COIMBRA E A SAÚDE – Uma petição com êxito

A Petição Pública para REVERTER A FUSÃO E DEVOLVER A AUTONOMIA AO HOSPITAL DOS COVÕES foi aprovada, por unanimidade, pela Comissão Parlamentar de Saúde, que deu “total razão” aos peticionários.

Coimbra, a saúde e a AR estão de parabéns. Urge pressionar agora o Governo para que se concretize a reversão que teve no atual executivo camarário (PS/PCP) a permanente oposição à fusão que a Troika impôs, negociada entre Eduardo Catroga e Teixeira dos Santos, depois do chumbo do PEC IV, sem prejuízo de serviços cuja duplicação não se justificar.

O Governo de Passos Coelho não se poupou a esforços para desmantelar o CHC, e teve no Conselho de Administração do CHUC o instrumento do seu entusiasmo para ir além da Troika.

Se há uma acusação que não merece o atual edil, Manuel Machado, é a de responsável ou, sequer, cúmplice do atentado que representou a fusão e estrangulamento do Hospital dos Covões, muito menos, feita por apoiantes do ex-bastonário e atual professor da Fac. de Medicina de Coimbra.

Sempre se bateu, e continua a bater, pela reversão da medida lesiva que fez perder uma excelente escola médica que formou médicos distintos, que estão espalhados por todo o país, perante a animosidade dos catedráticos da Fac. de Medicina.

Aliás, seria interessante saber como se comportou em relação à fusão o ex-Bastonário e, agora, como docente, o Prof. Dr. Manuel Silva, candidato contra o PSD, de onde saiu há 4 anos, para regressar pela mão de Rui Rio a satisfazer a sua vocação autárquica.

Basta ler, no seu programa de 7 partidos, o destino que reserva ao Hospital dos Covões.

Dos 12 anos do Dr. Carlos Encarnação, coligação de 3 partidos, ficou-nos a substituição das placas toponímicas da Ponte Europa pelas de Rainha Santa. Se o líder dos 7 partidos ganhasse a Câmara teríamos a substituição do nome da Rua Ferreira Borges pelo de São João Paulo II ou Santo António. É por isso que em Coimbra o PSD não recorda o tempo de Carlos Encarnação à frente da edilidade.

A memória é curta, como se vê também pela tendência eleitoral da Figueira da Foz onde a taxa de ligação da água (grátis em Coimbra) passou a custar quase 100 € e o precioso líquido atinge preços exorbitantes depois da privação por Santana Lopes.

Importante é cumprir a decisão da Comissão Parlamentar de Saúde e obter do Plenário da AR a mesma unanimidade. Depois será já o OE-2022 a integrar os custos inerentes à decisão, antes da aprovação, não depois, quando os aumentos de despesa na vigência do OE aprovado são inconstitucionais.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime