Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2019

As greves e as consequências

É impossível satisfazer todas as reivindicações justas, e imoral ceder às injustas, mas não surpreende que sejam as últimas as acolhidas e não as primeiras.

Urge denunciar a cupidez e o oportunismo das imorais, incompatíveis com o Orçamento de Estado, cujo incumprimento seria funesto para o País, o que raramente é referido, e muitos desejam.

Não se percebe por que motivo não são divulgados os vencimentos e eventuais regalias de todos os grevistas, bem como a remuneração média das mesmas categorias na UE e a sua ponderação de acordo com o PIB nacional.

Corre-se o risco de que a banalização das greves e o seu fracasso contribuam para criar a aversão que tantos desejam, ainda inconformados com uma conquista que lhes causa azia. As primeiras vítimas serão os trabalhadores e o movimento sindical, que vivem já dias difíceis. Não será por acaso que algumas greves têm o estímulo, quiçá o patrocínio, dos que sempre as condenaram, herdeiros dos que as proibiam.

O aventureirismo sindical paga-se…

Efeméride – Há seis anos

Imagem
O dia de hoje foi o último em que Joseph Ratzinger manteve o direito a usar sapatinhos vermelhos e o alvará da infalibilidade, mantendo a Santidade, o pseudónimo de Bento XVI e o direito a qualquer outro tipo de calçado.

No helicóptero que o levou, no dia 28 do mês de fevereiro de 2013, para um estágio de ex-Papa, em Castel Gandolfo, seguiu um clérigo que trocou o poder pela longevidade.

Os caminhos de Deus são insondáveis, como se diz no jargão religioso, mas os do papa jazem no hermetismo da Cúria.

Portugal, um país de oportunidades

Imagem
Portugal é um país de imensas oportunidades. Quando alguém julga que os sonhos mais incríveis, as aspirações excessivas ou as maiores utopias são irrealizáveis, nunca deve dar-se por vencido.

Há sempre quem, por mais curtas que sejam as asas, consiga voar até onde chegam as águias, atingir os píncaros e, do alto, olhar sobranceiro para quem não ousou levantar voo.

São muitos os exemplos do nosso remorso, as figuras do nosso desespero e os motivos da nossa raiva, mas os culpados fomos nós.

SEGUNDA-FEIRA, 25 DE FEVEREIRO DE 2019

Imagem
A História é o que é, mas não é honroso para Portugal o seu passado esclavagista e, muito menos, o facto de ter sido dos últimos países a abandoná-lo
Ocultar a data é uma ofensa às vítimas e indigno do país civilizado, democrático e humanista que deveremos ser.

A violência doméstica e a misoginia de alguns magistrados

Imagem
O juiz Neto de Moura tirou pulseira a homem condenado por agredir ex-mulher – lê-se hoje no JN –, de onde trago a foto do julgador e os factos.


Desta vez, apesar do cadastro, a jurisprudência pode dever-se a legislação ambígua, mas a suspeita não pode ignorar os antecedentes do venerando desembargador. A pulseira eletrónica, imposta ao delinquente pelo tribunal de primeira instância, face ao facto de, entre outras boçalidades, ter rebentado, a soco, o tímpano à mulher, era a única forma, em alternativa à prisão, de vigiar o energúmeno e permitir à vítima outra pulseira para pedir socorro, em caso de necessidade.

A lei exige autorização do condenado para imposição da pulseira, salvo se o juiz justificar a imprescindibilidade da sua utilização. Decerto o tribunal, que o puniu com o adereço, avaliou a relação conjugal “marcada pela violência e conflitos, especialmente nos últimos cinco anos, período em que o homem ameaçava constantemente de morte a mulher e repetidamente a agredia verba…

A frase

A rã que queria ser boi
“Estou pronta para ser primeira-ministra e fazer acordos com o PSD”
(Declaração de Assunção Cristas, em entrevista ao jornal espanhol “La Voz de Galicia”.

Igreja católica e censura

Imagem
A censura está-lhe no sangue.

Quem inventou a senhora de Fátima conseguiu impedir que a Senhora da Bola, criada pelo artista plástico Bruno Melo, fosse exposta no Carnaval de Torres Vedras.


Tejero Molina, o fantoche tardio do franquismo - 23 de fevereiro

Imagem
Em 1981, o grotesco tenente-coronel fascista, cúmplice de generais amigos do rei Juan Carlos e seus devotos admiradores, irrompeu no hemiciclo do Congresso dos Deputados com militares armados, ali onde a hesitante democracia dava os primeiros passos, após a morte do genocida Francisco Franco, para derrubar o Governo.

Julgava-se que esse fracasso era o canto do cisne do fascismo espanhol cujo cadáver ficaria aí, no seu risível fracasso, definitivamente enterrado, e foi apenas o cadáver insepulto que agora emerge numa democracia débil onde o franquismo hibernou para reaparecer através do voto e das cumplicidades que se mantiveram no trono, no altar e nos órgãos da soberania.

Há trinta e oito anos, depois da ordem para que todos os deputados se deitassem no chão e da rajada de metralhadora, ficou a imagem do deputado Santiago Carrillo, que permaneceu no seu assento, do presidente Suárez e do general Gutiérrez Mellado a admoestar o tosco militar e a manter-se de pé, como os únicos que re…

A exótica Universidade de Coimbra e a laicidade

Imagem
A Universidade de Coimbra não é apenas uma fonte de ciência, é a fossa onde desagua a fé, onde a liturgia a coloca como exclave de uma universidade pública e a transforma em confessional, onde o cargo máximo exige missa prévia, com genuflexões, aspersões de hissope e homilia sacra.

O Professor Decano, Professor Doutor Aníbal Traça de Carvalho Almeida, encarregado da cerimónia de posse do novo Reitor, mais preocupado com a salvação da alma do que com a separação da Igreja e do Estado, quiçá ignorante da laicidade a que está obrigada a Universidade pública, quem sabe se ungido pelo Divino, introduziu na cerimónia de posse do novo Reitor uma santa missa. A missa de 1 de março vai merecer o prémio da inovação.

No próximo 1 de março, a missa é a novidade da posse do Magnífico Reitor, Professor Doutor Amílcar Celta Falcão Ramos Ferreira, mas na posse do posterior Reitor será já uma tradição, um uso que se perpetuará para maior glória do cargo e deleite pio. Espera-se que o capelão seja expe…

Portugal – Catolicismo, pedofilia e fisco

Imagem
A Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), apesar do pecado da gula, goza da absolvição fiscal do Estado laico, contra a Constituição, e mesmo sem apoio na Concordata assinada por Durão Barroso, bem pior do que a salazarista, que o ditador fascista não rubricou porque era omisso o nome do papa e ele não aceitava ser equiparado a um mero cardeal.

Em Portugal, onde o clero é tradicionalmente casto, só raramente um obscuro padre acaba na prisão. Aconteceu ao padre Frederico, na Madeira, por ter assassinado um jovem por quem teria uma paixão não correspondida, e alguém o ajudou a fugir para o Brasil, onde regressou ao múnus, e ao vice-reitor do seminário do Fundão, condenado por vários casos de pedofilia.

O Diabo não inquieta muito o clero nacional, mas Deus protege a sua Igreja de forma obscena, e a comunicação social está mais empenhada na exploração da luxúria do que na denúncia da gula irrefreável que a ICAR manifesta em Portugal. É mais fácil explorar a homossexualidade de cardeais…

O mundo está cada vez mais perigoso

Imagem
O Estado democrático de direito está ameaçado e a existência de eleições, por sufrágio universal e secreto, sendo uma condição essencial, é cada vez menos fiável para eleger governos democráticos.

Sabemos da História que Hitler e Mussolini chegaram ao poder pela via eleitoral e só o tosco Salazar, o frio genocida Francisco Franco e alguns outros generais renunciaram à via democrática para atingirem o poder. Mas, depois de eleitos, sabe-se o que sucedeu.

Há quem pense, por ignorância, maldade ou ambas, que a democracia é apenas a forma, desprezando a substância, e é preciso ser demasiado cínico ou suficientemente estúpido para considerar democratas os líderes dos EUA, Brasil, Turquia, Polónia, Filipinas ou Hungria, pelo facto de terem sido sufragados pelos eleitores. Não são melhores do que o líder chinês ou o príncipe-herdeiro saudita.

A democracia não é apenas o governo das maiorias, é sobretudo o respeito das minorias, a defesa dos direitos humanos e a integração económica, polític…

Violência doméstica e jurisprudência exótica

Imagem
Não creio que possa atribuir-se uma relação de causa/efeito entre exóticos acórdãos de juízes misóginos e o sofrimento e morte de numerosas mulheres que, dentro ou fora do lar, são vítimas de violações, crueldade, humilhação e dor, e é inevitável a associação.

Também existe, é certo, violência feminina sobre homens, mas a percentagem e as suas consequências, não sendo desprezíveis, e merecendo igual atenção policial e ponderação judicial, são seguramente ínfimas.

O que não pode evitar-se é o escrutínio público da complacência de alguns julgadores da violência doméstica, capazes de misturar o Código Penal com um código de conduta da Idade do Bronze [Antigo Testamento], e, muito menos, a intolerável benevolência de quem julga os excêntricos julgadores.

Saber que um execrável acórdão considera o adultério [crime para a religião, não para o Código Penal], relevante para a atenuação da pena por crimes de desmedida violência, perpetrados por dois patifes contra uma mulher indefesa, é motiv…

A insânia e a violência tomaram conta do Brasil de Bolsonaro

Imagem
Na semana passada, 14 de fevereiro, a polícia militar do Rio de Janeiro encurralou num prédio de uma favela um numeroso grupo de presumíveis traficantes de droga, tendo matado 13, cujos corpos, levados para um hospital, apresentaram fortes indícios de fuzilamentos, bárbaras agressões à facada e tortura.

A polícia limitou-se a interpretar o pensamento reiteradamente expresso por Bolsonaro, adepto da repressão ao crime, através do aumento do número de armas e de execuções expeditas.

Wilson Witzel, um ex-fuzileiro e juiz federal, exonerado para se filiar no Partido Social Cristão, pelo qual se tornou governador, veio logo defender o massacre, coerente com a sua candidatura, quando prometeu criar atiradores furtivos para dispararem contra os criminosos, numa atitude policial dura, em rota de colisão com a legalidade. “A polícia vai mirar na cabecinha e… fogo!” – disse durante a campanha, que o elegeu com 60% dos votos.

As vítimas, que tinham entre 15 e 20 anos, eram apenas suspeitos e os…

MOÇÃO CENSURA DO CDS: A Ética, Shakespeare e a Batata…

Imagem
Shakespeare alimentou literáriamente a famosa dicotomia - ”to be or not to be”. O PSD entrou numa fase dramática verdadeiramente 'shakespeariana'. Com uma nova direcção que fez gala em anunciar um 'banho de ética' verifica-se que, ao virar da esquina, o que temos é um passeio pelas urtigas.
O PSD parece que foi apanhado na armadilha das suas evidentes contradições. Considera que o voto de censura proposto pelo CDS é ineficaz e foi mais contundente – declarou-o inoportuno. Todavia, veio a público declarar que considera oportuno apoiá-lo com medo de ficar isolado à Direita.  Para umas coisas é inoportuno para outras não. Estar no Centro e na Direita ao mesmo tempo e à mesma hora é um exercício de prestigiação a não ser que queira fazer mais um entorse semântico à sigla de 'social-democrata'. Uma coisa é social-democracia outra será a Direita. Não vale a pena inventar sobre o que está historicamente estabelecido. É aqui que entra o 'to be or not to be'.
O…

Giordano Bruno – Há 419 anos (17 de fevereiro de 1600)

Imagem
Ia a Igreja católica no 8.º Clemente, homólogo do antipapa de igual nome, de Avinhão, quando lançou o veredicto da morte pela fogueira. A Santíssima Inquisição, depois de tentar que renegasse as suas ideias, cumpriu com regozijo, em êxtase pio, a incineração do réprobo.

O filósofo, matemático e teólogo, defendia a teoria heliocêntrica, afirmava a existência de outros mundos e ainda questionava a natureza divina de Jesus Cristo. Como poderia um clérigo transformar em absurdos os dogmas, néscios os padres e ignorante a Igreja?  Que merecia, aliás, o filósofo que considerava infinito e inacabado o Universo?

Depois de um julgamento de oito anos, o filósofo italiano, escritor e religioso, Giordano Bruno, excomungado por protestantes e católicos, foi obrigado a ouvir de joelhos a sentença, que o condenou a arder vivo perante o gáudio da pia multidão, que não perdeu o espetáculo de ver arder um livre-pensador que se atreveu a afirmar, perante os santos algozes: “Talvez sintam maior temor ao…

Questões sobre a 'greve cirúrgica' dos enfermeiros…

Imagem
Muito se tem escrito e ventilado sobre a greve cirúrgica dos enfermeiros. Algumas questões merecem reflexão fora do contexto imediatista que ultrapasse a circular afirmação de que todos compreendem as reivindicações deste grupo profissional, mas… O problema está em alguns ‘mas’ que devem ser discutidos a fim de que – no futuro – a greve seja um direito salvaguardado.
Algumas questões:
1.) O ambiente laboral no sector profissional de enfermagem abriga no seu seio um quadro sindical vasto e heterogéneo que mais do que completar-se se digladia (SE, SEP, SIPE, SINDEPOR, …). Esta multitude representativa não é um bom sinal. Todavia, esta dispersão não é impar no País em vários sectores profissionais e terá razões que, provavelmente, o 'sindicalismo tradicional’ (as históricas ‘Trade Unions’) desconhece(m). A fragmentação sindical é uma velha questão do mundo do trabalho cuja discussão não cabe neste âmbito, mas não é indiferente a um múltiplo quadro de interferências [extrassindicais]…

Vale a pena recordar?

Imagem

O que a direita ainda pensa

Imagem
Era este médico que se queixava da despenalização do aborto, que combateu ferozmente, pois deixavam de nascer siameses, o que impedia os cirurgiões de os operar.

Foi bastonário da Ordem dos Médicos.

Tantas e tão violentas greves, todas ao mesmo tempo, podem derrubar o Governo, mas é o país que sofre e o sindicalismo que se suicida.

Não é por acaso que os sectores que gostariam de destruir o SNS, os sindicatos e, em última análise, a democracia, as apoiam.

Todas.

Santana Lopes e o partido Aliança

Imagem
Após ter perdido a presidência do PSD para Rui Rio, o político com mais fracassos em lugares de gestão, lançou-se na aventura de um novo partido. O Menino Guerreiro quis travar o último combate, com destino incerto. Não lhe faltou a comunicação social, que sempre lhe deu o colo que implorou quando, depois de demasiadas trapalhadas, teve de ser demitido de PM, através do instrumento legal de que um PR dispõe, a dissolução da AR.

A ideia mais inovadora enunciada foi a de que “todos devem ter o seu seguro privado de saúde”, baseada no pior modelo, o norte-americano, o mais caro, ineficiente e injusto de todos os países desenvolvidos. Ignora que, em Portugal, a maioria das queixas é contra os prestadores privados da saúde, useiros e vezeiros a transferir doentes para o SNS, em situações limite para as quais parasitam o sistema público.

Dito isto, há de reconhecer-se que, no campo ideológico, Santana Lopes foi o único que apresentou uma ideologia clara nos partidos da direita portuguesa. …

Recordando Humberto Delgado, assassinado pela Pide, em 13 de fevereiro de 1965

Imagem
Humberto Delgado, cadete do 28 de maio e um indefetível cúmplice do regime fascista, desiludido, iniciou a conversão sincera à democracia representativa, na sua estadia nos EUA, onde foi adido militar na Embaixada de Portugal (1952/57).

O percurso ideológico do distinto oficial e cidadão corajoso, tardio, mas decidido, havia de custar-lhe a vida. Em 1958 desafiou o ditador e enfrentou o almirante Tomás numas eleições fraudulentas cuja vitória seria atribuída ao grotesco marinheiro.

Foram as últimas eleições diretas para a Presidência da República e o descrédito total do ditador Salazar, perante o País e o mundo.

Humberto Delgado, num gesto de rara coerência e obstinação, entregou-se ao desígnio de pôr fim à ditadura, e nunca mais desistiu de lutar contra ela, e a ditadura de procurar a sua eliminação. Delgado não parou, parou-o a tiro o pide Casimiro Monteiro, do outro lado da fronteira, perto de Olivença, onde fora atraído a uma cilada e o aguardava uma brigada da Pide, chefiada por…

Deus e os apóstolos

Imagem
A criação de Deus podia ter sido uma ideia interessante, mas foram infelizes os arquitetos do projeto, desmazelados na execução os artífices, toscos os clérigos da sua preservação e restauro, e cínicos os pregadores da sua vontade.

Arre..., que é demais

Imagem
A Igreja católica não é a única onde os crimes sexuais atingem proporções avassaladoras, mas é a sua hipocrisia, quanto à sexualidade, e a insistência no celibato eclesiástico que fazem dela o alvo apetecido da comunicação social.

Da pedofilia à homossexualidade, sendo a última, legítima, é a insistência na moral da Idade do Bronze que a fragiliza aos olhos dos crentes e a expõe à voracidade da comunicação social, ávida de escândalos para um público cada vez mais superficial, que exonera o senso crítico e se baba de gozo com a humilhação alheia.

As perversões e os crimes encontram o melhor húmus nas instituições fechadas, que recalcam os instintos e criam códigos de silêncio. A Igreja católica foi uma dessas instituições e foi a sua abertura, ao contrário do que se pensa, que trouxe à tona a imundície dos corpos cuja alma é a criação de que se alimenta.

Curiosamente, são as preocupações sociais do atual pontífice que mais expõem a sua Igreja à voragem dos interesses que ela atinge. A…

O professor António Galopim de Carvalho

O Conselho Científico da Universidade de Évora votou favoravelmente a concessão do grau de Doutor Honoris Causa ao Professor Galopim de Carvalho. É altura de eu lhe prestar aqui a homenagem que lhe devo pelo que me tem ensinado no blogue «Sorumbático», onde tenho a honra de também colaborar.

O País conhece o eminente cientista e o defensor da preservação dos dinossauros, mas talvez desconheça o pedagogo que continua a divulgar a geologia e torna a compreensão dos fósseis acessível a pessoas sem cultura científica. Mais do que académico é um homem apaixonado pelo conhecimento que tem enorme prazer na sua divulgação.

Galopim de Carvalho não é apenas o professor de numerosos alunos da Faculdade de Ciências que, na Universidade Lisboa, tiveram a sorte de ser seus alunos no Departamento de Geologia, é o pedagogo que tem a verdadeira paixão do ensino. Tem um país que lhe deve a preservação do património, desde as pegadas da pedreira de Carenque à investigação da Paleontologia dos vertebrado…

De como Natália previu a ida de Marcelo ao bairro da Jamaica

Imagem
Com um quarto de século de defunção, ressoam ainda os versos iconoclastas, de rara beleza, que fizeram da lutadora pelos direitos humanos e a igualdade da mulher uma personalidade singular e escritora de exceção.

Houve sempre, em Natália, demolidora de mitos, que rasgou convenções, a paixão desmedida, o desassombro e a verrina. Era uma mulher que enchia os espaços por onde circulava, abalroava o moralismo e reduzia à insignificância os moralistas e trogloditas que se julgavam referências éticas e sociais.

O deputado João Morgado, luminária do CDS vinda de Lamego para comunicar ao País que o ato sexual só era legítimo para fazer filhos, sentiu que o humor inteligente derruba a hipocrisia e põe a nu a superficialidade de um catequista paroquial.

Nos seus versos repentistas, pôs o Paramento a rir e o CDS envergonhado:

Já que o coito - diz Morgado -
tem como fim cristalino,
preciso e imaculado
fazer menina ou menino;
e cada vez que o varão
sexual petisco manduca,
temos na procriação
prova…

As greves e a democracia

Imagem
Sou incapaz de dizer se uma greve é justa ou não, se os grevistas avaliam bem a licitude das reivindicações e suas consequências, se um Governo, tratando-se da função pública, pode e deve satisfazê-la sempre, rompendo os limites orçamentais e a equivalência entre funcionários da mesma categoria.

A greve dos enfermeiros das salas de operações começou por ser uma reivindicação sob os auspícios da bastonária da Ordem dos Enfermeiros, e acabou a criar um sindicato que ainda não tinha empossado os órgãos sociais e já os presumíveis dirigentes aumentavam as exigências em cada nova reunião com o ministério da Saúde.

É natural que a bastonária, consultora para a Saúde do ex-PM e dirigente do PSD, tenha visto na greve a forma de derrubar um governo que nunca considerou legítimo, e exigir-lhe, depois de reposta a carreira que o governo PSD/CDS extinguiu, muito mais do que o Governo podia ceder. A Ordem fomentou a greve, que não é da sua competência.

Aliás, parece que nunca alguém acreditou que…

Marcelo, Panamá e recandidatura a Belém

Imagem
“Saio daqui [Panamá] com uma grande vontade de, se Deus me der saúde e se eu achar que sou a melhor hipótese para Portugal, com uma grande vontade de me recandidatar”. […] “Tenho de ter saúde e tenho de ver se não há ninguém em melhores condições para receber o papa”.
(PR, no Panamá, após a participação nas Jornadas da Juventude católica, missa e sermão papal)

Podia alguém duvidar da descida de Cristo à Terra, mesmo sem perceber o que é subir ou descer, em relação ao Universo; podia alguém, que tivesse ouvido o atual PR em 26 de janeiro de 2014, durante a sua homilia dominical do “Jornal das 8”, da TVI, como comentador, defender um único mandato e dizer que “Dez anos para um Presidente é muito tempo", e que “sujeitar um Presidente a uma reeleição nunca é positivo”, pensar que Marcelo jamais se recandidataria.

Seria como pensar que era outro Marcelo o atual PR, quem tivesse lido Esser Jorge Silva, sociólogo e investigador da Universidade do Minho, em entrevista à revista Visão (n…

Tréguas religiosas ou transfusão de versículos?

Imagem

Culturas

Imagem
Quando são incompatíveis, entre a modernidade e o respeito pelas culturas alheias, prefiro a primeira. E nunca, absolutamente nunca, aceitarei uma cultura que não respeite a igualdade de sexos.

Armando Vara e as algemas

Imagem
Estou tão habituado, desde sempre, a ser minoritário nas posições que tomo e princípios que defendo, que me surpreendo quando encontro unanimidade nas opiniões que emito.

A prisão de Armando Vara, condenado a cinco anos de prisão efetiva, não me admirou, tal como não me admiraria se fosse o dobro ou metade. Penso que os juízes, salvo raras exceções, são competentes e aplicam penas adequadas. Tenho, aliás, boa impressão dos magistrados portugueses, que nunca confundi com os sindicalistas que os representam, de quem tenho opinião inversa.

Armando Vara é, felizmente, para poder condenar as algemas com que as televisões se deleitaram, uma pessoa que me é completamente indiferente, e as algemas um ato que pode ser legal, mas, na minha opinião e sensibilidade, manifestamente indigno.

Desconheço a legislação e quero escrever este texto sem ser influenciado pela lei. O que me repugna é a humilhação gratuita de um ser humano. Os crimes económicos não são menos reprováveis do que os crimes de …

De como uma religião pode impedir a tecnologia

Imagem
Quem sabe se a Arábia Saudita, convertida ao luteranismo ou ao judaísmo, principalmente a este, não seria hoje um país exportador de impressoras da última geração?!

Maomé era contra as fotocópias-

Carta do jornalista Henrique Monteiro_2

Carta ao jornalista Henrique Monteiro (HM)
hmonteiroexpresso@gmail.com 4 de fevereiro de 2019 18:03
Para: Carlos Esperança
Caro senhor Carlos Esperança,

Com os meus cumprimentos, o senhor começa por negar o dogmatismo com uma afirmação dogmática:
"a laicidade cuja violação pelo PR foi manifesta e constitui desrespeito de quem representa todos os portugueses". A ideia de que o PR - e não tenho procuração para o defender - desrespeitou a laicidade do Estado é, para si, indiscutível. Axiomática. Respeito, mas discordo.

O ateísmo é para mim um contrassenso. A negação pura e simples de qualquer ser supremo é equivalente à afirmação da necessidade de ele existir. Dogmática. E eivada de superioridade moral em relação a gnósticos e agnósticos.

De resto a laicidade e o laicismo podem ter interpretações diversas. O Estado é laico, não laicista. É neutro em relação às religiões, sim, mas não contra a sua existência, nem contra as relações do Estado com as religiões. Isso é o fundament…

Notas sobre a crise venezuelana…

Imagem
A situação na Venezuela tem sido observada internacionalmente um pouco à sombra do esquema dos clubismos e das suas inomináveis claques. Hoje, para além da grave situação interna venezuelana, Caracas tornou-se num novo campo de batalha dos velhos equilíbrios internacionais o que vem dificultar as soluções para a crise venezuelana.
Ideologicamente, o ‘chavismo’ que vigorou neste país desde 1999 até 2013 (ano do desaparecimento físico de Hugo Chávez) é, em certa medida uma nova versão de peronismo, um peronismo pós-moderno, ou seja um movimento político-social complexo que, no passado, também, marcou a América Latina e onde de misturaram conceitos como o populismo, o anti-imperialismo, o bonapartismo e, até certo ponto, o capitalismo de Estado.
Acresce a este rol um conceito particular inerente ao ‘chavismo’ e que lhe define as características pós-modernas e que se torna difícil de estabelecer doutrinariamente os seus contornos: - ‘o socialismo do século XXI’ (numa conceção latino-ame…

À atenção da Procuradoria Geral da República

Imagem
A revista Visão n.º 1278 (31/8 a 6/9 de 2017) denunciou, ao longo de 21 páginas, o descaminho de milhões de euros em municípios do PSD, por Marco António Costa, Luís Filipe Meneses, Agostinho Branquinho, Hermínio Loureiro, Virgílio Macedo e Valentim Loureiro, com faturas falsas, empresas de fachada, tráfico de influências, negócios simulados, contratos públicos viciados, fraudes em subsídios, manipulação de contas e iniciativas fictícias.

Tenho colocado esta notícia, com frequência, nesta página do Faceboock e no blogue Ponte Europa, mas a falta de atuação da PGR, apesar da urgência de averiguar quem foi à bola num avião fretado pela Galp, tem feito descurar a investigação policial que cabe ao Ministério Público ordenar e que causa alarme na opinião pública,.

É, aliás, muito grave que o atual líder da comissão de Defesa da AR, uma referência ética da política, possa permanecer em tais funções sem ser ilibado, como certamente merece.

É a honra dos referidos autarcas que pode prescreve…

Carta ao Jornalista Henrique Monteiro

Senhor Henrique Monteiro

Na última quarta-feira publicou, no Expresso online, o artigo, “Recordações sobre o Estado laico”, censurando o Comunicado da Associação Ateísta Portuguesa (AAP), onde se critica a deslocação do PR a cerimónias religiosas, no Panamá. O referido comunicado, da responsabilidade da Direção, encontra-se na página oficial da AAP e mereceu, aliás, o interesse e acolhimento da generalidade da comunicação social.

HM transcreve no seu artigo: “A título particular e a expensas próprias, caberia a esta Associação respeitar e ignorar tamanha devoção. Participar em jornadas da Juventude, onde manifestamente a idade não o recomenda, ir à missa e assistir à benzedura de um templo católico, é um assunto que a AAP ignoraria se o enviado fosse um membro da Conferência Episcopal, mas que considera um grave atentado à neutralidade religiosa do Estado laico, quando perpetrado pelo Presidente da República”.

Desta transcrição conclui: «É difícil ser mais dogmático, sectário e, perdo…

Trump e Xi Jinping

Imagem
Vocês previram primeiro o problema com os mexicanos, mas o muro já está a precisar de obras.

Também têm problemas com o Senado? Os Democratas só atrapalham!


CGD - 2

Imagem
A nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à Caixa Geral de Depósitos (CGD) aproxima-se muito daquela conhecida expressão: ‘chover no molhado’ link. Todos sabemos que a esta nova versão de CPI nunca apurará se existiu, ou não, influências políticas nas decisões das sucessivas Administrações que conduziram a empréstimos ruinosos, contra os pareceres das comissões de risco e muitas vezes concedidos sem as necessárias garantias. Vamos assistir ao desfile de personalidades do meio financeiro, como mais ou menos idoneidade, todos ‘veneráveis banqueiros’ que, para mal dos nossos pecados, não se lembrarão de nada. O espetáculo habitual nas comissões parlamentares. Restará apurar os quantitativos que os cidadãos tiveram de suportar com as suas forçadas contribuições para ‘salvar’ a CGD. E resta a consolação – triste – de que, neste caso, foi para um banco público. Deste apuramento da situação deverão ser tiradas conclusões. É aqui que residirá o relativo interesse desta nova CPI. Relativ…