Dia Internacional dos Direitos da Criança

Os dias internacionais raramente superam a exploração comercial ou mediática de uma data.

O dia de hoje é diferente. É um duplo aniversário de alerta e de sensibilização para os direitos das crianças: proclamação da Declaração dos Direitos da Criança (20/11/1959) e adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança (1989), pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

Convidado pelo Agrupamento de Escolas de Miranda de Corvo tive o privilégio de estar à conversa com mais de 40 crianças do 3.º e 4.º anos de escolaridade. Não sei o que mais me surpreendeu, se a compostura e os conhecimentos das crianças de 8 a 10 anos, ou o dinamismo, dedicação e empatia das suas jovens professoras.

Em 1952 era eu que tinha a idade deles e em julho de 1971 dei as últimas aulas a alunos dessa idade. Os meus colegas da 4.ª classe eram “os filhos dos homens que nunca foram meninos”, para quem Soeiro Pereira Gomes escreveu «Esteiros», o livro que não leram.

Não sei a razão que levou Portugal a só ratificar a “Declaração dos Direitos da Criança”, em 21 de setembro de 1990, mas sei a razão por que são preteridos, em quase todo o mundo, os dez princípios proclamados.

No Dia Internacional dos Direitos da Criança é impossível esquecer crianças dizimadas pelo paludismo, despedaçadas por bombas, mortas por inanição, a encontrarem a morte nos desertos por onde fogem das guerras ou nas praias da Europa, agarradas ao cadáver das mães, onde procuravam sobreviver.

Que raio de mundo!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo