Carta ao Jornalista Henrique Monteiro

Senhor Henrique Monteiro

Na última quarta-feira publicou, no Expresso online, o artigo, “Recordações sobre o Estado laico”, censurando o Comunicado da Associação Ateísta Portuguesa (AAP), onde se critica a deslocação do PR a cerimónias religiosas, no Panamá. O referido comunicado, da responsabilidade da Direção, encontra-se na página oficial da AAP e mereceu, aliás, o interesse e acolhimento da generalidade da comunicação social.

HM transcreve no seu artigo: “A título particular e a expensas próprias, caberia a esta Associação respeitar e ignorar tamanha devoção. Participar em jornadas da Juventude, onde manifestamente a idade não o recomenda, ir à missa e assistir à benzedura de um templo católico, é um assunto que a AAP ignoraria se o enviado fosse um membro da Conferência Episcopal, mas que considera um grave atentado à neutralidade religiosa do Estado laico, quando perpetrado pelo Presidente da República”.

Desta transcrição conclui: «É difícil ser mais dogmático, sectário e, perdoe-se a ousadia, ignorante». Registo a sabedoria, imparcialidade e tolerância de HM, em contraste com a forma e substância do parágrafo que o enxofrou.
 
Estranho a hostilidade de quem sentiu a necessidade de se afirmar «não católico», como se tal facto fosse uma virtude, aumentasse a credibilidade ou interessasse aos leitores. Os ateus não se atribuem qualquer superioridade moral em relação aos crentes e neste comunicado não estava sequer em causa o ateísmo, mas a laicidade cuja violação pelo PR foi manifesta e constitui desrespeito de quem representa todos os portugueses.

Apreciei a sua ironia: «O que está errado nos ‘ateístas’ não é a sua fé na não existência de Deus, que é legítima», apenas me surpreendeu a necessidade de a explicar no final do artigo, desconfiado, talvez, da inteligência de quem o lê. Terá as suas razões.

HM critica a forma e o conteúdo do “comunicado”, mas quando afirma que «Embora não seja representativa em termos de associados, a Associação Ateísta Portuguesa representa um pensamento relativamente comum entre a esquerda mais radical», ignora o número de sócios, sem sequer procurar informar-se, o que é incúria, e atribui à AAP «o pensamento da esquerda mais radical», com a leviandade com que se refere à sua representatividade ou quando afirma que ‘o que irrita os ateus é que o PR seja católico e vá à missa’, numa dedução psicanalítica ao nível de um bruxo.

Quanto à ética, estamos conversados. Quanto ao dever de o PR respeitar a laicidade, não o entende HM, que ignora o conceito – neutralidade religiosa –, a que é obrigado quem representa todos os portugueses.

Quanto à Concordata, que HM refere, é um tratado que dificilmente respeita a CRP. Foi a cedência de Durão Barroso que tornou Portugal protetorado do Vaticano. A Marcelo serve-lhe para salvar a alma, a Henrique Monteiro para perder a credibilidade.

P. S. – Sabe que sou presidente da AAP e lembrar-se-á que conversávamos no Tweeter. Sabe bem que sou um moderado, tal como os membros da Direção da AAP, mas é mais fácil estar com o poder. E mais lucrativo.

Cumprimentos.

Carlos Esperança

Comentários

Duarte Campos disse…
A propósito Prof.Carlos tenho que lhe contar:
Um dia destes convidei o meu neto de 17 anos a ir assistir a uma missa comigo em Braga.
Trata-se de um neto,em que os pais são só casados pelo civil,nunca frequentaram qualquer igreja e foi essa a educação que deram aos 3 filhos.
No final e já cá fora do templo perguntei:
Então que tens a dizer ao teu avô?
Resposta imediata:
Assisti a uma palhaçada.
Acredito no que me dizes, mas pensa bem no que acabaste de ver e imagina a capacidade desta gente para,ao longo de séculos,promover n alteraçoes para chegar à actual situação
Os meus cumprimentos
-
Bom neto. E inteligente, Duarte Campos.

Mas veja como o veneno se instala. Até o meu caro amigo ainda diz: «os pais são só casados pelo civil». Só? E não chega? Abraço.
e-pá! disse…
Independentemente da natureza laica do Estado Português definida constitucionalmente, a Direita confessa e o Centro hesitante e demais confrarias (religiosas e seculares) empenharam-se em argumentar 'justificações' para a escabrosa situação vivida no Panamá que, mais uma vez, aviltou a representação do Estado envolvendo-a em pias e confessionais conjecturas.
Muitas dessas argumentações foram esgrimidas contra ou ignorando a Lei Fundamental e sobrevalorizando a Concordata (um tratado entre dois Estados) e outras - a mais
reticentes - foram retiradas de uma escabrosa disciplina do salazarismo 'Organização Política e Administrativa da Nação', onde se proclamava taxativamente que 'Portugal é um País tradicionalmente católico'...

E este tipo de fontes argumentativas, bem como a sua remota origem, dizem tudo sobre o assunto.

Finalmente, e em termos e representação de Estado, foi possível assistir a uma repugnante encenação mediática. Os representantes nacionais pareciam estar muito ansiosos e preocupados com o local da realização das próximas 'Jornadas Mundiais da Juventude'. Não estavam e teimaram em encenar uma rábula.
Quando a representação portuguesa partiu para o Panamá já sabia da escolha 'papal' que, aliás, prematuramente, já tinha sido anunciada em Lisboa. E nem podia ser de outra maneira, pois que se saiba - e apesar da Concordata - o País destinatário precisa de dar o seu aval e, mais, custear as despesas inerentes.

O 'ledo e cego engano' protagonizado por uma delegação nacional chefiada por Marcelo Rebelo de Sousa foi o reverso da histórica bula 'Manifesti Probatum' que Alexandre III, em 1179, endereçou ao fundador da nacionalidade, reconhecendo a nossa existência como Estado (na altura Reino).
Foi também um desnecessário ajoelhar perante um símbolo que a Paz de Vestefália (muito antes da Constituição de 1976) já tinha abolido e a República (a que legitimamente preside e representa) proscreveu em 1910.
Manuel Galvão disse…
Foi preparar o Web Summit Católico em Portugal...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime