O regresso das religiões e o retrocesso democrático

Paulo VI, João XXIII e João Paulo I, que o Senhor logo foi servido de chamar à sua divina presença, foram papas que se esforçaram por fazer esquecer as cumplicidades de Pio XII com o fascismo e que pareciam conduzir a Igreja católica para a modernidade. O concílio Vaticano II, pela primeira vez na história do catolicismo, admitiu a liberdade religiosa embora sabendo que todas as outras religiões eram falsas.

João Paulo II e Bento XVI, em linha com o fundamentalismo muçulmano entraram num caminho de retrocesso, num proselitismo exacerbado e no regresso à ingerência política nos países onde julgam maioritária a sua Igreja.

O secularismo e a laicidade pareciam garantir que o poder das Igrejas não voltaria a crucificar a liberdade. Talvez por isso, as revoltas nos países muçulmanos foram vistas pela Europa como auroras da liberdade quando já havia sinais de que podiam ser o seu crepúsculo.

A civilização árabe fracassou e conduziu à miséria e ao atraso civilizacional os países onde o Corão é ensinado nas madraças e recitado nas mesquitas. O Islão é o ópio que seduz as populações submetidas aos governos corruptos onde a caridade se exerce por intermédio da religião. São centenas de milhões de vítimas da fé.

Na Tunísia, em Marrocos e no Egipto surge agora uma onda de fanatismo que despreza os mártires que lutaram pela liberdade e derrubaram as ditaduras e já reclama a chária, a recordar-nos que das eleições livres municipais de 1990 até as legislativas de 1991 a Frente Islâmica de Salvação tinha o apoio generalizado dos argelinos para impor uma teocracia que os militares impediram com mais uma ditadura laica.

A Líbia e o Iémen são dois países onde as eleições livres, quando as puderem realizar, se limitarão a mudar de ditador  e a transformar países sem quaisquer direitos em países onde quaisquer direitos serão impedidos pelo Islão.

A Arábia Saudita e o Irão são para os países oprimidos o modelo de opressão desejado. Quem nunca conheceu a democracia só sonha com ditaduras alternativas e o poder tribal e teocrático parece fascinar quem entrou na espiral da miséria e da violência.

A Turquia, contrariamente ao que pensam os optimistas, está a sofrer um processo lento e eficaz de re-islamização ao mesmo tempo que o protestantismo evangélico avança nos EUA, os governos dos países cristãos ortodoxos tomam posse em nome da Santíssima Trindade e o Vaticano negoceia Concordatas e interfere nos países onde se infiltrou.

Os sionistas e os fundamentalistas simétricos, do Hamas e do Hezbolá, não dão tréguas. Forçoso é concluir que Deus podia ter sido uma ideia interessante mas acabou por ser um insuportável pesadelo com milhões de crentes.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Carlos P. P. disse…
Permita-me que lhe diga que são, na actualidade, cerca de 800 milhões de pessoas que professam o islamismo. Islão africano (120 milhões); árabe (135 milhões); balcânico (55 milhões); irano-indiano (270 milhões); malaio (180 milhões); turco (48 milhões); e diversificado [América, Australia, Europa] (22 milhões). Dados no prefácio à 1ra edição do Alcorão (Publicações europa-américa) do professor Suleiman Valy Mamede (Professor do Conselho Directivo no centro Português de Estudo Islâmicos).
Henrique Pontes:

Agradeço a chamada de atenção para o erro enorme que cometi.

Há números diferentes segundo as fontes. No artigo que escrevi, como habitualmente à mão, tinha referido o número «1.300 milhões» a que,por lapso,cortei o «1.».

Reiterando os meus agradecimentos e,dada a divergência de números, vou alterar para «centenas de milhões».

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime