A Maçonaria, o Opus Dei e a obrigatoriedade de magistrados e políticos denunciarem a sua pertença

Como se previa, a lei aprovada e hoje promulgada pelo PR, não torna obrigatório que os seus membros o declarem. Não havia outra forma de contornar a inconstitucionalidade. É, pois, uma lei inútil, destinada a lançar o labéu da infâmia sobre os maçons.

Há uma perversa vocação inquisitorial em marcha, uma avidez da devassa pessoal que a CRP não acolhe, e serve a luta partidária. Esta lei resultou da luta interna do PSD, onde se quis atingir destacados adversários de Rui Rio, esquecendo o que o PSD deve ao ex-presidente Emídio Guerreiro, o corajoso maçon que combateu o fascismo em Portugal e, de armas na mão, em Espanha e França.

Tenho por uma das organizações grande estima e antipatia por outra, mas não confundo os membros com as organizações, e ambas se encontram legitimadas pelo ordenamento jurídico do Estado de Direito democrático que nos rege.

Há cidadãos honrados e delinquentes em ambas, mas é a perseguição à maçonaria, essa obsessão salazarista contra a Maçonaria, impulsionadora da Revolução de 1820, do 31 de Janeiro e do 5 de Outubro, que regressa. Até a associação do livre-pensamento ao dogmatismo católico não é inocente. É o regresso manso ao fascismo sob o pretexto da transparência. Na ditadura os maçons foram presos e a Obra recebida em apoteose.

Conheci e fui amigo do primeiro supranumerário do Opus Dei em Portugal, um amigo e conterrâneo da minha mãe, Miuzela do Coa, o excelso e honrado cidadão aliciado pela Obra, que viu no cientista de dimensão internacional a intensa devoção religiosa que o levaria a preferir o cilício ao matrimónio. Foi o cientista António Pinto Peixoto que tem no Campo Grande, em Lisboa, enorme e merecida estátua, não pelas missas, orações e jejuns, pelo gabarito científico do catedrático do IST, notável meteorologista.

Reconheço em Mota Amaral, outro supranumerário da Obra, o democrata de longa data e insigne político que ocupou o 2.º lugar do Estado, presidente da AR.

Já o P.e OD, Hugo de Azevedo, que este ano festejou o 50.º aniversário do ordenamento sacerdotal, merece a execração pelo reacionarismo e ódio à democracia que bolçou no Jornal de Notícias. Um destes dias publicarei aqui a minha contundente carta que o JN acolheu, talvez farto do colaborador troglodita.

Sobre o Opus Dei, vou exumar textos da NET, do extinto blogue Diário Ateísta, para divulgar aqui, mas hoje era apenas a lei promulgada que desejava comentar.


Comentários

Manuel Galvão disse…
O que levará um cidadão democrata a inscrever-se numa sociedade secreta ?
O que levará um conjunto de cidadãos democratas a constituírem uma sociedade secreta ?

Não me parece que sejam motivações altruístas que estão por trás da adesão a sociedades secretas.

Desde sempre as sociedades de pedreiros livres defenderam os interesses desses pedreiros da prepotência dos monarcas e da nobreza em geral. Os maçons de hoje tendem a unir-se para defender seus interesses da prepotência do Poder Democrático, dizem. São pedras na engrenagem das institições democráticas.

As sociedades secretas não devem ser proibidas, porque em democracia existe liberdade de associação e de reunião, mas os seus membros deviam ser severamente punidos quando participam em conspirações que sobvertem a ordem democrática.

Mesmo quando se trata de coisas simples. Por exemplo usar a influência de irmão da loja para alterar uma promoção da função pública. É o pão nosso de cada dia...
egr disse…
Mas no PSD , hoje em dia, alguém sabe quem foi Emídio Guerreiro ? ou , até José Augusto Seabra ? eles só vão até Cavaco Silva seu " progenitor " do qual , aliás , como filhos ingratos , se tentam livrar .

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime