Mensagens

A constituição Política de 1933

Imagem
O promissor ditador, instruído durante oito anos no seminário de Viseu, brilhante aluno da faculdade de Direito de Coimbra e militante da madraça do CADC, depois de ter sido docente e poderoso ministro das Finanças da ditadura militar, governou Portugal como presidente do Ministério, de forma ditatorial, entre 1932 e 1933, hábito a que não mais renunciaria, como Presidente do Conselho vitalício.
Em 19 de março, há 86 anos, o ditador apresentou ao País um projeto de Constituição Política, a ser sufragado através de plebiscito popular direto, em que as abstenções contaram como votos “sim”.
Os fundamentos da ditadura antiliberal, anticomunista e, naturalmente, antidemocrática, ficaram ali plasmados num diploma que instituiu o regime clerical-fascista vitalício, que só a inutilização física e mental do fundador levou à mudança de ditador.
Num ambiente de euforia fascista em toda a Europa, com a ascensão de Hitler ao poder no mesmo ano (1933), começou a tomar corpo o aparelho repressivo e a p…

O jornalismo e os partidos políticos

A revista do Expresso [E], de 2 de março, revelou que 95 políticos têm lugar cativo na rádio, televisão e imprensa, uma originalidade lusitana distribuída partidariamente desta forma: PSD – 34, PS – 25, CDS – 12, BE – 9, PCP – 8, Aliança – 2, Livre – 3, Chega – 1, Nós Cidadãos – 1.

Tomei devida nota, a que ora recorro, para poder comparar o número dos comentadores dos partidos de esquerda [45] (PS + BE+ PC + Livre) com os de direita e de extrema-direita [50], ao contrário dos resultados eleitorais onde a esquerda é maioritária.

Se ao número adicionarmos a visibilidade, em função dos horários nobres, temos ainda uma maior distorção, transformando a comunicação social em propaganda. Aliás, o eco dos propagandistas da direita é hegemónico na imprensa escrita.

Não sendo deficitária a propaganda de agentes partidários da direita, compreende-se mal que o número de jornalistas, assumidamente de direita, predomine também nos órgãos de comunicação social, às vezes com um empenho mais descarado…

Questão de fé

Imagem
Pode duvidar-se de Deus, mas o Diabo merece algum crédito.

Surrealismo legislativo – O combate aos adjetivos

Os adjetivos, à semelhança da caça, têm época própria. Uma lei de 2015, PSD/CDS, com votos contra de toda a esquerda, proíbe a publicidade institucional de obras ou serviços aos órgãos do Estado, após a publicação do decreto-lei que marca eleições, sejam elas quais forem.

As coimas, nas autarquias, 15 a 75 mil euros, são aplicadas aos respetivos presidentes de Câmara.

A lei deixa anunciar, por exemplo, que abriu o Centro de Saúde de Alguidares de Baixo, mas não permite que o autarca diga, “cumprimos” ou que essa unidade “é a melhor de”. Como os munícipes, em particular, e os cidadãos em geral, são estúpidos, podiam votar em todo o país, todos os eleitores, no partido de turno em Alguidares de Baixo.
Em Lisboa pode anunciar-se uma nova estação de Metro, se acaso for aberta, mas não se pode dizer ser essa uma boa notícia para os moradores da vizinhança. Os adjetivos ficam de quarentena até ao dia seguinte às eleições, neste caso, as europeias.

A Associação Nacional de Municípios, receos…

STEPHEN HAWKING - Testemunho

Imagem
" Acho que a explicação mais simples é que Deus não existe. Ninguém criou o universo e ninguém dirige o nosso destino. Isto leva-me à perceção de que provavelmente não existe nem paraíso nem vida para além da morte. Temos uma vida para apreciar o grande desígnio do universo e estou extremamente grato por isso."

Ponte Europa - Solidariedade com a A25A

Imagem
COMUNICADO
GREVE CLIMÁTICA ESTUDANTIL
Realiza-se amanhã [ontem], dia 15 de Março, a GREVE CLIMÁTICA ESTUDANTIL, organizada por um movimento de estudantes portugueses, na sequência do movimento internacional #SchoolStrike4Climate, nascido do discurso mobilizador de Greta Thunberg, de 16 anos, na Cimeira do Clima das Nações Unidas, em Dezembro passado.

A Associação 25 de Abril apoia publicamente esta iniciativa cívica, porque considera que as alterações climáticas e a procura de acções e soluções para as combater são um tema da maior importância e urgência nos dias que correm.
A consciencialização para o combate às alterações climáticas tem de começar a ser feita já hoje, por todos e por cada um.
Os governos, mas também as empresas, as instituições, as escolas, as famílias, e cada um de nós, todos somos responsáveis pela viragem de que o planeta precisa para poder continuar a ser a casa da biodiversidade natural e da grande aventura humana, como hoje as conhecemos.
O facto de pessoas em idade…

Violência doméstica e jurisprudência «No país dos Neto de Moura»

Imagem
Ontem, após ler dez páginas da revista Visão, com repugnantes justificações e insólitas decisões plasmadas na jurisprudência portuguesa, dos tribunais da primeira instância ao STJ, quase sempre sem votos de vencido, senti-me nauseado com o grau de machismo e misoginia que transparece de sentenças e acórdãos. São páginas que merecem uma séria reflexão, não apenas dos juízes, mas de toda a sociedade.

Não gosto de ver a Justiça tratada de forma populista, de saber enlameados os Tribunais, de ver generalizações abusivas e colocar as decisões judiciais ao arbítrio de uma opinião pública ignara e ressentida, com os critérios com que julga os políticos. Mas, perante tão flagrantes imoralidades e, quero crer, injustiças, que os preconceitos e a miopia geram, à falta de outra instância, só o escrutínio da opinião pública pode atenuá-las.

No trabalho jornalístico, assinado por Pedro Raínho e Sílvia Caneco, não vislumbrei, na prosa ou nos títulos de caixa alta, qualquer exploração sensacionalis…