segunda-feira, novembro 07, 2016

A CGD, o País e o decoro

«António Domingues e a sua equipa podem ser os melhores gestores do mundo, mas a atitude arrogante que está a tomar é inaceitável.»
(José Pacheco Pereira»
- Subscrevo.

O Governo, no desejo de salvar o banco público da privatização e da situação em que a direita deixou toda a banca, depois de conseguir uma enorme vitória diplomática, conseguiu defender a CGD da fúria do desmantelamento do Estado que o PSD e o CDS prosseguiram. Para isso teve de fugir aos padrões partidários da gestão pública e nomear profissionais que fossem aceites pelo BCE, prometendo-lhes condições que, agora, alguns por boas razões e outros por más, se esforçam para o impedir de cumprir.

Enquanto o País sofre a vindicta de uns, a demagogia de outros e a arrogância de gestores que fizeram carreira na banca, insensíveis a apelos patrióticos ou a critérios de decência, espreita o diabo de que fala o mais néscio de todos os primeiros-ministros desde Pimenta de Castro.

Passos Coelho, afirmou no último sábado, em Sesimbra, que o país está “sem rei nem roque” e reafirmou a ideia de que os novos administradores da Caixa Geral de Depósitos são obrigados aos deveres de transparência.

Eram afirmações aceitáveis se viessem de alguém que não tivesse usado fundos europeus para uma escola de formação de técnicos de aeródromos e heliportos da Região Centro (com saída idêntica à de calceteiros marítimos), que não se tivesse furtado a pagar à Segurança Social prestações que devia ou que não tivesse requerido à A.R. o pagamento indevido de uma falsa exclusividade de funções.

Os mesmos que aceitaram um diretor-geral de Finanças, funcionário público, a ganhar o triplo do respetivo ministro, no governo do impoluto Durão Barroso, e que aceitam o vencimento do militante do PSD, encarregado pelo BP de vender o Novo Banco, são os que se indignam com a remuneração e as condições dos administradores da CGD, que querem ver privatizada.

É a gente do PSD e do CDS, pertencente ao Partido Popular Europeu (PPE), que se compadece com a escandalosa fraude da França para esconder o défice, combinada com os seus (Barroso e Juncker) que mais grita de indignação.

Teriam razão se tivessem moral.

4 Comments:

At segunda nov 07, 08:54:00 da manhã, Blogger e-pá! said...

Uma coisa é a notória inabilidade que está patente na escolha da nova administração da CGD e as prebendas que lhe foram associadas, depois de ter conseguido em Bruxelas a luz verde para a recapitalização do banco público. Outra será a permanente chicana que a Direita montou para impedir a existência de um banco público forte e a sua clara intenção de deixar 'espaço'(político) para futuramente a privatizar.

O processo já vai longo e não deve (nem pode) arrastar-se mais. Começa a não existir saída possível, ou politicamente aceitável, sem passar pelo afastamento da administração recém empossada. O tempo que levará a obter a concordância do BCE para aceitar novos (outros) administradores poderá ser mais curto que a prossecução de uma obscura e penosa chicana em fase de desenvolvimento e com novos episódios diários.

É altura de emendar a mão sobre o acessório se pretendermos salvar o essencial - um banco público forte e operativo (imprescindível para o crescimento económico).

Quanto ao gestor bancário António Domingues cabe aqui uma máxima popular: os cemitérios são cheios de homens providenciais e insubstituíveis...

 
At segunda nov 07, 09:49:00 da manhã, Blogger Manuel Rocha said...

1. Não concordo com estatutos de excepção. Se a apresentação de declaração de rendimentos, património e interesses está na lei, cumpra-se.


Dito isto,

2. Discordo deste principio da desconfiança que impera em relação aos homens públicos da mesma forma que odeio ser revistado de cada vez que tenho de andar de avião. Mal vai uma sociedade quando os cidadão têm de andar sistematicamente a fazer prova de que são pessoas de bem.

MRocha

 
At segunda nov 07, 10:31:00 da manhã, Blogger Manuel Galvão said...

Que um futebolista ganhe 400.000, ainda vá, pois esse valor é resultado de uma competição entre oferta e procura aonde são valorizadas capacidades periciais que só muito poucos têm. é a oferta e a procura a funcionarem.

Mas, para gestores bancários, será esse o mecanismo que nos conduz a tão elevados valores? Tenho dúvidas.

 
At segunda nov 07, 09:20:00 da tarde, Blogger e-pá! said...

Um gestor de uma grande instituição bancária deveriam, como nos EUA, ter uma base remuneratória fixa reduzida (com percentagens variáveis).
Depois, tudo o viesse a mais deverá depender do cumprimento de objectivos concretos e dimensionáveis, o chamado 'pay for performance' (que não pode ser só ditado pela evolução dos títulos na Bolsa que têm sempre múltiplas interpretações), bem como de comportamentos adoptados (equity governance).
O problema dos números é a sua transparência e inteligibilidade (à margem do 'economês')
Todavia, o último e decisivo critério de regulação terá de ser a massa acionista, aquela que controla os dividendos.
Ora, aí é que entra o problema. O Estado - representante dos acionistas - dá de bandeja (à priori) que os objectivos serão cumpridos (não conhecemos quais são).
A experiência corrente e do passado é muito contraditória (se não oposta) e conflitua com estas (novas) realidades.

 

Enviar um comentário

<< Home