Religião e terrorismo

De forma metódica e recorrente, lobos solitários, envenenados por um manual terrorista que alegadamente o Arcanjo Gabriel ditou a um beduíno analfabeto e amoral, espalham a dor e o luto nos países civilizados.

Na cosmopolita cidade de Nova Iorque, perto do memorial do World Trade Center, um fascista islâmico conduziu uma carrinha contra quem andava numa ciclovia movimentada de Manhattan, assassinando oito pessoas e ferindo 11.

Nova Iorque tem tudo o que um fanático religioso detesta, embrutecido por um livro da Idade do Bronze. É uma cidade imensa onde a diversidade de costumes e culturas são o seu apanágio, o santuário das artes, da música e da tolerância que os beatos odeiam, um expoente da civilização que nos distingue da barbárie.

O terrorismo é hoje uma das maiores ameaças à civilização, a espada suspensa sobre as nossas liberdades e o húmus onde cresce a xenofobia e o ódio que alimenta os partidos de extrema-direita. É isso que esses trogloditas pretendem, no seu proselitismo insano, convictos de terem à espera rios de mel e as 72 virgens que de pouco lhes serviriam no estado em que habitualmente ficam.

Só é possível combater o terrorismo islâmico com apoio dos próprios muçulmanos, que são as suas principais vítimas, mas é urgente vigiar as mesquitas e madrassas, onde os clérigos demonizam a liberdade, e impedir os guetos onde o comunitarismo medra.

Há quem não queira ser atropelado, explodido e morto por terroristas que apostaram na destruição de uma civilização que o ocaso da sua os faz odiar. Temos de impedi-los.

Maldito seja Deus.

Comentários

Manuel Galvão disse…
Ficamos a saber que o inimigo de Nova Iorque, tanto pode atacar usando um simples carro utilitário, como usando a super-sofisticada tecnologia que permite implodir arranha-céus de 220 pisos...

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária