As eleições legislativas de 30 de janeiro

Senti-me desolado com o chumbo do OE-2022 e, sobretudo, perplexo com o voto do PCP na generalidade, sem azo a negociações em sede de especialidade, depois de ter sido o principal impulsionador do XXI Governo Constitucional, e de se lhe dever a estabilidade dos dois anos da atual legislatura, sofrendo danos eleitorais.

Não sei o que se passa dentro de nenhum partido, apesar de ser observador interessado e interveniente. Fiquei revoltado por saber que o chumbo não produziria um OE mais à esquerda, e que faria oscilar o eleitorado em sentido contrário.

Não censuro os partidos por rejeitarem um OE de que discordavam, mas lamento que o chumbo afastasse o eleitorado para a direita, o que se verá no próximo dia 30 de janeiro, sobretudo após a vitória de Rui Rio, no PSD, com uma imagem mais moderada do que a do truculento Paulo Rangel e a dos seus apoiantes, disfarçados ou declarados.

Tendo sido as decisões partidárias o que foram, só por ingenuidade ou cinismo se pode pensar que a próxima legislatura repetirá a conciliação de vontades que conduziram aos Governos de António Costa. Relevante é segurar, entre as esquerdas, o clima de diálogo que permita aos partidos à esquerda do PS participar em decisões governativas, e ao PS não ficar refém dos partidos de direita ou da sua ala neoliberal.

Neste momento, todos os partidos, à esquerda e à direita, estão condenados a ir isolados a votos, em pandemia, por entre ruído das corporações, agitação social e mobilização de toda a parafernália mediática ao serviço da direita.

Acenar com a necessidade de viragem à esquerda do PS não é só uma impossibilidade, é um convite à alienação de parte substancial do eleitorado, sobretudo agora, que Rui Rio retirou o medo do regresso da tralha cavaquista e do controlo do PSD por Belém, desejo que Marcelo ainda tentará realizar por interposto Moedas até 2026.

Quem acredita que os partidos que derrubaram este Governo apoiariam o OE recusado, que está na origem das eleições e da fragilidade do futuro governo que o maior partido da oposição evitará até lhe ser útil provocar eleições?

Por maior perplexidade e revolta que me tenha causado o chumbo do OE pelo PCP, um partido confiável, é natural que a coerência e a coesão tenham ditado a decisão.

Difícil de compreender é a sanha de Catarina Martins (BE) contra o PS e a insistência paradoxal na convergência, depois de dois anos de entusiástica hostilidade. Continuar a afirmar que “Se a maioria absoluta é o plano A do PS, o plano B parece ser um bloco central, formal ou informal (...)” e que “para se manter no poder, António Costa estará disponível a sentar-se à mesa [com o PSD]”, é indicar o inevitável, procurar à direita a governabilidade que lhe nega. A tática enreda-a na incoerência.

O PS é ingrato se não agradecer a Catarina Martins a sugestão e a desculpa para buscar alternativas, a menos que o BE prefira um governo de direita. Quanto à indiferença pela sustentabilidade orçamental, com exigências desmedidas, o BE merece discordância.

As próximas eleições provocarão um sismo eleitoral, com o avanço do partido fascista e enfraquecimento das esquerdas. Os resultados obrigarão à autocrítica dos partidos que chumbaram o Orçamento, independentemente das razões.


Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Monteiro disse…
Hoje 2/12/2021 o Primeiro-Ministro aumentou o Salário Mínimo para 4,07€/Hora. Na Alemanha foi aumentado para 12,5€/Hora. A quem é que interessa viver neste país?
Monteiro:

Compare-o com o de Marrocos, que está mais perto.
Jaime Santos disse…
Monteiro, a mim interessa-me e muito e embora eu não ganhe o salário mínimo, pode crer que ganharia muito mais a fazer o que faço na Alemanha.

A pobreza relativa do nosso País tem muito a ver com atrasos seculares bem documentados pelo Carlos Esperança e que demoram muito a recuperar.

Agora, eles não se recuperam certamente com voluntarismos e aumentos do salário mínimo decretados só porque são justos. Se as empresas fossem obrigadas ao exercício que o PCP lhes queria infligir, presumo que a seguir às inevitáveis falências, os comunistas exigiriam o aumento do subsídio aos desempregados que daí resultariam.

Com que dinheiro? Sabe, imprimir moeda gera inflação...
Monteiro disse…
Jaime Santos, o Evangelho segundo Saramago é muito explícito: Quem não sabe dividir não sabe somar.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime