Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2020

Efeméride – 30-04-1945

Imagem
Há 75 morreu em Berlim, Adolf Hitler, suicidando–se com um tiro de pistola no bunker da chancelaria com a sua família. O psicopata e genocida fugiu ao julgamento merecido e apenas a História lhe fez justiça. Foi um monstro racista, xenófobo e nacionalista que fez do antissemitismo bandeira e semeou a destruição, o caos e a violência, com milhões de mortos. Quando parece esquecida a tragédia a que conduziram os nacionalismos e os monstros que lhe deram origem é bom recordar os afloramentos fascistas que, um pouco por todo o Mundo renascem. No caso português, urge lembrar que Salazar decretou três dias de luto nacional com bandeiras a meia haste, o único governante a fazê–lo na Europa.

Sérgio Moro – o candidato a PR

Imagem
Assistir ao branqueamento do ex-juiz e ministro de Bolsonaro nos média portugueses, como se fosse um cidadão virtuoso e democrata, é algo que arrepia. Esqueceram que Temer, corrupto com fartas provas, deixou de ser perseguido após ter aderido ao golpe contra Dilma Rousseff, em proveito próprio e do gangue que assaltaria a presidência da República com Bolsonaro como líder. Basta substituir um corrupto abrutalhado por um corrupto sofisticado para que tudo se mantenha igual num país onde as oligarquias não deixam perdurar a democracia se não estiver sob o seu domínio. Parece esquecida a participação de Sérgio Moro, indivíduo sem escrúpulos nem pudor, na criação do ambiente que levou à destituição de Dilma; as escutas ilegais à PR feitas e divulgadas por ele para tornar aceitável na opinião pública o golpe da destituição sob o estranho pretexto das “pedaladas fiscais”; a sua recomendação de nomes de testemunhas aos procuradores para garantir condenações e promover-se a justiceiro d

Ridendo castigat mores

Imagem

Trump

Imagem
É mais perigoso do que burro, mas gosta de assumir a segunda faceta para fazer esquecer a outra.

Brasil – Sérgio Moro e Jair Bolsonaro

Imagem
O juiz que traiu todos os códigos de conduta da magistratura judicial, que fez escutas ilegais à PR Dilma Rousseff e colocou todas as energias, traições e pusilanimidade numa perseguição política a Lula da Silva e ao seu partido (PT), não merece ser respeitado. É um corrupto pior do que aqueles que perseguiu, uns merecedores, outros não, todos úteis para as suas ambições políticas. É um ser repugnante. As provas obtidas por métodos condenáveis, violação do seu telemóvel, não deixam de o incriminar como perseguidor implacável de um adversário político e de mostrar como o execrável homúnculo togado se entusiasmou a forjar provas e a estimular o Ministério Público, cúmplices dos média, para criarem o ambiente para um julgamento público que destruísse Lula e o PT, quando as provas minguavam. Sérgio Moro, com a ajuda da IURD, dos média e de interesses económicos obscuros, foi o criador do PR mais estúpido e exótico da História do Brasil, a quem faltava currículo e sobrava c

Efeméride - 2

Imagem
As revoluções deviam ser anunciadas.

Efeméride

Imagem
No dia de hoje, em 1937, Guernica foi bombardeada pela Força Aérea alemã, de Hitler, ao serviço das forças fascista de Francisco Franco, o genocida a quem o Papa abençoou como líder de uma «Cruzada» e a Igreja católica espanhola acompanhou nos crimes que se perpetuaram, depois da vitória, sobre as forças republicanas e o derrube do Governo democraticamente eleito.

COVID- 19 - A terapêutica de Trump

Imagem
O Doutor Trump demente P’ra vírus e dor de mós Aconselha detergente Administrado ‘per os’

Trump e a lixívia

Imagem
Trump sugeriu injetar lixívia para tratar a covid-19, o que pode matar o vírus, e também os doentes Trump recomenda lixívia P’ra lixar Covid dezanove É capaz de lixar a vídia Do indivíduo qu’a prove Trump não foi besta perfeita Porque ninguém será perfeito Mas foi um alarve a seu jeito De quem precisa da maleita (Autor conhecido e poeta principiante que devia dedicar-se à pesca, como Trump à construção civil.)

Almeida – 25 de Abril de 2020

Imagem
Na vila histórica de Almeida, ali onde os soldados de Napoleão fizeram explodir o paiol e derrubaram o castelo, ali, no concelho onde a Europa começa a ser Portugal e de onde se fugia à fome, à guerra e à Pide, ergue-se o Monumento ao 25 de Abril, que embeleza o largo 25 de Abril e é a sentinela das muralhas. Da foto da inauguração faltam já os heróis de Abril, Gertrudes da Silva e Augusto Monteiro Valente e o coronel Eugénio de Oliveira, demitido com Varela Gomes na revolta de Beja. No silêncio de uma homenagem em granito aos que nos deram a liberdade, lá estão cravos vermelhos de Abril a recordar aos que os exoneraram da lapela, a quem devem o lugar que hoje lhe coube na A. R.

Viva o 25 de Abril

Imagem
Viva a Liberdade! Tecendo a manhã de todas as esperanças, o MFA fez raiar a mais radiosa de todas as auroras naquele distante ano de 1974. Abril era mês e 25 o dia resgatado do calendário para o sonho coletivo da liberdade, com cravos floridos nos canos das espingardas. Nunca uma revolução fez tanto, em tantos séculos de país, para, de um só golpe, abrir prisões, derrubar a censura e abrir as portas da democracia. O 25 de Abril não é um dia, é o dia da História e das nossas vidas, o dia inapagável que traçou a baliza e a marca, o antes e o depois, do cárcere à liberdade, da ditadura à democracia, da guerra à paz. Foi o dia em que os capitães, que fizeram a guerra, impuseram a paz, numa epopeia em que a coragem de um dia resgatou do opróbrio da ditadura um povo amordaçado. Ao comemorar os 46 anos da data que os democratas trazem no seu devocionário, na mágoa de saberem os que o traíram, alérgicos ao cravo e ao povo que os elegeu, recordamos a gesta heroica dos que arriscaram a

Hoje é 24 de abril

Imagem
Ninguém representou tanto tempo a democracia como um seu adversário. Neste período de incerteza devemos recordar quem nunca se conformou com a democracia e lhe deve tudo o que foi.

Viva o 25 de Abril!

Imagem
«Esta é a madrugada que eu esperava O dia inicial inteiro e limpo Onde emergimos da noite e do silêncio E livres habitamos a substância do tempo» (Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'O Nome das Coisas') Viva o 25 de Abril! Viva a República! Viva Portugal!

O leão, o coxo e o coronavírus

Todos conhecem histórias da evasão do leão, da jaula do circo, e as reações de quem assistia ao espetáculo, desde a do espetador sentado no meio de duas tábuas soltas e que deixou levantar os outros, antes de ser entalado por uma parte anatómica sensível, e, na pungente castração traumática, clamava a gemer, não fujam…, o bicho é manso… Ou a do coxo, que viu o leão a forçar as grades para se evadir, com a multidão em fuga, antes da solidariedade com que, de longe, já sem perigo, gritava: o coxo…, o coxo…, e ele a mancar, a arrastar-se penosamente e a gritar, o coxo…, o coxo…, o diabo!, o leão é que escolhe… Lembrei-me desta segunda história durante os noticiários terroristas com que procuram alarmar-me os canais televisivos que andam desolados com o baixo número de vítimas e que exultaram com um compatriota infetado num paquete, nas costas do Japão, a salvar a honra do provincianismo luso e fizeram dele herói nacional, recebido em apoteose, no regresso, por ser a primeira vítima da

Teocracia e Democracia

Imagem
Diferenças

Saí de casa…, por ti, João

Imagem
Interrompi a reclusão de várias semanas e saí de carro, com a máscara que se recomenda e as luvas que se presumem úteis, para a homenagem sentida. Foi a primeira e a última em 47 anos de amizade e companheirismo. Julguei estar quase só, e encontrei à tua espera uma pequena multidão espalhada, rostos ocultos e barbas desalinhadas a saírem das máscaras, a transgredir a interpretação mais severa das medidas de emergência sanitária. Não bastaram o ar fúnebre da despedida, a comoção de ver os teus três filhos e a Sofia, os amigos comuns afastados, como avisam as autoridades sanitárias, e a perda irreparável do amigo que ontem, às 12H30, entrou no crematório de Taveiro. Tivemos de suportar a separação dos amigos de longa data, como leprosos na Idade Média, receosos do perigo que cada um podia transportar. A chuva miudinha eram lágrimas tímidas pelo Homem que se finou, pelo espírito que se extinguiu, enquanto recordávamos a tua imensa tolerância, afabilidade e fino humor que fruímos e

A AR, o 25 de Abril e a extrema-direita

Imagem
Anda aí uma intensa animosidade às comemorações do 25 de Abril, na A.R., o órgão da soberania que a data simbólica permitiu livre e plural. Onde, pois, se poderá, de melhor forma, celebrar a data maior do devocionário da democracia, no estado de emergência? Desta vez, até há democratas a cair na teia que reacionários de diversos matizes teceram com o ódio que não cansa e a raiva que a democracia lhes causa. Os média do costume dizem que o país se dividiu, como se o deputado fascista, os 5 do CDS e a dúbia posição da IL pudessem comparar-se com restantes 223 do PS, PSD, BE, PCP e PEV (223 – 7). É preciso descaramento! É inútil repetir mentiras e obscenidades que circulam no esgoto das redes sociais, com erros de ortografia e de sintaxe, a insultar o presidente da AR e a apelidar de gentalha os deputados de todos os partidos para se suspeitar das intenções e repudiar as mentiras. O que dói aos répteis, obrigados a rastejar durante 46 anos, é a duração da democracia e a vitalidade

COVID- 19

Imagem
Número de mortes em países com população aproximada à de Portugal. Para os que vivem das más notícias e do sangue, nostálgicos de um passado recente ou longínquo mais de acordo com as suas simpatias políticas.

Associação 25 de Abril

Imagem
COMEMORAÇÕES DO 46º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL DE 1974 NO ALGARVE -- CANTAR A GRÂNDOLA VILA MORENA E O HINO NACIONAL NO DIA 25 DE ABRIL, ÀS 15.00 HORAS Há 46 anos o povo português libertou-se da longa noite fascista que o oprimiu durante 48 anos. Nessa madrugada do dia 25 de Abril de 1974, os Capitães de Abril, dando seguimento a uma dura luta de muitos portugueses, derrubaram o fascismo e abriram o caminho para a Liberdade e para a esperança. Caminho que o Povo Português abraçou, enchendo nesse dia, e nos seguintes, as ruas de Portugal, começando aí a construir um país novo. A Revolução do 25 de Abril de 1974 é um momento ímpar na história contemporânea do nosso país, pelas suas conquistas, valores e projecto, que representam os anseios mais profundos do Povo Português e que continuam a marcar um horizonte de esperança. Há 46 anos que o Povo Português celebra e comemora esse dia libertador. Não serão os dias complexos e difíceis

João Duarte Freitas – médico

Imagem
Acaba de falecer um dos meus maiores e mais generosos amigos, um dermatologista de invulgar competência e cidadão de conduta exemplar. Ainda jovem, cooperou no Comércio do Funchal, na Universidade combateu a ditadura, e foi a vingança fascista que lhe interrompeu o curso e o enviou como alferes para a pior zona de Moçambique, Cabo Delgado, durante a guerra colonial. Homem de grande coragem e dignidade nunca referia a cruz de guerra que foi obrigado a aceitar, numa guerra contra a qual se manifestou antes, durante e depois, pela palavra escrita e oral, com riscos que precocemente assumiu e represálias que sofreu. Participou nos movimentos cívicos contra a ditadura, colaborou nos mais relevantes movimentos culturais da Universidade de Coimbra, como estudante, e foram a cultura, a intervenção cívica, a participação associativa e o exercício da medicina que pautaram a sua vida intensa e breve. Foi presidente do Ateneu e de numerosas associações, mas a sua biografia não cabe na home

COVID- 19 – Que fazer no dia seguinte?

Por maior que seja a incerteza quanto à data do dia seguinte e à tranquilidade possível, há na catástrofe natural que nos flagela, razões para reflexão e para que os cientistas de variadas áreas ajudem os governos a planear o futuro no único Planeta que nos coube. Pode faltar outra chance para ponderar o modelo de sociedade e preservar as conquistas civilizacionais face ao aquecimento global e escassez de recursos. Respeitar o ambiente e reduzir o consumo, contendo a explosão demográfica, a fome e a doença, são as mais urgentes obrigações. Esta pandemia e a provável e incerta repetição, com uma bactéria ou outro vírus, demonstram que as fronteiras são acidentes precários no mundo global, para o bem e para o mal. Pode não se fazer ideia do que é possível fazer, mas há certezas de erros que não devem ser repetidos. O trabalho e os rendimentos serão bens cada vez mais escassos e que urge repartir, para que as desigualdades obscenas entre países e, dentro destes, entre cidadãos não con

Humor Negro

Imagem

Terrorismo informativo_2

Imagem
Conheci alguns dos condutores deste veículo da extrema-direita quando eram alunos da Universidade de Lisboa. Eram militantes do MRPP, uns por ingenuidade, outros por maldade, sabendo ou não que eram agentes dos interesses da CIA. Ontem, no blogue Sorumbático, onde colaboro à 5.ª feira, o Eng. C. Medina Ribeiro, seu administrador, publicou este delicioso naco extraído de um artigo , imagem que vale por si e pelos ex-alunos que infetam o jornalismo com as suas licenciaturas e sem terem estudado aritmética no ensino primário.

Terrorismo informativo_1

Imagem
A juntar aos autarcas trogloditas que não merecem a grandeza ética e sentido de Estado do líder do seu partido, Rui Rio, temos os bastonários das profissões da Saúde e os média para quem o sangue é o alimento. Aqui fica uma referência ao Correio da Manha, manhoso veículo do neoliberalismo e da intriga política.

COVID- 19 – Que fazer no dia seguinte?

Por maior que seja a incerteza quanto à data do dia seguinte e à tranquilidade possível, há na catástrofe natural que nos flagela, razões para reflexão e para os cientistas de áreas variadas ajudarem os governos a planear o futuro no único Planeta que nos coube. Pode faltar outra chance para ponderar o modelo de sociedade e preservar as conquistas civilizacionais face ao aquecimento global e escassez de recursos. Respeitar o ambiente, reduzir o consumo, conter a explosão demográfica e combater a fome e a doença, são as obrigações mais imediatas. Esta pandemia e a sua provável e incerta repetição, com uma bactéria ou outro vírus, demonstram que as fronteiras são acidentes precários no mundo global, para o bem e para o mal. Pode não se fazer ideia do que é possível fazer, mas há certezas de erros que não devem ser repetidos. O trabalho e os rendimentos serão bens cada vez mais escassos e que urge repartir, para que as desigualdades obscenas entre países e, dentro destes, entre cidadã

Um dia de cada vez – Crónica do quotidiano em tempos de coronavírus

Imagem
Mitigo as saudades dos filhos e netos, com visitas previstas e anuladas, por telemóvel e videochamadas. Faltam-me os amigos da tertúlia do Café Bossa Nova e o delicioso café do lote que mantém há muitos anos, e os da reunião noturna no Alma Shopping. Tenho o privilégio da afetuosa e dedicada companhia que me coube nos dias que temos de enfrentar, mas a minha intimidade não interessa aos leitores e preservo-a. No que só a mim respeita, direi como passo os dias, sem azedume ou ansiedade, sem a mais leve tristeza a acrescentar às previsões do futuro, onde os empregos e os bens vão escassear, com a fatura de muitos zeros a pagar por todos, num mundo empobrecido. Levanto-me às 9h30 e deito-me às 2h00 do dia seguinte. Demoro nas abluções matinais e pequeno almoço, não muito pequeno, 1 hora. Às 10h30 parto para a minha caminhada de 6 km, 1 hora e 15 minutos. Ido do corredor, entro na sala de jantar, contorno a mesa pelo lado direito e curvo para a esquerda na sala de estar, passando tang

Um dia para recordar com temáticas diferentes das do quotidiano – 3

Imagem
Quando as palavras minguam para descrever um cretino, vale-nos o traço iconoclasta do desenhador que alia o humor, a inteligência e a eloquência, onde qualquer palavra mais seria cacofonia. Este desenho, cujo autor desconheço, é o antídoto para a aversão que o visado provoca, um lenitivo para as suas afirmações, que somos obrigados a ler e ouvir, um tiro certo no alvo que pretende atingir. E que consolo!

Um dia para recordar com temáticas diferentes das do quotidiano – 2

Imagem
República espanhola (89.º aniversário) – 14 de abril de 1931: Após eleições locais ganhas pelos republicanos, declara-se em Espanha a Segunda República. Saúdo os republicanos espanhóis, especialmente os federalistas, e desejo que o regime derrubado sangrentamente, regresse legitimado pelo voto e seja o cimento que aglutine todos os espanhóis, num país cuja desintegração será trágica para Espanha e catastrófica para a União Europeia.  Hoje, como durante o Franquismo, o ABC continua a ser o pus que brota da ferida infecta que o genocida não deixou cicatrizar em Espanha.  (Foto Público. Es)

Um dia para recordar com temáticas diferentes das do quotidiano – 1

Imagem
Dia internacional do beijo – Dizem-me as memórias do que escrevi que o dia de hoje é o Dia Internacional do Beijo, uma ideia idiota que me lembrou o Dia Nacional do Cão, proposta por um deputado do PSD, que pôs a AR a rir, e não chegou a ir a votos. Quando a saudade de beijar os filhos e netos me atinge, lembro-me da foto do osculador parcimonioso que passou à posteridade, com a boca dilatada pelo bolo-rei, sem distinguir o cumprimento obsoleto do beija-mão da degustação ávida de um naco de presunto, a devorar, num só beijo, a mão de uma ex-jornalista espanhola.

Associação Ateísta Portuguesa (AAP)

Imagem
Exmo. Senhor Dr. Eduardo Cabrita – Ministro da Administração Interna  - C.c.: PR, AR, PM, Grupos Parlamentares Excelência, A Associação Ateísta Portuguesa (AAP) tomou conhecimento da insólita atitude do Sr. Presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro da Silva, ao convidar o bispo do Porto, Sr. Manuel Linda, a deslocar-se à sede da autarquia, para benzer o hospital de campanha que irá funcionar para o tratamento da COVID- 19. A AAP ficou perplexa com o convite dirigido a um dignitário católico para a cerimónia oficial, por quem deve respeitar a laicidade a que a CRP obriga e, sobretudo, por violar o estado de emergência, decretado pelo PR, a que todos somos obrigados. A aceitação pelo Sr. bispo Manuel Linda e a deslocação do Porto a Ovar, na última quarta-feira, assumiu particular gravidade, pela violação do estado de emergência e do cerco sanitário, medida excecional imposta ao concelho para defesa da saúde pública. A gravidade do ato, que o comunicado do Câmara Municipal

Brasil

Bolsonaro não é uma besta perfeita porque ninguém é perfeito, mas é o que mais se aproxima da perfeição. Na plétora de primatas que conseguiram atingir o poder, o PR brasileiro é comprovadamente o mais estúpido, ignorante e devoto . Temi que o grau de imbecilidade fosse menor e que a notícia não fosse verdadeira, mas comprovei-a, como se pode ver AQUI .

COVID- 19 – Perigosos primatas paramentados em todos os credos

Há em todas as religiões trogloditas que, perdido o medo do Inferno, procuram fazer da Terra a réplica sonhada pela sua demência mística. O rabino Chaim Kanievsky, o líder mais venerado da comunidade judia ultraortodoxa, mandou desobedecer às autoridades de saúde e manter abertas as sinagogas e escolas rabínicas, garantindo que o Talmude e o Pentateuco seriam a sua proteção. O número de infetados e mortos disparou, e a polícia e o exército de Israel cercaram os seus bairros e encerraram os locais pios. O bispo do Porto, sr. Manuel Linda, o único primata mitrado português que desafiou as autoridades de saúde, o Governo e o PR, deslocou-se a Ovar, concelho sob cerco sanitário, a benzer um hospital de campanha para doentes infetados, a convite do edil autóctone, quando a bênção de uma instituição do estado laico é um ataque à laicidade e o padre local podia benzer tão bem, com água benta e incenso igualmente certificados. No Brasil a IURD, através de Bolsonaro, o crente mais conheci

Marcelo, os banqueiros e o teatrinho de papéis trocados

O PR anunciou que ia chamar os banqueiros para os persuadir a ajudarem a recuperação da economia portuguesa, e os órgãos de comunicação multiplicaram-se a divulgar a sua intenção, como se os banqueiros aguardassem o pedido do PR para as boas ações 😊. Na última segunda-feira Marcelo saiu da reunião, isto é, levantou-se da cadeira onde se sentou para o encontro apregoado, por videoconferência, com os presidentes dos cinco maiores bancos portugueses, CGD, BCP, Novo Banco, Santander e BPI. Apesar de ser tão previsível, o PR anunciou com pompa e circunstância: “Saio desta reunião com a sensação de que a banca portuguesa está a acompanhar de forma muito atenta a realidade do nosso país, o que se vive nas famílias e nas empresas”, como se pudesse fracassar em tão piedosa intenção. E não surpreendeu que tenha encontrado um espírito “de grande mobilização no sentido de ajudar a economia portuguesa”. Do que disseram os banqueiros nada se sabe, nem é hábito o contraditório ao PR, só da enc

COVID- 19 – Onde estava a polícia?

Imagem
O bispo do Porto, sr. Manuel Linda, veículo litúrgico em rota de colisão com o Papa e a democracia, foi quem disse que só cancelava a missa comemorativa da eleição do Papa com "intervenção do Estado". Dececionado pelo silêncio do Estado, pendurou o báculo, guardou a mitra e, à última hora, cancelou a missa, como o Papa e a CEP indicavam. O autarca de Ovar, o Marta Soares da 2.ª divisão, incentivou o Carnaval no concelho e violou o sigilo sobre o cerco sanitário, avisando no FB, horas antes, o início da decisão, o que levou à fuga de vários munícipes com eventuais infetados a darem início a novas cadeias de transmissão. O bispo e o autarca são uma parelha de solípedes à solta, a escoicearem o estado de emergência decretado pelo PR e a porem em risco a saúde pública.

Ao António Queirós, um amigo de quem não me despedi (Crónica – 5651 carateres)

António, tu serias o herói de um romance ou, talvez, o protagonista de uma tragédia, do tempo da fome, da guerra e da repressão, o exemplo de uma época em que eram poucos os que ao medo opunham a coragem e a determinação que carateriza homens de eleição. Por que raio havia de lembrar-te hoje, e agora? Talvez porque eram então, por razões diferentes, tempos de medo e ansiedade, como os que ora vivemos. Tenho contigo uma dívida de gratidão que nunca saldei em vida. Não te dediquei uma crónica em tantas que escrevi e tenho de ti algumas das memórias mais afetuosas e das mais divertidas. Ignoro as que me ocorrerão ao correr das teclas, nesta tarde de reclusão e medo da COVID- 19. Eras o mais velho de quatro irmãos, todos de inteligência excecional e elevados padrões éticos, democratas e filantropos, que nunca esqueceram as raízes pobres de S. Pedro do Rio Seco, de onde viestes com os pais para a Guarda, a fazerem pela vida, a procurar a sobrevivência, com aquela taberna em frente aos C

Humor e ódio em tempos de medo e incerteza

São singulares as condições que ora vivemos, tempos intensos, onde emergem o pior e o melhor de cada um de nós, abnegados e cobardes, sonhadores e deprimidos, altruístas e egoístas. Quando o medo se entranha surgem a generosidade e a pusilanimidade, com o prato da balança a pender para a última. O humor, mesmo o negro, é catártico, alivia as tensões, faz bem ao fígado e ginastica os músculos da face. O ódio é um subproduto do medo, insegurança, baixa estima, inveja e ressentimento. Arrepia ler o que se diz nas redes sociais, ver néscios a exultar com o número de mortes do Brasil e EUA, países de gritantes desigualdades, onde a pobreza toca largas camadas da população e são ignaros os governantes. É tão chocante o júbilo com a infeção de Boris Johnson, como o alheamento da tragédia dos refugiados que morrem às portas da Europa. Há, no primarismo das emoções, manifestações de ódio canalizadas para adversários ou atores políticos que as teorias da conspiração elegeram como vilões

Israel e a fé

Os judeus ortodoxos, cujo venerado rabino Kanievsky, de 92 anos, ordenou a desobediência ao ministério da Saúde e a abertura de sinagogas e escolas rabínicas, porque o Talmude e o Pentateuco os protegiam, têm um excessivo número de infetados e mortos pela COVID- 19. A polícia e o exército impuseram o cordão sanitário e fecharam as sinagogas . Os livros sagrados eram um mero placebo, mas a fé mantém-se inabalável.

Humor em tempo de medo e tédio

Imagem

António Costa e a popularidade

Imagem
Anda aí um azedume, um ranger de dentes, um ódio reprimido pelas sondagens que dão ao PM altos índices de aprovação e popularidade. Não se amofinem, o eleitorado é volúvel. Churchill ganhou a guerra e perdeu as eleições seguintes. É curta a distância que separa os aplausos e os assobios, o amor e o ódio, a admiração e o desprezo. É mais fácil surgir um mitómano que galvanize o país ferido, com promessas fraudulentas e demagogia fácil, do que obter a gratidão de um eleitorado formatado pelas redes sociais e a Cofina. António Costa já ganhou um lugar na História, ao resgatar o BE e o PCP da chantagem da direita, que se julgava detentora do monopólio da venda de bilhetes para o arco da governação e do direito de veto. Ganhou estrelas de general no combate à pior direita, ao atirar para o caixote do lixo da História a tralha Cavaquista e Passista, dando lugar ao aparecimento de Rui Rio que interrompeu o ciclo salazarista do PSD e desfez o CDS. António Costa abdicou de um lugar releva

Boa definição

Imagem
Adicionar legenda

A ingenuidade do padre Pedro Coutinho e um vírus de carne e osso

Há estórias sem história, um padre inocente que se deixa infetar por um vírus de carne e osso, um fascista que pediu a demissão do partido de que é deputado, sem usar a palavra irrevogável, e tendo para o adjetivo o dicionário de Paulo Portas. O padre Pedro Coutinho é amigo do assessor do Chega e presidente do Partido Pró-Vida (PPV). Quando este lhe telefonou a perguntar as carências e recebeu, depois, a dádiva, não sabia que posaria para fotografias, a segurar leite e fraldas para incontinência, com o líder do partido nazi. “ Não imaginei que fossem de coisas políticas. Fiquei chateado ” – disse o ingénuo padre ao saber-se que a versão masculina e laica da Dr.ª Isabel Jonet lhe apareceu com luzidia comitiva em campanha política.

No 28.º aniversário da morte do capitão de Abril

Imagem
Há quem ignore que a bravura daquela madrugada tinha uma história de coragem escrita dia a dia nas terras sangrentas da Guiné, na arrojada busca dos que caíam ou ficavam sob fogo, sem hesitações, contido o medo, a galvanizar quem o quisessem acompanhar. Muitos lhe ficaram, então, a dever a vida, arriscando a sua e a dos seus soldados. Hoje, todos somos devedores do seu enorme contributo naquela imorredoura madrugada que libertou Portugal do medo, da tirania e da prisão, mostrando a dimensão heroica de um homem de exceção. Obrigado, Salgueiro Maia.

Estado de reemergência

A prorrogação do estado emergência é uma brutal interrupção dos Direitos, Liberdades e Garantias que não pode deixar de arrepiar quem viveu em ditadura e sentiu a violência fascista.  Hoje, nem uma manifestação, como aquelas em que participei contra a guerra colonial, seria possível contra as medidas decretadas, tal o medo, não dos bufos, mas do vírus assassino que anda à solta. Nestes tempos de medo e incerteza, conforta-me que a Constituição não seja suspensa, como fez Viktor Orbán, na Hungria, que as medidas sejam tomadas com autorização da AR e que, em vez de Passos Coelho e Cavaco, tenhamos António Costa e Marcelo, para saber a democracia sem perigo, ainda que um título canalha de um artigo do Público anuncie:  «CORONAVÍRUS  Costa proíbe a Páscoa e fecha aeroportos.»

Constituição da República Portuguesa – 44.º aniversário

Imagem
Assinalar a data é homenagear os pais da democracia, todos os militares de Abril, e os artífices da arquitetura jurídica que plasmaram os princípios que a democracia exigiu e os portugueses sufragaram, todos os deputados constituintes, onde Mário Soares, Sá Carneiro, Álvaro Cunhal e Freitas do Amaral se destacaram como líderes partidários. O seu Preâmbulo foi a voz de um povo consagrada pela Assembleia Constituinte: «A 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas, coroando a longa resistência do povo português e interpretando os seus sentimentos profundos, derrubou o regime fascista. Libertar Portugal da ditadura, da opressão e do colonialismo representou uma transformação revolucionária e o início de uma viragem histórica da sociedade portuguesa. A Revolução restituiu aos Portugueses os direitos e liberdades fundamentais. No exercício destes direitos e liberdades, os legítimos representantes do povo reúnem-se para elaborar uma Constituição que corresponde às aspirações

COVID- 19 – Cogitações e incertezas

Num dia frio, retido em casa há duas semanas exatas, sem cão ou outra justificação para interromper a reclusão que a lei impõe e o civismo obriga, medito no futuro de que não farei parte por demasiado tempo, pela inevitável finitude da única e irrepetível vida que me cabe no breve caminho de Eros a Tanatos. Passo os dias a ler e a escrever como se a escrita ficasse para a posteridade e a leitura servisse de consolo às cinzas, mas gosto. E penso. Sem morbidez ou azedume. Penso nas senhas de racionamento que, em criança, via a avó cortar para as famílias que lhe eram atribuídas, com direito a comprar na sua loja 125 gr de açúcar, 0,5 kg de arroz, bacalhau ou massa, 1/5 litro de azeite ou de petróleo e outros produtos, havendo pessoas que não os iam comprar por lhes faltar dinheiro. Havia fome nas aldeias da Beira Alta, e no país. A minha mãe demorava a dissolver um rebuçado, por falta de açúcar, antes de me levar com ela para a escola onde a esperavam 72 crianças distribuídas pelas q

COVID-19

Imagem
Respeite o afastamento social.  

O apoio a António Costa

Houve um filósofo que dizia que os motivos eram posteriores aos atos, que os homens tinha medo porque fugiam e não o contrário, e eu tinha razão na defesa de quem conseguiu uma legislatura destruindo a chantagem da direita com o alegado 'arco da governação' e integrando todos os partidos. Agora a razão sai reforçada .