Ainda os abusos sexuais exercidos por religiosos

 Por

ONOFRE VARELA

Já aqui divulguei que o jornal espanhol El País tem um departamento que se dedica a investigar casos de pedofilia protagonizados por sacerdotes, ou outros profissionais, em estabelecimentos de ensino administrados pela Igreja Católica. Tal departamento recebe depoimentos de ex-alunos (que dizem terem sido abusados sexualmente enquanto crianças ou jovens) e depois investiga.

(Bem sei que o abuso sexual não é exclusivo de agentes religiosos da fé católica com, ou sem, responsabilidades no ensino. Mas, dado o conceito de “amor” tão difundido pela Igreja, bastaria um único caso de crime sexual dentro da sua organização, para que o seu propalado amor fosse considerado uma farsa a merecer crítica severa).

Na sua edição de 24 de Julho último, o El País conta haver uma investigação criminal à instituição religiosa católica designada por Maristas, sediada em León. A investigação chegou a 20 colégios em todo o território espanhol e abarca casos de pedofilia cometidos entre as décadas de 1950 e 1990. Só na Galiza contam-se denúncias de 13 religiosos, e nas investigações já encetadas em 16 centros contam-se 18 vítimas. Em León há cinco acusados num só colégio.

As investigações espalham-se por instituições situadas em Madrid, Barcelona, Valência, Granada, Bilbao, Erandio (Biscaia), Artzeniega (Álava), Pamplona, Toledo, Badajoz, Málaga, Múrcia e Elche. Os abusos são relatados como sendo cometidos em salas de aula vazias e em dormitórios, por treinadores de basquetebol, pelo enfermeiro e pelo próprio tutor… todos eles professores com fama reconhecida.

A seu tempo houve várias denúncias de pais e alunos que não serviram de nada. Hoje, os queixosos são antigos alunos com idades que ultrapassam os 70 anos, contando-se entre eles profissionais como professores, médicos e empresários, que guardaram segredo por toda a vida, não revelando os abusos de que foram vítimas, nem às suas famílias nem às autoridades. A maioria dos sacerdotes acusados pelos ex-alunos mais idosos, já faleceram.

Nos últimos anos foram acusados 36 Maristas, maioritariamente em colégios catalães, onde a ordem religiosa chegou a acordo com a Justiça e as vítimas, pagando indemnizações no valor de 400.000€ a 25 famílias.

Os actuais responsáveis pela instituição Marista pedem perdão a todas as vítimas por terem falhado, reconhecendo que não foram capazes de proteger e cuidar dos seus alunos como era sua obrigação.

 (O autor não obedece ao último Acordo Ortográfico)

Comentários

Jaime Santos disse…
A pergunta que fica é onde estão os abusos perpetrados em Portugal? Ou magicamente os sacerdotes, professores, treinadores, etc, etc, que trabalham ou trabalharam em instituições religiosas estão todos protegidos da tentação por uma qualquer capa de santidade que se desvanece ao passarmos a fronteira em Vilar Formoso ou no Caia?

Uma coisa é certa, quando os abusos que ocorreram na Irlanda foram denunciados, o poder da ICAR nesse País foi decapitado... Os anti-clericais portugueses deveriam estar a fazer mais nesta frente.

Afinal, é o direito pelo menos à verdade que assiste às vítimas que ainda estão vivas...
Manuel Galvão disse…
O Jaime, aqui em Portugal isso já foi largamente investigado e chegou-se à conclusáo que, por cá, só havia pedófilos num partido político. Refiro-me ao Processo Casa Pia...
Jaime Santos disse…
Manuel Galvão, tem toda a razão, por cá a pedofilia parece que só toca a políticos e a apresentadores de televisão...

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime