O Vaticano é um offshore da democracia e da decência


Ao melancólico estertor do papa de turno juntam-se as conspirações e lutas pelo poder num espetáculo deprimente para o Vaticano, Estado que os interesses económicos ainda perpetuam.

Segundo revelações recentes da imprensa italiana, o Banco do Vaticano – Instituto para as Obras da Religião (IOR) – parece mais uma lavandaria do que uma instituição de crédito. Terão passado por lá, para lavagem de dinheiro e fuga aos impostos, contas secretas de políticos, empresários e chefes mafiosos, quiçá, alguns com dupla qualidade.

A experiência milenar da Cúria Romana há de encontrar uma forma de limitar os danos e, sobretudo, de não perder dinheiro, assunto bem mais importante do que as bênçãos, indulgências e destino das almas. De qualquer modo, a última teocracia europeia sofre a erosão de sucessivos escândalos a que não consegue pôr cobro. A demissão abruta do presidente do IOR, Ettore Tedeschi, em 24 de maio, e os documentos descobertos pela polícia na sua casa, puseram em tal pânico as sotainas que foi tornado público que o Vaticano exige confidencialidade nos documentos que provam o mar de lama em que se converteu o negócio bancário divino.

Ainda não foi esquecida a responsabilidade do arcebispo Marcinkus nas fraudes comuns ao IOR e ao Banco Ambrosiano nem a proteção de João Paulo II que não autorizou a sua extradição para Itália, estranha conivência que diz mais sobre as virtudes papais do que a cura da doença de Parkinson a uma freira, milagre obrado em estado de defunção.

Se a este colossal escândalo público do bairro de 44 hectares, onde os escândalos são segredos de confessionário, acrescentarmos a força do Opus Dei e o namoro com a seita ultrarreacionária Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX), cuja excomunhão já foi levantada, temos uma instituição pia sem ética, sem vergonha e sem respeito. A rica e poderosa congregação dos Legionários de Cristo falhou a canonização do seu fundador, depois de lhe terem escondido inumeráveis crimes de pedofilia, quando – horror dos horrores –, descobriram que tinha deixado descendência, mas é um esteio do Vaticano.

A Igreja católica está em acentuado declínio, não por ser pior do que as outras religiões, mas por ser um enclave entre democracias, onde o escrutínio da opinião pública não se detém com as ameaças das perpétuas penas do Inferno.

Assim pudesse ser escrutinado o fascismo islâmico onde os constrangimentos sociais, as madraças, as mesquitas e o Corão fanatizam os crentes e ameaçam a paz mundial.

Comentários

Mario Neiva disse…
O José Maria (S.José)aquele da Opus, deixou descendência? Essa não conhecia.
Não, prezado Mário Neiva. Quem deixou descendência e, por isso, falhou a canonização, foi o padre Maciel, fundador e autoridade máxima dos Legionários de Cristo.
Mario Neiva disse…
Obrigado pela informação, Carlos Encarnação. Mas olhe que não ficaria muito admirado se fosse verdade.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975