Assunção Cristas, o sentido de Estado e a linguagem

A presidente do CDS, agremiação cujo desvio reacionário afastou o fundador, procura a permanência no cargo que aguarda Nuno Melo. Este é o mais genuíno herdeiro do rico património ideológico do tio, cónego Melo, cuja estátua de 7,5 metros domina Braga e a fidelidade a Salazar e ao MDLP resistiu à prova de bomba.

Assunção Cristas, acossada dentro do partido que espera o seu fracasso em Lisboa, onde até o PSD de Passos Coelho conseguirá derrotá-la, esbraceja para se manter à tona num clube condenado a ser a muleta de qualquer PSD.

Curioso é o carinho que a comunicação social lhe dispensa, não faltando a condenação ao primeiro-ministro a quem a senhora deputada, chama reiteradamente mentiroso, em plena Assembleia da República, por tê-la designado por “aquela senhora”, indelicadeza despercebida pela minha origem social e débil domínio do léxico urbano.

A excelsa senhora, que não vê na palavra “mentiroso” um insulto, também considerou a referência à sua virtuosa dignidade, num comício, “tom de linguagem menos próprio”.

Impróprio é liquidar o grupo económico GES/BES, num Conselho de Ministros virtual, a pedido de uma amiga pouco recomendável, por email, e sem conhecimento do dossiê. Impróprio foi pensar que a carreira académica e umas galochas conferem a competência necessária para sobraçar uma pasta onde a sua inépcia foi posta à prova.

O que urge perguntar aos portugueses, mesmo aos nostálgicos do Governo PSD/CDS, é se preferem Passos Coelho a António Costa, Cavaco a Marcelo, e Maria Luís a Mário Centeno.

Gostava se contar o número de eleitores assumidamente sadomasoquistas.

Comentários

e-pá! disse…
A dirigente do CDS deve quer ser tratada por 'Dona Assunção' já que está a ser a escalfeta (a aquecer o lugar) para o compadre Melo ...

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária