Como foi o último regime talibã? Conheça as 29 proibições impostas às mulheres

Por MultiNews em 08:15, 20 Ago 2021

«A lista, reportada pelo jornal espanhol ABC, tem por base as restrições impostas entre 1996 e 2001, quando os talibãs estiveram no poder pela última vez e poderá, por isso, sofrer algumas alterações para agora:

1 – O trabalho feminino é proibido fora de casa. Somente algumas médicas e enfermeiras podem trabalhar em determinados hospitais de Cabul para atender mulheres e meninas;

2 – As mulheres estão proibidas de sair de casa para realizar qualquer atividade se não estiverem acompanhadas por um homem de parentesco próximo, como o pai, irmão ou marido (mahram);

3 – As mulheres também não podem fechar negócio com comerciantes do sexo masculino;

4 – As mulheres não podem ser vistas por médicos homens. Tendo em conta que existem poucos profissionais de saúde do sexo feminino, os cuidados de saúde são muito precários, dando origem a doenças graves e, até, morte;

5 – As mulheres não podem estudar em escolas, universidades ou qualquer outra instituição de ensino;

6 – As mulheres não podem mostrar qualquer parte do seu corpo em público, pelo que estão obrigadas a usar um véu comprido que cobre também o rosto (burca);

7 – Todas as mulheres que não se vistam de acordo com as regras estabelecidas pelos talibãs ou que saiam de casa sem a companhia de um homem da família serão açoitadas, espancadas e agredidas verbalmente;

8 – As mulheres que mostrem os seus tornozelos serão açoitadas em público;

9 – As mulheres acusadas de ter relações sexuais fora do casamento serão apedrejadas;

10 – É proibida a utilização de produtos cosméticos. Entre 1996 e 2001, algumas mulheres viram mesmo os seus dedos serem amputados por usarem verniz;

11 – As mulheres estão proibidas de falar ou dar a mão a homens que não sejam o seu mahram;

12 – Ninguém pode ouvir a voz da mulher, pelo que também não podem rir em público;

13 – As mulheres também estão proibidas de calçar sapatos de salto alto, uma vez que isso faria com que se ouvissem os seus passos – e os homens não podem ouvir uma mulher a caminhar;

14 – As mulheres não podem andar de táxi sem estarem na companhia do seu mahram;

15 – As mulheres não podem aparecer na rádio, televisão ou reuniões públicas de qualquer natureza;

16 – As mulheres também não podem praticar desporto ou assistir a qualquer tipo de competição;

17 – As mulheres estão proibidas de andar de bicicleta ou mota;

18 – É proibida a utilização de roupas de cores vistosas, uma vez que podem ser consideradas sexualmente atrativas;

19 – As mulheres não se podem reunir em festas;

20 – As mulheres não podem lavar a roupa em rios ou praças públicas;

21 – Nenhuma praça, rua ou avenida pode ter a palavra “mulher” no seu nome. Durante o anterior regime talibã, o Jardim das Mulheres, em Cabul, passou a chamar-se Jardim da Primavera, por exemplo;

22 – As mulheres também não podem ir à varanda ou terraço das suas casas. Não devem ser vistas;

23 – Também é obrigatório que as janelas sejam opacas para garantir que nenhum estranho veja as mulheres;

24 – Os alfaiates não podem tirar as medidas a mulheres nem fazer roupas femininas;

25 – As mulheres não podem usar as casas de banho públicas;

26 – Há autocarros para homens e autocarros para mulheres;

27 – As mulheres estão proibidas de usar calças largas, mesmo quando não se veem debaixo da burca;

28 – Ninguém pode fotografar ou filmar mulheres;

29 – É proibido também publicar imagens de mulheres em revistas ou livros. Também não se pode ter imagens de mulheres em lojas, por exemplo;

Há ainda restrições que dizem respeito tanto às mulheres como aos homens: nenhuma pessoa pode ouvir música, ver filmes, televisão ou qualquer outro vídeo. Também é obrigatório que todos os cidadãos tenham um nome islâmico.»

Apostila – É a esta horda fascista, educada nas mais insalubres páginas do Corão e nas sargetas dos Ahadith que alguns defendem? Não o façam aqui, neste mural, para evitar vómitos aso leitores.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime