Santa Comba Dão - Um fascista à solta (2)


Por

E - Pá

Devemos ser claros e firmes.

Santa Comba Dão não tem nada para se “orgulhar” de Oliveira Salazar.
Nasceu aí, teve um percurso de vida que feriu, prejudicou, lesou, diminuiu, muitos portugueses, nossos concidadãos e concluiu o seu ciclo de vida em Lisboa, ao que se afirma, em fantasioso ambiente onírico e alucinado.

Mas, Oliveira Salazar não só causou danos a portugueses de modo avulso.
Em termos de política geral foi desastroso. Cerceou as liberdades fundamentais, perseguiu sanguinariamente os seus adversários, instituiu a censura, condicionou a vida dos cidadãos, destruiu fundadas esperanças e legítimas ambições, reduziu a Cultura a deturpados conceitos identitários, etc.

Prejudicou, gravemente, o País, promovendo a estagnação – quando não brutais retrocessos em relação à I República – e, baseado em princípios ditatoriais e obsoletos, atirou-nos para a exclusão do convívio das nações. Conseguiu forjar o nosso total isolamento internacional. Com isso, perdemos todas as oportunidades de desenvolvimento, para não falar de modernização.

Foi uma personagem daninha, nociva à Pátria que, em vão, e por tudo e por nada, invocava. Cometeu, ou instigou, crimes de natureza humanitária, como a guerra colonial, conseguindo com essa política – negacionista da história do pós-II Guerra Mundial que promoveu a descolonização – estropiar e matar milhares de jovens, absolutamente indispensáveis ao futuro do País.

E mais haveria para nomear.

O edil da Santa Comba Dão é, um estropiado da vivência democrática, um desfigurador da nossa história contemporânea e, para além disso, um recalcitrante provocador.

A intervenção do Poder Central é indispensável. O que se prepara é uma autêntica tropelia que só pode provocar um enorme bulício.
Quando se perde a noção de que com um gesto insano e ingrato se pode envergonhar os portugueses, deveria levar, também, à perda de mandato, por falta de cultura democrática e um tremendo despudor pelas liberdades conquistadas em 25 de Abril de 74.

Esta é a forma mais escarnecedora e abusiva de exibir um intolerável caciquismo e servir-se dos mais abjectos preconceitos para pacificar e revisitar uma Direita retrógrada, insolente, arrogante e despeitada.

Não pode haver tolerância para despautérios desta natureza, com esta dimensão e encerrando no seu âmago um significado tão perverso.

Comentários

Anónimo disse…
Não há nenhum papel deste tipo escrito por Cerejeira?
André Pereira disse…
O PSD e o CDS, designadamente as Direcções nacionais, são cúmplices de tudo o que se está a passar. O PSD de MFL e seus companheiros não pode assobiar para o lado! P. Portas tem que clarificar o seu pensamento. Basta de tanta hipocrisia!

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo