Eleições autárquicas – algumas notas avulsas

As eleições autárquicas, em relação às anteriores, revelaram a derrapagem para a direita.

Apesar da irrelevância do PAN, CDS, IL e do partido fascista, o PSD iniciou uma recuperação significativa, que os órfãos de Cavaco e Passos Coelho abominaram. Rui Rio fez frente aos adversários internos e a sua morte política foi precocemente anunciada.

O PS perdeu câmaras e mandatos numa vitória à custa da erosão eleitoral do PCP que, à semelhança do que sucedeu na Europa, perde eleitorado a cada nova eleição, com grave prejuízo para o equilíbrio da democracia e em manifesta injustiça para a boa gestão e a qualidade dos autarcas derrotados.

O Bloco de Esquerda continua sem implantação autárquica e só cumpriu o objetivo de retirar a maioria ao PS, em Lisboa.

Santana Lopes, o Menino Guerreiro foi até a Figueira da Foz, para dar o último vagido, sem maioria absoluta, a ter o PS e PSD a controlar agora as dívidas que a megalómana gestão deixou na anterior passagem ao Eng. Duarte Silva, que pagaria os desvarios.

Na minha opinião, só o PSD de Rui Rio teve uma vitória, mérito das baixas expetativas e do espaço mediático onde nunca apareceram autarcas do PCP nem comentadores que lhe fossem afetos. Nem na noite eleitoral apareceu um só comentador da sua área.

Nas Regiões Autónomas a demagogia e o caciquismo agravaram-se enquanto mantêm faraónicas máquinas político-administrativas.

Como notas que deviam envergonhar, fica a sondagem da RTP/U. Católica, a dar uma disputa da maioria absoluta por Moedas, em Lisboa, o que embalou José Rodrigues dos Santos para o habitual desvario de regozijo histriónico e reacionário, com a sondagem e o jornalista a ficarem impunes e a obrigarem os ouvintes a mudar de canal.

Finalmente, o PR venceu as eleições em Lisboa e perdeu-as em Marco de Canavezes, aqui disputadas por uma conselheira da PR. Ficou com maior margem de manobra para abrir caminho à direita e deixar a Marques Mendes as tarefas incómodas, que foi prestar às autarquias referidas, e o seu comentário semanal.     

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime