-o a comparar a sua notícia com a do Jornal Barlavento sobre o mesmo assunto :

Barlavento online

« Ao ter rejeitado a homologação da candidatura do Dr. Gonçalo Amaral à Presidência da Câmara Municipal de Olhão, a CPN-Comissão Política Nacional do PSD cometeu um erro grave ao ratificar a posição anteriormente assumida pela Presidente do PSD Drª Ferreira Leite que afirmou que essa candidatura não seria aceite por « dar a ideia de que existe uma promiscuidade entre a política e a justiça ».

Essa afirmação traduz-se na violação do artigo 48º da Constituição que consagra o direito à acção política ( « direito de tomar parte na vida política e na direcção dos assuntos públicos do país » ) . Desde quando é que um funcionário ou ex-funcionário do Ministério da Justiça está impedido de exercer cargos políticos .

A Drª Ferreira Leite precipitou-se e revelou tiques ditatoriais ao ter usurpado funções que competem à CPN ( e não à Presidente do Partido isoladamente ) .

A actual Presidente do PSD, que tem um discurso eminentemente economicista, precisa de estudar com mais cuidado os Estatutos do Partido ou de pedir aos juristas do seu Partido que lho expliquem .

A não homologação da candidatura de Gonçalo Amaral para além de revelar deficit de descentralização do poder político interno, é inaceitável atento o fundamento invocado pela Presidente do PSD .
Aceitar um lugar de destaque num Banco após o exercício de funções na área das finanças públicas é que pode dar a ideia de existência de promiscuidade .

Reitero a afirmação da necessidade de realização de um Congresso Extraordinário para avaliar a actuação da Presidente do Partido e da Comissão Política Nacional .

Espero que o Dr. Mendes Bota, Presidente da Distrital do Algarve do PSD seja da mesma opinião.

A lucidez de um guerrilheiro


Fidel à sua frieza de análise, Castro consegue ser notícia graças às suas declarações sobre Barack Obama.

Reduzindo a complexidade - como é apanágio das mentes brilhantes - o antigo líder de Cuba esclarece que o Presidente dos EUA, numa manobra de imperialismo, está a promover o reforço da nação tirânica israelita e do genocídio dos palestinianos.

Já sabemos com o que podemos contar da parte do Comandante Castro.

Com efeito, este conseguiu levar o seu povo a um bom nível de vida e a um gozo pleno e igualitário dos valores democráticos, sem presos políticos e sem miséria, e é um exemplo para alguns em todo o mundo, designadamente para os comunistas portugueses.

Eu, mais inocente ou mesmo cândido, ainda mantenho muita esperança em Obama e vejo nos passos determinados que este tem vindo a tomar relativamente ao médio-oriente, a Guantánamo e ao Iraque um caminho muito positivo, que pode vir a trazer uma paz justa e duradoura a Israel e à Palestina.

Investigações para português ver...

Informa é-pá:
"A questão Freeport e a inusitada tentativa de envolvimento do actual PM José Sócrates, têm-me levado a que, neste blog, venha apelando ao respeito pelo calmo (cool) e tranquilo desenvolvimento das investigações, sob a natural supervisão da PGR.

Mantenho, inquietantes reservas sobre a investigação britânica orientada pelo denominado Serious Fraud Office.
Parece que na Grã-Bretanha há fraudes sérias e outras, menos sérias. Prefiro considerar todas as fraudes, como menos sérias...
Para quem criticou, impiedosamente, a PJ nas investigações do "caso Maddie", nomeadamente as demoras, a sua actuação no caso Freeport, nada lhe fica a dever.

Trata-se da aprovação de um projecto que teve lugar em Março de 2002.
Só 6 anos depois (em 2008) é que se realiza uma reunião conjunta entre as polícias portuguesa e britânica, em Haia (Holanda).
Uma pressa muito tardia.

E, depois, o que dizer deste festival mediático?
Necessidade de empolar vendas devido à crise, viver do sensacionalismo da "cacha" fácil mas simultâneamente fútil, vício de agitar águas em vesperas de sucessivos períodos eleitorais, ...

Entretanto, continuam as investigações de acordo com as normas portuguesas."


Freeport é sem dúvida mais antigo que Maddie. E na pátria do capitalismo e da democracia exigia-se uma polícia mais diligente na investigação da criminalidade economica e das suas ramificações à actividade política.

Não se compreende, de facto, a demora das autoridades inglesas em todo este processo.

Cinismo fascista

O sacerdote Floriano Abrahamowicz, relançou ontem as teses revisionistas sobre o Holocausto feitas por um bispo lefebvriano ao assegurar que a «única coisa segura sobre as câmaras de gás é que se usaram para desinfectar».

Arre porra que é demais

Perante a ausência de novos factos e o excesso de agitação mediática que aí vai por causa do processo Freeport, recordo as pessoas, que seria vergonha para qualquer partido de bem ter como militantes, que se prestaram à canalhice de assassinar politicamente Ferro Rodrigues, uma referência ética e política da nossa democracia.

Foi no tempo em que o país andou à deriva com Durão Barroso e Paulo Portas, com a justiça entregue a Celeste Cardona e a PJ dirigida por Adelino Salvado que em vez de responder por violação do segredo de justiça e perseguição a um líder partidário foi parar, como juiz desembargador, à Relação de Lisboa.

Mais tarde assisti à infame insinuação do Menino Guerreiro sobre a alegada homossexualidade de Sócrates, o que para mim significava o mesmo que divulgar-lhe o grupo sanguíneo, por exemplo, mas que se inseria numa campanha miserável num país que a cultura pia tornou homofóbico.

Já antes (lembram-se leitores?) tinha havido contra Guterres uma campanha que, a pretexto de uma fundação para a Segurança Rodoviária, que posteriormente viria a ser considerada legal e impoluta, pretendia demonstrar o carácter venal de Guterres com os dinheiros públicos.

Contra Sócrates, voltou agora a campanha com que há quatro anos lhe quiseram assassinar o carácter, o caso Freeport, hibernado durante anos e, tal como a Fénix, de novo renascido das cinzas.

Não tendo acesso a informação privilegiada nem a tertúlias de intriga, não vejo menos razão para acreditar no comunicado da PGR e na palavra de José Sócrates do que na de Pacheco Pereira que chama situacionistas aos jornais que não trazem na capa uma chamada de atenção para as insinuações.

Vale a pena ler um adversário e contundente crítico do primeiro-ministro:

Porém, este caso do Freeport fez-me reflectir sobre a natureza da indignidade e os fundamentos da sordidez. Nos últimos três anos, o homem foi acusado de forjar uma licenciatura, de ser homossexual (uma acusação abjecta, com remetente conhecido) e, agora, de estar envolvido numa tecelagem de corrupção. A história escora-se numa trama obscura, mas o estilo caracteriza a procedência. Não pertenço à matilha. As desprezíveis fugas de informação parecem obedecer a um calendário político. Seria Sócrates muito tolo, e não o é, acaso se se deixasse enredar numa teia tão rudimentar e insensata quanto os noticiários no-lo revelam. Creio que esta ruideira não o afectará politicamente. Lembram-se da campanha contra Sá Carneiro? Viver em Portugal é perigosíssimo. (Batista-Bastos)

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Coelho demorou 35 anos, mas saiu da toca!

O PCP está "esclerosado" e é "reaccionário" afirma o ex-militante do PCP e Presidente da Câmara Municipal de Sines.

Que o PC(P) - partido único na Europa, sem paralelo em Espanha, Itália, proibido na Alemanha, irrelevante na história da política escandinava, britânica e de outros países ricos como a Áustria e a Suíça, para gáudio do povo, desaparecido de metade do nosso Continente com a queda do muro de Berlim - tem as características indicadas pelo autarca, não é notícia.

A notícia é que - tal como faz aos seus deputados que batem com a porta - o PCP tem o descaramento de sugerir que o Presidente da Câmara se demita...

Como se as eleições em Sines tivessem lugar no comité central!

USA - (Senado) Obviamente, demito-o...

O governador democrata do Illinois, Rod Blagojevich, foi considerado culpado no âmbito do processo de destituição movido pelo Senado daquele estado e imediatamente exonerado do cargo depois da votação unânime dos legisladores no sentido do seu afastamento.

Acusado por vários crimes de abuso de poder e corrupção, o mais “incrível” dos quais um alegado leilão do cargo no Senado ocupado por Barack Obama e deixado vago depois da sua eleição como Presidente, Blagojevich (ou simplesmente “Blago”) não tinha as mínimas condições políticas para se manter à frente do governo do Illinois.

Em defesa do JN


No endereço http://www.petitiononline.com/pelojn/petition.html está alojado o "Manifesto pelo último grande jornal da cidade do Porto", uma petição em defesa do "Jornal de Notícias"
Se estiverem de acordo, assinem e divulguem.
Anabela