Mensagens

Viva Julian Assange!

Imagem
Saúdo a libertação de Assange e repudio a perseguição de que foi vítima e as condições exigidas.

É preciso topete!

Imagem
 Da série: A raposa quer controlo do acesso ao galinheiro. No governo Balsemão, Marcelo bufava aos media, no intervalo do conselho de ministros, o teor das discussões em curso. Como PR foi ele que fomentou a fuga das informações secretas co Conselho de Estado, com Cavaco, Lobo Xavier e Marques Mendes a condenarem em público um alegado silêncio do PM a uma provocação do PR.

O criador e a criatura

Imagem
Urbano e rural unem-se na alegria com que chantageiam as oposições. O primeiro teme consequências do que fez e o segundo tornar-se em novo Santana Lopes. Unidos no medo, querem salvar a pele. Por isso dão as mãos contra as oposições em aparente sintonia. Se não for aprovado o OE/25 a culpa é do PS.

PR + PRAM + PGR

Imagem
Há três pessoas em Portugal que nunca pedirão a demissão, por mais que degradem a democracia e enxovalhem os cargos, Marcelo Rebelo de Sousa, Miguel Albuquerque e Lucília Gago. O primeiro porque não quer e não pode ser demitido, o segundo porque pode ser preso se o fizer e a terceira porque o PM e o PR não querem, mas serão responsáveis pelo resto do mandato.

Feira do Livro - Coimbra

Imagem
  Para os leitores dependentes do futebol estarei lá a partir das 16H00. Até logo, caros leitores #amigos #seguidores

Assembleia da República

Imagem
A mãe de duas crianças portadoras de grave enfermidade foi acossada no Parlamento de Portugal. Não podendo os deputados fascistas portar-se como humanos tornaram-se desumanos os deputados de outros partidos. Não sei porquê, lembrei-me de Jorge de Sena.

A AD e o combate à corrupção

Imagem
As 32 medidas apresentadas com pompa e circunstância, pelo PM e ministra da Justiça, podem enganar os incautos e criar expetativas exageradas nos crédulos. A qualidade de juristas dos apresentadores, como quase todos os membros do governo, oriundos das melhores e das piores faculdades públicas e privadas, não as credibilizar. O anúncio é um rol de repetições de promessas anteriores de governos do PSD e do PS, algumas vazias de conteúdo, outras com inovações perigosas. O aumento das penas dos crimes de corrupção e do prazo de prescrição, ainda que com parcos benefícios, é pacífico, mas o confisco alargado de bens, sem condenação judicial, é uma proposta inaceitável ou um fingimento meramente propagandístico. Seria a forma de inverter o ónus da prova. Se aprovada era a prova do mérito do PSD no combate à corrupção, caso contrário era culpa do TC, mas o confisco “sem condenações ou mesmo com processos arquivados”, como disseram, seria o confisco administrativo de bens privados. Re

Feira do Livro - COIMBRA

Imagem
 Amanhã no local indicado lá estarei. Desconto de 20% durante a feira.

A Pátria e o futebol

Imagem
 Da série: Assim vai este país…

A opinião do constitucionalista Vital Moreira

  Praça da República (82): O Ministério Público fora da lei Publicado por  Vital Moreira 1.   Mais um vez, o Ministério Público vazou para a imprensa "amiga"  escutas telefónicas colhidas em processo em segredo de justiça , desta vez com a agravante de se tratar de conversas obviamente sem nenhuma relevância penal - entre o ex-PM, António Costa, e o ex-Ministro das Infraestruturas, João Galamba, sobre questões de Governo - e que, portanto, não deveriam sequer ter sido guardadas. Trata-se de mais um caso de manifesta intrumentalização da investigação penal para efeitos políticos, em que o Ministério Público se tornou useiro e vezeiro. Sem nenhuma explicação pública da PGR, como era devida, foi noticiada a  abertura de um inquérito interno à "fuga" das escutas . Mas, como é evidente, mesmo que tal inquérito viesse a dar em alguma coisa - hipótese altamente improvável, dados os antecedentes -,  a deliberada interferência do MP na vida política está mais uma vez consuma

Ministério Público visto de dentro

Imagem
  Um artigo obrigatório.
  Um Papa com D imensão Humana e H um anitária Texto de Onofre Varela O Papa Francisco I, enquanto figura pública, religiosa e política, é o monarca do Estado da Cidade do Vaticano – uma Monarquia Absoluta Electiva Teocrática –, entidade territorial murada que se encontra dentro da cidade de Roma. Com uma população estimada em cerca de mil habitantes, existe desde 1929 e é o estado mais pequeno do mundo. Enquanto chefes de uma associação de crentes, os Papas assumem uma atitude endeusada, talvez imbuídos da pretensão de serem os “representantes de Deus na Terra”, e tempos houve em que exerciam a Ditadura Eclesiástica exigindo ser adorados por todos, representando a entidade máxima da Europa católica, coroando reis que lhes obedeciam religiosamente. A História conta-nos muitas malfeitorias protagonizadas por Papas que tinham comportamento social deplorável. Houve papas que sodomizavam criados, possuíam con

O Ministério Público e a democracia – Quem nos acode?!

O País assiste entre a surpresa e a indignação ao rápido e inexorável definhamento da democracia sob a pertinaz e eficiente ação do Ministério Público. A demissão de um primeiro-ministro perpetrada pela PGR na presidência da República, numa reunião a pedido do PR, foi da exclusiva responsabilidade dos respetivos titulares. As suspeitas graves sobre o PM teriam de ser muito fortes para se destruir a estabilidade governativa e lançar o País numa aventura de consequências imprevisíveis, mas desde o dia 7 de novembro de 2023, sete meses depois, não foram tiradas ilações pelos autores. Mesmo depois de desautorizado pelo Tribunal da Relação, o Ministério Público persiste em manter sem arquivamento o processo contra o ex-PM numa arbitrariedade de quem se sabe impune. A PGR não dá explicações e mantem-se no cargo. É o abuso do poder em todo o seu esplendor, um candidato a um lugar de topo na União Europeia refém do Ministério Público do seu país! Na ditadura era a Pide que vigiava advers

14.º aniversário da morte de José Saramago (atualizado)

Imagem
Há catorze anos faleceu o Nobel do nosso contentamento, em Tias, nas Ilhas Canárias, onde o levou o azedume a Cavaco Silva, dando relevo a quem não o merecia, e aos 87 anos o aguardou a morte, com o desvelo de Pilar del Rio, o seu último e intenso amor. Foi o início da viagem às origens, o regresso a Azinhaga, onde o esperavam os avós que sempre estremeceu e a oliveira onde lhe depositaram as cinzas. 2010 foi o Ano da Morte de José Saramago, o escritor que deu à língua Portuguesa o Nobel da Literatura e deixou   obra ímpar e multifacetada. De Camões e Gil Vicente, passando por Vieira e Aquilino, Saramago destacou-se na plêiade de escritores portugueses e mostrou que a liberdade conquistada com o 25 de Abril trouxe consigo o espírito criativo e a genialidade que conservou até à morte. A língua deve-lhe a riqueza da imaginação e da sabedoria, e os portugueses o orgulho de o terem como referência estética e cultural, esquecidos da mediocridade de um Governo em que figuras menores, S

Escrito há 1 ano - A tralha cavaquista ganhou

Imagem
 «PSD – A rudeza das palavras e os juízos de valor Lamento combater os partidos cujo pensamento não é sequer muito divergente do meu, especialmente o PSD. Quem vê a democracia representativa como grande conquista civilizacional, não atribui o monopólio da verdade ou a fonte de todos os males a um único partido, mas há razões para a acrimónia, a suspeição e o combate. Nunca fiz a Rui Rio, apesar de se ter conformado com a presença do partido fascista no Governo dos Açores, a ofensa de o considerar igual a Passos Coelho ou de pensar que todos os militantes do PSD se reveem em Relvas, Cavaco e Marco António, mas quando o País carece do PSD, encontra-o no lado errado, naquele que a ditadura infetou. O PSD teve líderes respeitáveis até à chegada de Cavaco Silva, o primeiro salazarista a interromper a sequência de democratas, Sá Carneiro, Emídio Guerreiro, Sousa Franco, Meneres Pimentel, Pinto Balsemão, Rodrigues dos Santos, Mota Pinto e Rui Machete Fracassaram, após Cavaco, Fernando Nogueir

Ancoradouro - À venda da Feira do Livro

Imagem
 Em qualquer livraria.

Eleições europeias

O PS tem razões para sorrir com os resultados depois da conjura urdida pelo PR e PGR, mas a esquerda no seu conjunto tem de refletir na derrota que vem da Europa onde sopram de novo os ventos que há um século impeliram o nazi/fascismo. A esquerda portuguesa teve uma derrota pois todos os partidos de esquerda perderam um deputado cada, tendo o BE e o PCP ficado à beira de perderem a representação no Parlamento Europeu. Quem subiu em Portugal foi a extrema-direita, como na Europa, onde o partido fascista elegeu pela primeira vez dois deputados e o partido liberal, mais extremista que os seus homólogos europeus, outros dois. A direita, no seu conjunto, subiu 4 (3 da esquerda e 1 do PAN, partido de nebulosos contornos políticos). A estrondosa derrota do partido fascista português humilhou o pequeno Führer Ventura e travou-lhe o ímpeto, teve 2 em vez dos 9 deputados que ambicionava, mas foi a IL a beneficiar e o PSD a atenuar a derrota. Há o risco de a social-democracia ser arredada

AD – #montenegronaomarcelonunca

Talvez seja a convalescença da ministra da Saúde, após enigmático acidente, que levou o governo a substituir a titular da pasta pelo ministro Leitão Amaro nas justificações à destruição em curso do SNS. A AD está a fazer a Ana Paula Martins o que fez ao Gonçaloda Câmara Pereira . 

XXIV Governo Constitucional – #montenegronaomarcelonunca

A herança dos XXI, XXII e XXIII Governos corre perigo. O equilíbrio orçamental está a ser delapidado por este governo em permanente campanha eleitoral. Montenegro, convencido de que o governo não caía, agarrou-se aos impostos, às lutas sindicais que o PR estimulou e à Saúde para debilitar um governo com os melhores indicadores económicos e financeiros dos últimos anos, as melhores contas públicas, os melhores números relativos ao emprego e com excelente imagem do PM na Europa. A atabalhoada conspiração urdida no gabinete do PR com a PGR conseguiu através de um parágrafo pôr em causa a honra do PM e levá-lo à demissão. A seguir, foi o PR que, ansioso por entregar o poder e as verbas do PRR ao seu partido, impediu o PS, com maioria absoluta, de indicar novo PM. O eleitorado vingou-se, e deu cerca de 20% dos votos a dois partidos extremistas, os neoliberais e os neofascistas. Estamos a assistir ao desespero de um primeiro-ministro que espera ser derrubado para voltar com o apoio d