Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2019

As próximas eleições e o voto

Imagem
Seria uma enorme ingenuidade e falta de respeito pelos leitores imaginar que as minhas posições políticas pudessem influenciar quem quer que fosse a definir o partido em que há de votar no próximo dia 6 de outubro.

Não sou independente, ninguém é independente, e tenho convicções profundas. Sou um social-democrata de longa data e só se surpreenderá quem não me leia habitualmente ou julgue as ideologias partidárias pelas denominações dos partidos, registados no Tribunal Constitucional.

Há mais de sessenta anos, tinha então 14, que a política me atraiu. Escrevi uma carta de apoio a Arlindo Vicente, entusiasmado pelo manifesto da sua candidatura que os jornais publicaram. A profissão de advogado e os termos do manifesto pesaram no adolescente antissalazarista que não conhecia outras alternativas além do partido único e da eventual mudança para um sistema pluripartidário que sabia haver, para lá dos Pirenéus.

Desde então nunca mais a política deixou de me interessar como instrumento neces…

Agradecimento aos partidos

Imagem
Agradeço ao PS, BE, PCP e PEV a viabilização da legislatura auspiciosa deste governo, pelo que fizeram por Portugal e pelos portugueses, e, sobretudo, pelo que evitaram e de quem nos livraram.

O meu muito obrigado.

DÍVIDA PÚBLICA: um denso nevoeiro que ensombra as eleições legislativas 2019...

Imagem
Apresentados pelos partidos do ‘arco parlamentar’ - na realidade uma situação não coincidente com o ‘arco do poder’ que tantos estragos fez à democracia - os respetivos programas eleitorais [link; link; link; link; linklink], verificamos que, só algumas formações políticas dissecam de algum modo (superficial ou aprofundadamente) um problema central e condição necessária para o desenvolvimento nacional e bem estar social que é a questão da denominada dívida pública (soberana). Não vamos reproduzir os argumentos programáticos pasmados nos diferentes programas partidários que vão desde a olímpica ignorância, ao leve enunciado, até à mais abrupta ‘resolução’. Vamos, antes, colocar o problema como deve ser entendido e com as repercussões que indubitavelmente tem, isto é, trata-se de uma peça fundamental em questões de futuro para o desenvolvimento do País. ‘Libertar a sociedade’ (CDS), ‘Agora Portugal’ (PSD), ‘Portugal Melhor’ (PS), ´Avançar é Preciso’ (PCP) ou ‘Fazer Acontecer’ (BE), …

O Papo-Seco (Crónica)

Há, na vida dos países e na pacatez das pequenas povoações, figuras que são referências afetivas de uma época. O tempo encarrega-se de as esquecer como se não fosse rica a sua existência e estimulante o seu exemplo.

Em meados do século passado havia em Almeida um sapateiro estimado por todos, um homem sempre disponível para fazer um favor, e capaz de usar os sapatos de um cliente antes de lhe deitar as meias solas, para os devolver quando calhasse, ou de descalçar os seus para alguém que deles precisasse.

Os garotos guardavam-lhe a sapataria à espera do arco que restaria dos pneus gastos, de onde retirava os pedaços de borracha que ainda havia para o calçado que remendava. Às vezes queria o martelo para espetar os protetores e brochas, que aumentavam a duração das solas, e tinha de o pedir ao garoto que brincava com ele. Cada arco que sobrava fazia feliz um garoto, que percorria a vila a correr atrás da gancheta que o fazia rodar. Muito gostavam os garotos do Papo-Seco que um dia se a…

Não esqueçamos

Imagem
11 de setembro do ano de 1973
Há 46 anos a tragédia chegou ao Chile.

Antero de Quental

Imagem
No aniversário da sua morte (11 de setembro de 1891) tenho o hábito de o recordar o escritor, prosador e poeta,  grande vulto do movimento da Geração de 70 e o maior intelectual do século XIX, em Portugal

O seu pensamento é património e herança assumidos por muitos de nós. Na sua conferência do Casino sintetizou as «Causas da Decadência dos Povos Peninsulares», causas do atraso que ainda se mantêm.

Reler Antero é uma viagem à memória e um regresso à pedagogia cívica que exerceu.

Amar e ser amado

Imagem
Sabem lá os trogloditas o que é amar, o que é a sedução mútua que explode entre iguais, o barco que navega o mar, sem que a quilha magoe as águas que se abrem para o banhar e acariciar!

Ah, se soubessem o que é o amor, se sonhassem que só desperta para o sortilégio quem é livre, que amar implica entrega em igualdade, não haveria casamentos forçados, amor que se faz sem ser amado, afetos que se reprimem onde sobram caprichos de um profeta devasso e mandam mais os preconceitos do que os sentidos.

EUA e a meteorologia – o furacão Trump e o PR Dorian ou vice-versa

Trump, um mentiroso compulsivo, anunciou num ‘tweet’, sem qualquer prova, que o estado do Alabama iria ser “atingido com mais força do que previamente tinha sido antecipado” pelo furacão Dorian.

O serviço de meteorologia de Birmingham, Alabama, na sequência de telefonemas de pessoas alarmadas com a ‘informação’ do PR, corrigiu-o logo, afirmando noutro tweet que o estado de Alabama “NÃO sofrerá qualquer impacto do furacão”.

Talvez por coincidência, a Administração Atmosférica e Oceânica Nacional dos EUA (NOAA) emitiu logo uma diretiva aos funcionários dos serviços meteorológicos obrigando-os a “usar apenas as previsões do National Hurricane Center se surgirem questões por causa de posts nas redes sociais que se tornaram notícia esta tarde”.

A informação, que recolhi ontem no Público (pág. 30), dá conta do clima de medo que se instalou nos meteorologistas, habituados ao rigor científico e surpresos por verem as suas previsões censuradas.

Estes cientistas são inocentes e insolentes. Igno…

A fé e as pernas

Imagem

O TGV e as campanhas eleitorais

Sinto raiva e desespero ao ver o meu país novamente «orgulhosamente só», privado do comboio de alta velocidade, situação que temo irreversível.

Quando eram fartos os fundos europeus e avultada a comparticipação reservada ao TGV foi Durão Barroso que, num ato de profunda demagogia e alarve populismo, afirmou na campanha eleitoral que não haveria TGV enquanto houvesse uma criança sem médico.

Durão Barroso foi o mais bem preparado primeiro-ministro do PSD e o mais culto, mas o mais cobarde e demagógico, com uma coluna vertebral supérflua, que pautou a vida e as funções pela ambição pessoal e servilismo aos poderosos, em Portugal e na Europa. A sua passagem pelo Governo, de onde fugiu a receber os trinta dinheiros da traição ao Iraque e à paz mundial, foi um desastre de que só ele colheu benefícios.

A conivência na invasão do Iraque é a nódoa que o infamou, mas a falta de coragem e o fracasso da sua política foram as piores heranças que deixou agravadas com o «menino guerreiro» a quem ent…

Recordar a Censura

Imagem

Curiosidades da natureza

Imagem

CDS - rábulas sobre impostos…

Imagem
A Direita tenta, à outrance, centrar a campanha eleitoral para as legislativas na questão dos impostos e da carga fiscal.
Já tinha sido assim há dias no debate entre Assunção Cristas e Catarina Martins e, ontem, voltamos à vaca fria no debate entre os líderes do CDS e PSD, onde esta questão originou um autêntico jogo do - ‘mata / esfola-se’.
Na prática – e estas questões fiscais são sempre apresentadas embrulhadas em intrincados conceitos tecnocráticos - o que está em causa é o tempo e o modo de como e quando usar a chamada ‘folga orçamental’. Na verdade, o que se observou foi um moderado crescimento da receita contrabalançado por muito discreto aumento da despesa. E daí nasce um saldo positivo. Sabemos que o Estado não se rege pelas mesmas regras da economia privada mas, de qualquer maneira, deveria debater-se a questão acerca da necessidade de criar um ‘pé-de-meia’, que nos livre do endividamento (público) progressivo.
Tudo, pode ser transformado numa questão de investimento. E aqu…

Adriano Moreira – cúmplice fascista reabilitado – 97.º aniversário

Imagem
Comemora hoje 97 anos e desejo-lhe longa vida, mas quero pronunciar-me sobre este académico ilustre, de passado pouco recomendável, antes de ser adulado no futuro, e elevado aos altares quando o seu deus for servido de o chamar à divina presença, ao contrário dos ateus que se limitam a morrer quando a vida se extingue.

É preciso fazê-lo, não porque o homem, lúcido e inteligente, não continue a escrever bem e a pensar mal durante mais tempo. Não desejo a antecipação das cerimónias fúnebres, do cortejo das carpideiras e dos elogios generalizados, como tem sucedido, com outros vultos pouco recomendáveis.

Convém fazê-lo agora, por dois motivos, porque posso antecipar-me ao ministro fascista na defunção e porque, como senti no passamento de J. H. Saraiva, não se pode dizer mal de um morto que ainda mal fede. Mesmo depois, esquecidos os crimes, acabam por ser pessoas de bem, com missas sazonais a sufragar a alma, essa benzina que desencarde o passado do pior defunto.

Adriano Moreira foi tam…

A bênção do Sr. Edir Macedo ao penitente Jair Bolsonaro

Imagem
A fé move montanhas, isto é, transporta para o mundo da irracionalidade o que ao da ciência é devido, e apoia bruxos, quiromantes, lançadores de búzios, praticantes de medicinas alternativas e outros ofícios correlativos, parasitas de várias e desvairadas crenças e movimentos anti-vacinas.

O pior acontece quando a fé se organiza em máfias para governarem o mundo, quando um bispo habituado a extorquir os crentes acaba a determinar a política de um país e a fazer governante um imbecil perverso.

Negócios da fé

Imagem
Viva a República!

Se alguém vir o Prof. Marcelo no Vaticano no dia 5 de Outubro, não é o PR de Portugal, é o crente que se ajoelha em humilhação pia, desejoso de salvar a alma à custa da honra.

É o Presidente da Junta da Fundação da Casa de Bragança que prefere salvar a alma do que respeitar a República.

O Acordo Ortográfico de 1990 (AO-90) e a incurável azia

Quem conhece a única grande alteração e uniformização da língua portuguesa, efetuada pela Reforma Ortográfica de 1911, não devia solidarizar.se com manifestações de raiva que a perda de algumas consoantes mudas e outras alterações tímidas provocaram numa sociedade avessa à mudança, independentemente da validade dos argumentos.

O misoneísmo, palavra cunhada pelo psicologista italiano César Lombroso, esse horror à novidade, está bem entranhado nos portugueses.

A Reforma Ortográfica de 1911, a primeira iniciativa de normalização e simplificação da escrita da língua portuguesa, foi profunda em Portugal, numa altura em que o Brasil facilmente a aceitou e as colónias não participavam.

Tenho enorme consideração por muitos dos que não toleram as pequenas alterações que o AO-90 introduziu, sobretudo quando se trata de cultores da língua, de prosa imaculada na sintaxe e na ortografia que mantêm, mas vejo neles a mesma exaltação de Fernando Pessoa e Teixeira de Pascoais cuja ortografia que estes…

Brexit

O infeliz resultado do referendo acabou por levar ao poder um mitómano culto, inteligente e narcisista capaz de tudo. 
Boris Johnson é vencedor da mais trágica derrota do velho império e obreiro da desintegração do país que resta, arrastando a UE.
Presos no labirinto de uma demagógica decisão referendária de um primeiro-ministro que preferiu a vitória nas eleições ao futuro do país, os deputados têm agora a responsabilidade histórica de uma decisão da qual ninguém sai bem.
O Reino Unido está a devorar-se e a devorar Boris Jonhson, enquanto a União Europeia pode seguir o mesmo destino.

Edir Macedo abençoa Bolsonaro

Imagem

A Pátria entrou em euforia com o presbítero que chega a cardeal

Imagem
Com boas notícias no campo económico, o desemprego a cair, o PIB a aguentar-se e a direita a desintegrar-se, a Pátria que foi a banhos regressa ao quotidiano ávida de boas notícias e anunciam-lhe que o Sr. José Tolentino Calaça de Mendonça vai ser cardeal.
Trump, Boris Johson, Bolsonaro, Duterte, Erdogan, Putin, Xi Jinping e Orbán deixaram de ser os perigos que nos amarguram os dias e causam insónias; as catástrofes naturais, cada vez mais frequentes e violentas, desaparecem das preocupações; o relançamento da corrida nuclear e a aceleração do aquecimento global, depois de Trump rasgar tratados que exigiam um módico de contenção, prosseguem perante a indiferença das futuras vítimas; alheamo-nos do futuro do Planeta enquanto não formos nós os evacuados dos incêndios, tufões e subida das águas do mar.
A meteórica carreira de um clérigo português, que em pouco mais de um ano passa de presbítero a príncipe da teocracia do Vaticano, põe o beatério em êxtase, o PR prenhe de felicidade, o P…

1 de setembro de 1939

Imagem
Há 80 anos, estava Hitler em sintonia com o padre Tiso, PR da Croácia, que sobreviveu ao suicídio do ideólogo, quando começou a carnificina de consumiria 50 a 70 milhões de pessoas na mais sangrenta guerra até então travada na Humanidade.

A invasão da Polónia, onde eram populares o antissemitismo e o nazismo, foi o começo da hecatombe que devastou o mundo na orgia nacionalista onde o racismo e a xenofobia foram detonadores, a religião cristã cúmplice e a demência dos ditadores nazifascistas os autores.

Não apaguemos a memória da guerra de 1939/45.

Para que não se repita.

ITÁLIA: golpe, contragolpe e encruzilhada europeia …

Imagem
Um ‘rebuliço neofascista’ varre o continente europeu. As recentes alterações  políticas ocorridas na Hungria, Polónia, Áustria onde a Extrema-Direita fascizante chegou ao poder, acrescidos de outras situações ameaçadoras que se desenham em múltiplos países europeus (França/Front National, Alemanha/AfD, Reino Unido/UKIP, Holanda/FVD, Finlândia/ Verdadeiros Finlandeses, Espanha/VOX, …) são verdadeiramente preocupantes para a sanidade e preservação de um ‘ambiente democrático’ europeu.
A Itália deve (pode) ser considerada (e tratada como) um caso à parte. Daí podem decorrer outros perigos já que se trata de um país especial, isto é, onde a Europa, no século XX, observou displicentemente a natividade do fascismo.

Na realidade, o fascismo é mais um dos produtos (tóxicos) da I Guerra Mundial (1914-18) que, na época, esteve na génese de violentas dissidências - que a participação neste belicoso, sanguinário e destrutivo conflito europeu do início do século XX - gerou nos movimentos ideológico…

Notas Soltas – agosto/2019

EUA/URSS – A denúncia do tratado de controlo de mísseis de médio alcance, assinado em 1987, em Washington, por Reagan e Gorbatchov, foi a escalada na rutura de acordos internacionais, a desvairada decisão que anulou o travão de uma guerra nuclear global.
Sindicalismo – Quando um dos sindicatos de camionistas recorreu a um advogado exibicionista de passado duvidoso, recordou-nos os sindicatos fascistas e o terrorismo sindical como instrumentos da ascensão da extrema-direita.
Guiné Equatorial – Não há interesses comerciais ou outros que justifiquem a pertença à CPLP, com Teodoro Obiang, ditador há 40 anos, a cometer gravíssimos atropelos aos direitos humanos e a ignorar os mais elementares princípios civilizacionais.
Brasil – Bolsonaro, fascista tropical ignorante, agride a memória de milhares de mortos, torturados, presos e perseguidos pela ditadura, mas é na destruição da Amazónia que se torna mais perigoso. A desgraça nacional tornou-se um perigo mundial.
Amazónia – A destruição da maior…