terça-feira, janeiro 31, 2012

O Princípio de Peter




Abertura do Ano Judicial: um enigmático aviso…

O presidente do Supremo Tribunal de Justiça advertiu que defender a inexistência de direitos adquiridos, sejam pensões fixadas, salários estabilizados ou direitos de propriedade, é "admitir o regresso ao tempo das ocupações, das autogestões ou do confisco".
"Falar na inexistência de direitos adquiridos num discurso unilateral ou unipolar, ainda por cima num país de rendimentos tão desiguais, pode ser a abertura da caixa de Pandora", salientou Noronha do Nascimento na cerimónia de abertura do ano judicial.


Noronha do Nascimento dirigindo-se ao Governo representado na sessão pela ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, vincou que defender que não há direitos adquiridos é "dizer que todos eles podem ser atingidos, diminuídos ou, no limite, eliminados".•
"Ou seja, é admitir o regresso ao tempo das ocupações, autogestões ou do confisco", acrescentou.


"Será que se está preparado para aceitar todas as sequelas lógico-jurídicas de quem pensa assim", questionou o presidente do Supremo (STJ), enfatizando que os direitos adquiridos são o "produto final de uma civilização avançada que se estruturou à volta da teoria do pacto social". link.

Graves conflitos institucionais à vista?

Recordar a História é lutar pela liberdade

Mais do mesmo, com outra roupagem…


Os líderes europeus, na reunião de ontem em Bruxelas, chegaram à “brilhante” conclusão de que “que a austeridade, por si só, não chega para resolver a crise…link , facto que, para quem lê a imprensa internacional e é capaz de auscultar os povos, não passa de mais uma indigente redundância.


Como “tentaram” resolver este conflito? Assim: “…avançar com medidas para promover o crescimento e o emprego…link . Entretanto, esta resposta não passou de uma genérica enunciação de intenções. De concreto, avançou-se com a aprovação de uma “regra de ouro” orçamental, neste momento, geradora de mais austeridade, mais recessão económica, mais desemprego. Isto é, reconhecido o “erro” (que não é mais do que a essência das imposições do eixo franco-alemão) há uma total incapacidade em retirar lições (pelo menos no imediato).


Pelo caminho ficou mais um Estado: a República Checa. Este o sinal visível do desmantelamento da Europa e da vitória da impotência que há muito deixou de ser “” incompetência.

De facto, a agenda subjacente a estas reuniões que, como vemos, congregam as forças do Centro e Direita europeias tornou-se, de cimeira em cimeira, mais pública e notória em termos de estratégia (política). Só não vê quem não quer!


A austeridade não sendo um fim entranhou-se (pelo menos até as eleições francesas e alemães) e acabará por matar todos os mecanismos capazes de solucionar - atempadamente - a actual crise.

segunda-feira, janeiro 30, 2012

Manobra para fazer esquecer as queixas sobre a reforma

Momento zen de segunda_30_01_2012


João César das Neves (JCN) na habitual homilia no DN – O teste definitivo – regressa à obsessão pela família que o papa, os bispos e os padres preconizam, sem experiência na matéria.

JCN tomou a decisão pessoal de não escrever segundo o novo Acordo Ortográfico, uma decisão coerente de quem pensa de acordo com o concílio de Trento, mas não escreve em latim, uma língua mais sagrada e de acordo com a missa e o credo em que acredita.

O pensamento jurássico leva-o a afirmar que, em questões de família, Portugal anda há muito a reboque das posições extremistas do Bloco de Esquerda e que o edifício legal anti família, abusivamente construído pela maioria socialista, mantém-se intocado sem perspetivas de revisão.

JCN range os dentes e atira-se como gato a bofes contra o atual governo, convencido de que a situação anti família se agravou.  Vigora um governo diferente e a situação, não só não melhorou, mas agravou-se – afirma o devoto. Diz que a prática administrativa e financeira aproveita o quadro legal para ir subsidiando o aborto, minando o casamento, prejudicando as famílias numerosas, anulando a liberdade educativa. E denuncia com a incontida raiva de um devoto que foi dada continuidade à cavalgada infame, abrindo-se agora a porta a filhos de mães múltiplas.

JCN manifesta o seu desespero por saber que, nos tempos que correm, não há alterações a esta onda cultural e afirma que os ataques à família ainda crescem imparáveis para o auge e, ao mesmo tempo, regozija-se porque a onda lasciva está mais perto do fim do que parece dado o facto de ter chegado à velhice a geração do amor livre, Woodstock e Maio de 68.

Em tom dramático, com o gozo de quem a julga condenada ao Inferno, profetiza que será a velhice mais longa e solitária de sempre e com uma pesada herança de famílias desfeitas, filhos e netos alheios ou não nascidos, promiscuidade, traição, luxúria, (que) enfrenta agora o teste definitivo.

Com esta de filhos e netos alheios ou não nascidos, sobretudo com a preocupação pelos não nascidos, JCN mostra como convive mal com a sexualidade e como julga serem os exemplos sexuais do clero católico o paradigma que agrada ao seu deus.

NotaPor decisão pessoal, transcrevi as frases de JCN (em itálico) segundo o Novo Acordo Ortográfico.

Leituras da semana passada e de hoje…

«Portugal não irá pedir mais tempo nem mais dinheiro…», Pedro Passos Coelho, 1º. Ministro português em 24.01.2012. link


Furthermore, the spread between Portuguese and German benchmark bond yields during the session has risen to a euro-era record of 1,500 basis points, a signal investors believe Lisbon also will have to restructure its debt.” Financial Times – Jamie Chisholm, Global Markets Commentator, em 30.01.2012. link

O caricato é que a cada vez mais próxima reestruturação da dívida portuguesa vai ser apresentada – por este Governo - como uma inevitabilidade quando na realidade foi veementemente rejeitada pela actual coligação como alternativa e os que a defenderam, desde o início do plano de resgate, foram ostracizados, apodados de irresponsáveis e imolados na praça pública.
Falta só fazer crer aos portugueses que as eleições de 5 de Junho os mandataram – exactamente! - para isso.
Ou então, despudoradamente, voltar há um ano atrás quando o Mundo mudava numa semana... e os neoliberais - na Oposição - tinham solução para tudo...

Espanha - Solidariedade com o juiz Garzón

Um momento da manifestação de apoio ao juiz Garzón. / JUAN CARLOS HIDALGO (EFE)

As 17 organizações de juízes e procuradores integrados no Medel  (Magistrados Europeus pela Democracia e Liberdades) tornou público umcomunicado contra la perseguição ao juiz Baltasar Garzón por ter investigado "os crimes contra a humanidade cometidos durante la ditadura franquista", e mais especificamente, os delitos de desaparição forçada.

De regresso à censura...

A crónica que motivou a censura da RTP e ditou o fim do programa 'Este Tempo'...
A última crónica do escritor Pedro Rosa Mendes na Antena 1 

domingo, janeiro 29, 2012

Infantilidade e Estupidez




sábado, janeiro 28, 2012

Erro, montagem ou incúria?

Direito à indignação

Declaração de rendimentos de maria cavaco silva:

Declaração de rendimentos de maria cavaco silva:


- ações no bpi 6287; 
- comundo 12; 
- brisa 500; 
- zon 436; 
- conta À ordem no bcp 882022 (1ª titular) 21.297,61 euros; 
- ações no bcp 70.475; 
- jerónimo martins 15.000; 
- deposito a prazo 350.000,00 euros vencimento 04/04/2011; 
- obrigações - bcp finance 330 unidades juros perpétua 4.239%; 
- fundos de investimento fundo avacçÕes de portugal 2.340 unidades; 
- millenium euro carteira 4.324.138 unidades; 
- pojrmf fundes euro band equity fund 118.841.510 unidades; 
- ppr 52.588,65 euros; 
- bpi conta nº 60933.5 depósito à ordem 6.557 euros; 
- depósitos a prazo 140.000,00 juro 2,355% vencimento 21/02/2011; 
- 70.000.00 euros juros 2.355% vencimento 20.03.2011. 

para uma reformada de 800 euros esta poupança é bestial, e como o marido anda pela televisão a dizer que perdeu muito dinheiro com as ações do bpn, aqui está uma verdadeira investidora!!!!



Nota - Seria útil para a imagem da dedicada esposa de Cavaco Silva que desmentisse estes números que circulam na NET.

sexta-feira, janeiro 27, 2012

Corrupção no Vaticano

A Santa Sé está envolvida num escândalo de corrupçãorelacionado com contratos para obras no Vaticano. O caso é agravado pelo facto de o arcebispo Carlo Maria Viganó, que denunciou a trama, ter sido afastado pelo Papa Bento XVI e transferido para Washington.

Nota - O porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi, não nega a autenticidade das cartas, mas lamenta a divulgação de documentos "reservados".

Associação Ateísta Portuguesa (AAP). Carta ao PM

Exmo. Senhor
Dr. Pedro Passos Coelho
Primeiro-ministro de Portugal
pm@pm.gov.pt       
1200-888 Lisboa                                  Cc.  - Partidos políticos                                                                                                                                                                   


A Associação Ateísta Portuguesa (AAP) ficou perplexa com a ameaça do Governo de, após várias tergiversações, regressar à proposta da eliminação do dia 5 de Outubro como feriado nacional.

Tão grave como o atentado à memória histórica da matriz do nosso regime é a cedência de um estado constitucionalmente laico à chantagem eclesiástica da religião particular que a democracia tem injustamente cumulado de privilégios.

Não foi na defesa dos trabalhadores que a Igreja católica exerceu a chantagem, foi na manutenção de um feriado que assinala a improvável Assunção de Nossa Senhora ao Céu, evento de que se desconhece a data, o itinerário e o meio de transporte.

A direção da AAP, certa de interpretar o sentir das centenas dos seus sócios e de muitos portugueses (céticos, agnósticos, livres-pensadores, crentes de várias religiões e, até de católicos a quem repugna ver Portugal transformado num protetorado do Vaticano), repudia a ingerência clerical na política do Estado português bem como a cedência deste à arrogância da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

Assim, a AAP apela ao Governo para que reconsidere o ato de genuflexão perante a CEP, ato incompatível com a natureza laica do Estado.

Certa de que o bom senso imperará, a AAP aguarda que o sentido de Estado de V. Ex.ª se sobreponha à beata cedência ao proselitismo religioso e que a paz religiosa não seja perturbada pela a humilhação do Estado de Direito.  

Confiando na manutenção do feriado de 5 de Outubro e na perpetuação da homenagem aos heróis da Rotunda,

Apresentamos os nossos cumprimentos.       

Direcção da Associação Ateísta Portuguesa – Odivelas, 27 de Janeiro de 2012

quinta-feira, janeiro 26, 2012

Coimbra - CONVITE

Convite. Comemorações do 31 de Janeiro

Clique na imagem para aumentá-la.

ALBERTO JOÃO: a dívida e o circo...

O facto de, no final da reunião, não terem sido produzidas declarações (mesmo que genéricas) é mais uma evidência da opacidade do actual Governo em questões de Estado (que interessam a todos).
Ou o encontro não foi (ainda) totalmente conclusivo e aguarda novos desenvolvimentos até 6ª. feira, ou terá sido mas necessita do beneplácito da "troika"...
De qualquer maneira, a manifesta falta de respeito pelos cidadãos (todos) é notória. Por último, para os madeirenses, ou melhor, para aqueles que aguardam um duro programa de resgate, o suspense será insuportável.
Jogadas políticas deste calibre não são concebíveis.

Ficamos à espera da publicação do programa de ajustamento financeiro da Madeira que, segundo consta, dispensará cerimónias protocolares link.
AJJ fará o “ajuste de contas” directamente com o seu eleitorado no Funchal. É de esperar – para não destoar link- mais uma boçal narrativa acerca da rota de endividamento da região.
O circo ainda não foi totalmente desmontado.

Nigéria – O Islão é pacífico…


Na Nigéria, lenta e metodicamente, o ódio religioso vai semeando a morte. Não é um assunto que preocupe especialmente a comunicação social, apesar de ataques frequentes às igrejas cristãs. Na última semana mais de 200 pessoas foram mortas, vítimas do ódio sectário de muçulmanos exaltados.

Em África há um duelo entre o islão e o cristianismo radical. O islão é apoiado pela Arábia Saudita e está a impor-se nos países do Sahel (Senegal, Mali e Níger) enquanto o cristianismo evangelista progride na África do Sul, Costa do Marfim, Benim e Libéria, graças à ajuda financeira dos EUA e das grandes igrejas evangelistas.

A Nigéria tornou-se um palco do duelo entre dois monoteísmos, islâmico e cristão, em luta pela hegemonia religiosa em África. Ao contrário do que sucedia até 1990, quando todas as religiões coexistiam nas cidades nigerianas, hoje o norte encaminha-se para o exclusivismo muçulmano, ansiando a sharia, e o sul abraça o cristianismo, acentuando as clivagens tribais e ameaçando as religiões minoritárias e as tradicionais.

O Ruanda foi vítima de um genocídio porque, entre outras razões, a demência religiosa excitou as rivalidades tribais entre tutsis e utus, levando à chacina de meio milhão de pessoas, a violações em massa e a centenas de milhares de refugiados. Padres, freiras, pastores e bispos tomaram partido em ambos os lados na orgia de sangue e crueldade que trouxe para a ribalta dois países – o Uganda e o Ruanda –, pelas piores razões. Parece esquecida a tragédia quando o terrorismo do mais implacável dos monoteísmos – o Islão – recrudesce na Nigéria.

Todas as religiões são pacíficas, se o Estado for laico e se a repressão política contiver o totalitarismo religioso. Cada religião considera falsas todas as outras e, decerto, todas têm razão, mas cabe aos Estados defender a liberdade religiosa negada pela vocação fascista dos vários credos que à coexistência preferem o confronto.

O proselitismo é uma perversão que urge erradicar. Christopher Hitchens, recentemente falecido, tinha razão: Efetivamente, deus envenena tudo.

Ponte Europa / Sorumbático

quarta-feira, janeiro 25, 2012

Mau sinal


Os insondáveis mercados…

Juros de Portugal batem máximos a cinco e a dez anos link

A severa austeridade continua a dar “brilhantes” (e sonantes) resultados...

terça-feira, janeiro 24, 2012

Petição Pública


Acabei de ler e assinar a petição online: 

«Pedido de Demissão do Presidente da República» 

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N19482 

Pessoalmente concordo com esta petição e acho que o leitor também pode concordar. 
Subscreva a petição e divulgue-a pelos seus contactos.

Claro, como água...

A nova efabulação que visa atribuir a uma pouca "clareza" link as insultuosas declarações proferiu há poucos dias, onde teve o desplante de correlacionar os seus rendimentos com as insuportáveis dificuldades que atingem muitos portugueses, mostram como o actual Presidente da República entrou numa rota de colisão com a dignidade e responsabilidades do cargo que, presentemente, ocupa.

Não é uma atitude nova. O seu discurso de vitória já nos tinha dado "claros" indícios sobre a sua equívoca personalidade. O imbróglio que agora assoma à superfície não é mais do que a penosa confirmação de que existe uma clara inadaptação (política e cultural) para o exercício das funções enquanto garante das instituições democráticas e "provedor" da coesão social.

O que - tendo porventura escapado ao articulado do recente acordo de concertação social - devia fazê-lo meditar sobre a figura do "despedimento" (resignação/demissão/abdicação/...).

Não o fez no grave e inconcebível "caso das escutas". Tem agora uma nova oportunidade (soberana, diga-se). Foi isto que ficou "claro" com a emenda de ontem.

A "justa" distribuição dos sacrifícios...



O Islão é pacífico

Militantes islâmicos atacaram ontem duas igrejas e um posto militar no norte da Nigéria, fazendo subir para 225 o número de vítimas de um fim-de-semana sangrento.

segunda-feira, janeiro 23, 2012

Sai uma esmola para o pobrezinho

domingo, janeiro 22, 2012

Um mísero professor à beira da indigência. Financeira


As lamúrias miserabilistas do Prof. Cavaco sobre as suas remunerações não se igualam, em gravidade, às falsas escutas que Fernando Lima entregava nos esconsos de um café da Av. de Roma ao diretor de um diário, para arruinar o carácter do primeiro-ministro, nem às suspeitas sobre os negócios na SLN ou à permuta de terrenos em que a vivenda de luxo dentro de um deles não parece dar lugar ao pagamento de mais-valias.

Não podemos confundir um caso de provincianismo e cupidez com suspeitas de intrigas para a substituição de um governo legal. Também não são comparáveis à declaração à PIDE das relações pessoais com o pai e a madrasta da mulher, ética e ortograficamente censuráveis mesmo para quem, por serviços relevantes, viria a atribuir a dois Pides uma pensão que negaria a Salgueiro Maia.

No entanto, o que surpreende num político hábil, que conseguiu persuadir o país de que renunciou ao vencimento de PR por magnanimidade, quando foi obrigado a optar, por razões legais, entre o vencimento e as pensões, o que surpreende – dizia –, é o lamento indignado pela «reforma pequena» (mais de10.000 € mensais), quando o salário médio em Portugal ronda os 800 euros.

É surpreendente, para quem se sensibiliza com o sorriso das vacas dos Açores, que não se dê conta que fere 1,4 milhões de portugueses com pensões inferiores a 485 euros e mais de 600 mil desempregados que têm como única alternativa à miséria o conselho do ministro da Economia, corroborado pelo primeiro-ministro, «que emigrem», única solução que o governo a que abriu caminho é capaz de apresentar.

Portugal está condenado à pobreza mas podia ter sido evitada a vergonha. A dignidade do cargo que Cavaco Silva ocupa é incompatível com o comportamento do titular, numa deriva que se afigura, atendendo à idade e aos factos, como um caminho sem retorno.

Os políticos são injustamente maltratados por muitos dos que abominam a democracia e não é o caso de Cavaco. Esses até o estimam.

Aviso à navegação no palácio de Belém

sábado, janeiro 21, 2012

PR - Falido e mal pago

Temos de viver com este que temos

Presidente da República




A democracia começa a fazer justiça


A Justiça britânica condenou nesta sexta-feira (20) três muçulmanos por incitar o ódio aos homossexuais, ao distribuir um folheto pregando a pena de morte aos gays em uma mesquita da cidade de Derby, em  2010.

Leia mais aqui  

O Governo e o SNS

sexta-feira, janeiro 20, 2012

Vaticano a caminho da extrema-direita


O papa Bento XVI concederá nesta sexta-feira a sua autorização final ao Caminho Neocatecumenal, movimento em plena expansão e protegido por vários cardeais devido ao seu grande dinamismo, apesar das críticas que se manifestam contra ele dentro da igreja.

Nota: Juntamente com o Opus Dei e os Legionários de Cristo, esta seita pouco recomendável faz parte das instituições privilegiadas pelo para Ratzinger.

Não é o fim do mundo, mas é o fim dos direitos conquistados.

COMUNICADO IMPORTANTE EM RELAÇAO AO FIM DO MUNDO QUE SE ANUNCIA PARA 21 DE DEZEMBRO DE 2012...

 "O FIM DO MUNDO, anunciado para Dezembro de 2012, foi cancelado em Portugal porque o país não tem capacidade financeira para receber um evento dessa envergadura."

Comentário: No entanto o fim dos direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores está em curso por obra e graça do atual governo. 

Da lista de agradecimentos do Governo

Vasco Graça Moura vai para o Centro Cultural de Belém.

quinta-feira, janeiro 19, 2012

A Igreja católica e os feriados


A ICAR esqueceu depressa que os feriados nacionais, a que chama religiosos, foi uma conquista devida ao conluio com o salazarismo e que a sua importância política se deve em grande parte à elevação a Estado do bairro do Vaticano, não por vontade divina mas por cedência de um amigo do papa, do peito e da hóstia, – Benito Mussolini.

A notícia de que o 5 de Outubro, data emblemática na fundação do regime que nos rege, se manteria, após negociações em sede de concertação social, levou a ICAR a reagir à intenção com a ameaça de que o Executivo também teria de cortar menos um feriado religioso.

«Se o Governo desistir dos dois feriados civis, compreenderá que a regra que apresentou de cedência de dois para cada lado, esperamos que seja também só um feriado religioso que peça à igreja», afirmou o porta-voz da Conferência Episcopal à TSF.

Não foi na defesa dos trabalhadores que a Igreja católica exerceu a chantagem, foi na manutenção de um feriado que assinala a improvável Assunção de Nossa Senhora ao Céu, evento de que se desconhece a data, o itinerário e o meio de transporte.

A Conferência Episcopal Portuguesa silenciou todos os crimes da ditadura e ignorou a perseguição aos bispos António Ferreira Gomes e Sebastião Resende, mas vem agora, depois da vergonhosa cedência do Governo português com a Concordata, ameaçar o Estado laico com a exigência de lhe impor feriados em datas exclusivas dos católicos, violando o princípio da separação do Estado e das Igrejas e ferindo a laicidade.

A Igreja católica não está ao nível do Estado democrático e consentir que a teocracia do Vaticano discuta em pé de igualdade com um Governo sufragado é abdicar da soberania e transformar o País em sacristia.

A economia portuguesa e os pastéis de nata


Em época de crise o ministro da economia não conseguiu tirar da cartola um coelho que alimentasse o otimismo nacional. Saiu-lhe do bestunto a ideia peregrina de exportar os pastéis de Belém, quiçá no estômago dos turistas, para poupar nos custos de transporte.

Com um presidente da República embevecido com o sorriso das vacas dos Açores só nos faltava ter no Governo, com origem prematura no seu vingativo discurso de vitória eleitoral, um ministro da economia vindo do Canadá para descobrir o valor dos pastéis de nata no equilíbrio da balança de pagamentos.

O que os portugueses não previram, envergonhados com os dirigentes que saíram dos últimos sufrágios, foi o caloroso apoio do primeiro-ministro ao segmento económico das pastelarias e, em particular, a identidade de pontos de vista com o ministro Álvaro na globalização do pastel de nata.

Sócrates foi depreciado por ter sido arauto da exportação tecnológica com o computador  Magalhães, o que, aliás, conseguiu com êxito e benefício económico. Curiosamente, os que o combateram retaliaram agora com a doce exportação dos pasteis de Belém. Com a imaginação deste Governo, que procede a alterações estruturais ao ritmo a que fala o ministro das Finanças, o País teme que o PSD e o CDS, à míngua de um plano nacional se dividam entre os que apoiam a exportação do pastel de nata e os que defendem o lóbi do pastel de bacalhau.

Se o Banco Espírito Santo estiver interessado no negócio dos hidratos de carbono já se sabe que é o vencedor. Só falta o azougado Ângelo Correia, antigo protetor de Passos Coelho e ex-comandante-chefe da contenção da insurreição dos pregos, abrir uma linha de crédito para a exportação de tão promissor produto para os países árabes.

A ideia partiu do ministro da Economia mas com o primeiro-ministro a subscrever o apelo à internacionalização dos pastéis de nata, ficamos com a ideia de que em vez de um Governo para o País, temos um grupo de sócios aptos a gerirem uma pastelaria. 

Ponte Europa / Sorumbático

quarta-feira, janeiro 18, 2012

A última cena. Quem acaba assim somos nós...

Origem desconhecida

O governo do patronato

ESTES JOVENS NAO PRECISAM DE EMIGRAR

Pudera, com ordenados assim ! Devem ser uns génios... São JOTAS! Se tens filhos nesta idade, e quer ter futuro, inscreve-o numa JOTA. Agora é a JOTA PSD; mas qualquer dia volta outra JOTA qualquer.



Lista de 29 assessores / adjuntos de Ministérios, todos de idade inferior a 30 anos, havendo 14 "especialistas" com idades entre os 24 e os 25 anos.
Nota: Os nomes não interessam.

segunda-feira, janeiro 16, 2012

A morte de Manuel Fraga Iribarne


A morte é o melhor detergente para a imagem de um defunto. D. Manuel Fraga morreu, certamente bem confessado e melhor comungado, com a homenagem de espanhóis dos vários quadrantes políticos, e não surpreenderá se, após o prazo canónico, fizer os dois milagres necessários e suficientes para a canonização. Não era pior do que santo Escrivà e outras centenas de beatos e santos criados pelo Vaticano para combater o PSOE e interferir na política espanhola, durante os dois últimos pontificados.

Fraga foi ministro da Propaganda de Franco, com a pasta da Informação e Turismo, de 1962 a 1969. Foi um fascista que apoiou o mais cruel assassino europeu do pós-guerra, não se lhe conhecendo a mais leve censura às centenas de milhares de mortos que, após a guerra civil, onde a violência foi comum aos dois lados da trincheira, foram fuzilados sem julgamento e atirados para valas comuns.

Vice-presidente do Governo e ministro dos Assuntos Internos, na transição democrática, este fascista pragmático teve papel importante na elaboração da Constituição espanhola, que acolheu a forma monárquica pretendida por Franco, e preparou-se para governar Espanha à frente da Aliança Popular. Derrotou-o a desconfiança dos espanhóis o que o obrigou a regressar à Galiza natal onde se perpetuou no poder enquanto a direita mudou de nome para Partido Popular (PP) e elegeu Aznar graças a um discurso moderado que não correspondia ao seu ideário.

Surpreende-me a facilidade com que se absolvem os cúmplices dos mais execráveis sistemas políticos e a paixão que despertam os indivíduos autoritários, desde a Coreia do Norte à democrática Espanha, desde Estaline e Hitler a Franco e Pinochet.

Contra a corrente, urge impedir que o incenso apague o odor dos ditadores e que a água benta limpe a memória dos carrascos. Em Espanha a liberdade religiosa é recente. Apenas a religião católica era livre e… obrigatória.

Salários mínimos comparados

Citação

"É muito melhor para mim, encarar o Universo tal e qual é, do que persistir em ilusões por mais satisfatórias e reconfortantes que sejam"

Carl Sagan

domingo, janeiro 15, 2012

Standard & Poor's – II


"O ambiente político na Zona Euro não tem estado à altura dos desafios crescentes colocados pela crise", disse Moritz Kraemer, responsável pela notação dos estados na Europa e a agência de rating americana (S&P). link



Esta é uma das razões (políticas) evocadas pela S&P para a selvática arremetida com que resolveu fustigar a UE e que nós, no cume da nossa indignação, deixamos passar ao lado.



A Alemanha foi poupada ao (colectivo) downgrading mas dificilmente Merkel consegue fugir às suas tremendas responsabilidades por este trágico (e anunciado) desfecho.
Só faltou à S&P explicitar quais as medidas para enfrentar os desafios. Todavia, a Srª Merkel sabe perfeitamente que estão para além das “regras de ouro” com que anda entretida e obcecada. Há muito que estas medidas vêm sendo ventiladas quer pelos países em dificuldades quer na imprensa do espaço europeu e norte-americano.



Para não alongarmos o “suspense” (e o sofrimento) existem duas que já deveriam ter sido tomadas (“ontem": há 1 ano/há 2...):
1) a criação de “eurobonds”;
2) a mudança de paradigma na actuação do BCE.

Factos & documentos


DN, Hoje - Fala um banqueiro

sábado, janeiro 14, 2012

Um bispo que diz o que pensa...

Um bispo justifica a pederastia porque há meninos que provocam

A ser verdade ...

... o PSD escolhe os líderes parlamentares a dedo.

Itália com o Vaticano ali tão perto...


Antes de se fechar a porta da sala onde a reunião entre ambos ocorreu, o chefe do Governo transalpino disse ao Papa que “é importante dar um sinal de determinação” no que se refere à crise económica, refere a Rádio Vaticano.

Comentário: Depois do apoio à eleição de Berlusconi segue-se a defesa do PM que não foi sufragado.

sexta-feira, janeiro 13, 2012

Standard & Poor's, a UE e o requiem por Sarkozy…

…La amenaza de Standard & Poor's se ha hecho efectiva. Hoy al filo de la medianoche va a anunciar la rebaja que ha decidido de la calificación de la deuda de España, Italia, Portugal, Francia y Austria, por lo menos, según fuentes conocedoras la decisión…
El País (hoje) link

Independentemente de tudo o que tem sido escrito sobre a independência e idoneidade das agências de rating e, ainda, do seu alinhamento com uma estratégia de enfraquecimento (ou destruição?) do euro, este novo ataque não é novidade (embora seja uma má notícia) para a Espanha; Itália e Portugal (cujo denominador é uma dívida classificada como mais ou menos “arriscada” e/ou “especulativa”).

A grande "machadada" desabou em cima de Sarkozy e, obviamente, sobre os franceses (que vão pagar juros mais caros). Mas Sarkozy é o grande visado link. Disputa a reeleição presidencial este ano e a classificação AAA era, para a sua estratégia de campanha, um ponto de honra.
Fez tudo para manter essa classificação de topo. Desdobrou-se em sucessivos encontros com Merkel com o intuito de aparecer na fotografia (em bicos de pés) como um indispensável partenaire do “eixo” decisor europeu. Nada disso parece ter comovido a Standard & Poor’s.

O “concubinato político-financeiro” entre a França e a Alemanha acabou por afundar Sarkozy (talvez porque é o primeiro a ir a votos). Por outro lado, esta nova queda no rating, fundamentalmente nos Países periféricos ou do Sul, acabará (mais tarde ou mais cedo) por questionar (condenar?) a austeridade, as “regras de ouro” e a obsessão orçamental enquanto instrumentos eficazes para a resolução da crise. Mas essa discussão fica para breve.

Assim vai o meu país...

Para evitar confusões

quinta-feira, janeiro 12, 2012

Factos & documentos

Procriação Medicamente Assistida: a posição da Igreja Católica




Madeira – Depois do regabofe vem a chantagem e o desespero


O Ponte Europa sempre condenou a linguagem arrogante, malcriada, chantagista e insultuosa do sátrapa madeirense, mas constituíram particular preocupação as despesas faraónicas e a acumulações de sinecuras, denunciadas pelo Tribunal Constitucional.

O velho salazarista era um medíocre político destinado a deputado da União Nacional, crismada de «Acção Nacional Popular», quando, após o 25 de Abril, o bispo do Funchal apostou no demagogo. Conquistado o lugar de presidente da RAM, não demorou, com a cumplicidade do PSD e a incúria de PRs, PMs e da própria Assembleia da República, a criar uma rede administrativa com lugares para todos os sequazes. 

O financiamento de clubes de futebol, da comunicação social reverente, e da gigantesca máquina administrativa garantiram-lhe a perpetuação no cargo até se ter tornado o mais antigo líder africano, com eleições formalmente livres. 

Com o descalabro financeiro «para prejudicar o PS» - como afirmou – criou ao País um problema suplementar na difícil conjuntura internacional, particularmente grave em Portugal. Tem a defendê-lo o deputado da AR, generosamente pago, Guilherme Silva, como consultor do Governo Regional da Madeira. É este político que afirma agora, perante a necessidade de assinar um plano de resgate, que «a Madeira só assina o que pode cumprir». 

Curiosamente nem ele nem o seu patrão alguma vez se preocuparam em só gastar o que podiam pagar.

A Madeira arrecada todos os impostos gerados na Região, recebe vultuosas quantias do Governo da República, está isenta de contribuir para as despesas da Defesa e Negócios Estrangeiros e ainda consegue surpreender o País com dívida acumulada, superior a 6,5 mil milhões de euros, mais os 1365 milhões de responsabilidades financeiras assumidas com as PPP rodoviárias.

Alberto João Jardim continuará inimputável mas foi ele que comprometeu a autonomia da Madeira para cujos desmandos já não há dinheiro.

A abominável senhora de 71 anos [*] que parece urinar bem, perdão, perorar impudicamente…!

Terça-feira, no programa contracorrente da SIC-N, sucedeu o imprevisto.


Uma enfadonha e pachorrenta tertúlia de “senadores” conseguiu que uma “respeitável” senhora economista, política e ex-dirigente partidária, vociferasse o impagável e defendesse o impensável (ver e ouvir um pequeno excerto em vídeo - link; ou na íntegra (46’!) em link).

Ficamos à espera que a ICAR surja na praça pública (onde tantas vezes se intromete) a denunciar este peregrino modelo de eutanásia de raiz económica e de discriminação etária.

[*] – Nasceu em Lisboa a 3 de Dezembro de 1940.

Otelo – o suspeito do costume


Por muitos erros que cometa, Otelo fez mais num só dia do que milhões de portugueses em décadas. Os que hoje o pretendem calar devem-lhe a liberdade, quiçá magoados por essa liberdade ser para todos, talvez saudosos dos tempos em que ela era exclusiva dos cúmplices da ditadura.

O inquérito aberto pelo Ministério Público ao heroico capitão de Abril resultou da queixa apresentada por um grupo de cidadãos, na sequência de uma entrevista em que o militar reformado admitiu a possibilidade de haver um golpe militar, caso fossem "ultrapassados os limites".

Não sei qual é o crime de, em teoria, se admitir a possibilidade de um golpe militar e não aceitaria que um governo democrático descurasse essa possibilidade.

Desconheço quem foram os cidadãos que apresentaram queixa de Otelo, que idade têm, de que famílias vêm e que credenciais democráticas exibem. Fico com a impressão, é só uma impressão, de que os denunciantes de agora andaram mais de 37 anos ansiosos pelo julgamento dos que fizeram um golpe de Estado que o povo converteu em revolução.

E ainda não lhes perdoaram.  Gostariam de vê-los presos. Otelo é o fantasma que ainda os amedronta, o homem que tão mal cuidou da sua imagem e que tantos erros cometeu, e que permanece como o herói romântico da manhã de Abril que libertou Portugal.

Quanta raiva mal contida anda por aí no coração de fascistas que sonham com o Império colonial, saudosos da PIDE, da censura, das prisões sem culpa formada, das torturas policiais, do analfabetismo, da fome e dos assassínios de resistentes antifascistas !

Raios partam tal gente!
Ponte Europa / Sorumbático 

quarta-feira, janeiro 11, 2012

Afinal o Papa defende o relativismo moral...

Víctimas de abusos sexuales del clero han reaccionado con furia a la declaración del papa Benedicto XVI ayer diciendo que la pedofilia no estaba considerada un “mal absoluto” hasta tan recientemente como 1970.
En su discurso navideño tradicional ayer a los cardinales y oficiales que trabajan en Roma, el papa Benedicto XVI alegó que la pornografía infantil estaba aumentando su consideración de “normal” por la sociedad.
“En los 70, la pedofilia se entendía como algo completamente en conformidad con el hombre e incluso con los niños”, dijo el papa.

Ainda somos um Estado de Direito ?

Ministro fora da lei

A castidade é a maior ameaça



O papa fez o seu mais forte comentário contra o casamento gay tocando também em algumas questões económicas e sociais que o mundo enfrenta hoje.

terça-feira, janeiro 10, 2012

Vale a pena apoiar este governo !!!

Um ordenado mensal superior a 45 mil euros, que acumulará com uma pensão de mais de 9600 euros.

Momento zen de segunda_09_01_2012

João César das Neves (JCN), com vasta erudição no campo da religião e da zoologia, confessou-nos recentemente que ele é um asno e que no céu também há cavalariças, sendo a primeira afirmação fácil de acreditar e a segunda de duvidosa prova.

Na homilia desta segunda-feira o santo asno perorou sobre a morte de um dos grandes intelectuais do nosso tempo e insigne ateu – Christopher Hitchens – , falecido em 15 de Dezembro e que desmascarou as mentiras pias e o perigo das religiões,

Talvez para não perder o direito à estrebaria que julga ter reservada no Paraíso (seja lá isso onde for) JCN escreveu umas tantas asneiras convencido de que elas lhe aplainam o caminho da salvação, uma espécie de prolongamento da vida que um ser hipotético reserva aos que acreditam na sua existência e praticam uns rituais exóticos apelidados de sacramentos.

JCN define ateísmo como « a doutrina religiosa com o dogma de que Deus não existe», comparando a dúvida à irracionalidade da fé e a desconfiança nas afirmações para as quais não existem provas com a crença irrefletida nessas afirmações, no seu caso com algumas tão exóticas como a virgindade de uma mulher parida ou a infalibilidade de um papa obsoleto e rancoroso – Pio IX.

Quanto à existência de deus, JCN esgrime uma sibilina ameaça comparando os dogmas com o ateísmo: «Um dia veremos, mas então será demasiado tarde». Será difícil que algum ateu pense, depois da morte, na possibilidade de zurrar numa cavalariça comum com o devoto escriba no paraíso dos católicos apostólicos romanos.

JCN acusa os ateus, de que Hitchens é o paradigma, por terem como traço principal não o ateísmo, bastante comum, mas o violento e persistente ataque à religião, como se só houvesse uma, ou  as religiões fossem um exemplo de fraternidade entre si, e o ateísmo fosse mais do que uma opção filosófica de quem cultiva a razão e confia na ciência para elaborar os seus modelos de racionalidade.

Quanto aos ataques à religião (JCN sabe que todas são falsas menos a sua) confunde a discussão filosófica e os ataques a crimes, sejam eles cometidos por ateus ou crentes, feitos em nome do humanismo contra o proselitismo religioso que há milénios comete os mais ignóbeis crimes e os mais sangrentos genocídios.

Para mostrar a dificuldade em dialogar com pessoas com referências diferentes (ateus?), JCN afirma: Imagine-se o embaraço no convívio com promotores do canibalismo, escravatura ou poluição. Nisso tem razão. Basta ler a Bíblia e ver como a escravatura, a tortura, a violência e a morte dos infiéis são referências pias que tornam embaraçoso o diálogo com o humanismo ateu herdado do Iluminismo e da Revolução Francesa.

segunda-feira, janeiro 09, 2012

Não Apaguem a Memória

Comunicado
O Movimento Cívico Não Apaguem a Memória – NAM, vai comemorar o 50º aniversário do assalto ao quartel de Beja, uma acção revolucionária, inserida num plano para o derrubamento do regime fascista, ocorrida em 1 de Janeiro de 1962.

Realizar-se-á uma sessão aberta ao público, na Biblioteca Museu da República e da Resistência, na Rua Alberto de Sousa, nº 10 A - Zona B do Rêgo, com início às 15h horas, do dia 14 de Janeiro de 2012. Serão oradores a historiadora Irene Pimentel, o historiador António Louçã, e o coronel Carlos Matos Gomes e contamos com a presença de participantes naquela acção.

O NAM pretende, assim, homenagear todos os heróicos protagonistas desta acção revolucionária que consideramos um marco histórico na luta contra a ditadura do Estado Novo e manter viva a sua memória.
2011-12-28

A direcção do NAM

Que Governo reduziu a desigualdade ?

Público, hoje

Os países católicos são incapazes de se governarem?

Ao ler este artigo do El País não pude deixar de lembra-me de As Causas da Decadência dos Povos Peninsulares», tema da segunda das Conferências do Casino, de Antero de Quental.

O tema continua atual. O Concílio de Trento, a Contra-Reforma e os jesuítas, no fundo a Igreja católica, foi e continua a ser um fator de atraso em Portugal.

Efetivamente, a  Itália, Portugal, Irlanda, Espanha e Grécia, da esquerda à direita, têm-se revelado mais incapazes de manter uma economia sadia do que os países de tradição protestantes e, hoje, fortemente secularizados.

O autoritarismo de Roma é a lepra que corrói os países que empobrecem sob a sua influência.

Nota – Texto escrito de acordo com o novo Acordo Ortográfico.

domingo, janeiro 08, 2012

Portugal e Grécia…

O Governo grego instado pela “troika” (BCE, EU e FMI) rejeitou – através do Ministro do Trabalho Yorgos Kutrumanis - a redução do salário mínimo de 751 para 450 euros (pretensamente o português *). link

Por cá, se a troika tentar impôr uma solução deste tipo, a resposta é conhecida: o Governo mostrava de imediato estar disposto a ir "para além" do solicitado, i. e., nivelava – em nome da obediência cega aos credores e de aparentes ganhos de “competitividade” - o salário minimo pelo valor actual da pensão social (195,40 €).

Na realidade, somos diferentes da Grécia…

[*] - Em Portugal, o SMN não é 450 mas 485 € o que, no contexto da recorrente austeridade imposta aos gregos, é um pormenor.

Pagamento de favores

DN, hoje

Começa cedo a campanha para as autárquicas…

"O ano de 2012 vai ser de preparação do crescimento económico…" link

Esta declaração do vice-presidente do PSD, Marco António Costa, em Penafiel, será mais uma muitas efabulações políticas que estamos condenados a ouvir.
A teoria de que a austeridade, como sentimos, geradora de recessão, é capaz de fazer disparar o crescimento económico - apesar de repetida à saciedade - não passa de uma história da carochinha.

Os feirantes da política andam pelo País entretidos a vender banha da cobra. Mas preocupantes e dignas de registo são as previsões do Ministro Vítor Gaspar acerca da dificuldade em cumprir o défice previsto para 2012 link. O que pressupõe novas medidas de austeridade e, logo, o aprofundamento da recessão.
Onde estará, portanto, a ser cozinhada a “preparação do crescimento económico”?

Falta, com mais pormenor, calendarizar o caminho, divulgar os timings. Assim: este ano é o da preparação, para o ano será o princípio, no ano seguinte o meio e em 2015 o fim (…como já se aperceberam ano de eleições legislativas). Se entretanto, não surgir - imposto pela dupla Merkozy - um “governo técnico”.

É que ao contrário do que julga o actual Sr. Secretário de Estado “não nos separamos da Grécia” link. Estamos, por enquanto, no mesmo barco.
E quando não estivermos (no mesmo barco) bem pode o ex-presidente da Distrital do PSD/Porto, voltar às bandas de Penafiel para as festas das Endoenças, de vela na mão, encosta abaixo, em reparação dos seus dislates...