O carpinteiro José e a pomba – Crónica ímpia

Naquele tempo, em Nazaré, aparava tábuas um carpinteiro, com delongas, que a crise da construção civil perdurava. A cidade regurgitava de taumaturgos, pregadores, profetas e mendigos, eram difíceis os tempos e urgia fazer pela vida.

José, na pacatez de quem se habituara a esperar pelas encomendas, ruminava o desgosto da miséria em que caíra o descendente que lhe diziam ser do rei Salomão, personalidade que ficava bem em todas as árvores genealógicas, mas não mitigava a fome.

Às vezes soía o carpinteiro abandonar as alfaias do ofício e entrar sorrateiramente em casa para solicitar à mulher o cumprimento das obrigações matrimoniais. Demovia-o ela por mor da enxaqueca que a apoquentava, da dor de dentes que lhe provocava a cárie do segundo molar ou do estado de impureza que invocava. E lá voltava o carpinteiro para o ócio da oficina que as encomendas tardavam, e era inútil a faina.

Quando um dia esperava a compreensão da mulher ouviu dela o anúncio da gravidez, o milagre que a própria não sabia explicar e ele aceitou mal, apesar da conversa que a esposa tivera com o anjo que distribuía o correio do Paraíso, de nome Gabriel, e que tanto anunciava a gravidez a uma virgem, mulher de um carpinteiro judeu, como ditaria em árabe, séculos depois, a vontade de Deus a um rude condutor de camelos.

José, na sua infindável resignação e melancolia, ensimesmado, refugiava-se na oficina, a pensar na vida. Um dia poisou-lhe nas tábuas por aparar uma pomba. Pegou na plaina e arremessou-lha com tal força e pontaria que a pomba, a sangrar do bico, logo se finou.

Acudiu o anjo Gabriel, enfurecido, a sacudir as asas e a levantar poeira, a avançar irado para o carpinteiro. Este, calmo e implacável, impediu o anjo de falar.

- Não te metas na minha vida, são contas velhas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …