Memórias da ditadura

Basta uma geração para outra se esquecer de onde veio e menosprezar aonde chegou.

Poucos saberão hoje que os funcionários públicos não tinham, em 1961, data em que comecei a dar aulas, como professor do ensino primário, nem assistência médica nem medicamentosa.

Em 1962, com 19 anos, tive necessidade de uma consulta urgente e valeu-me ser menor de idade, a maioridade atingia-se aos 21 anos, e o meu pai ser sócio de uma instituição particular, Montepio Egitaniense, que lhe dava direito a consultas gratuitas para mulher e filhos. Escusado será dizer que os medicamentos receitados foram integralmente pagos por mim ou pelo meu pai.

Porque os homens eram poucos, apesar de lhes ser vedada a docência em escolas mistas e femininas, efetivavam-se no segundo ano de trabalho, praticamente onde quisessem, mas as colegas passavam longos anos ou a vida toda como professoras agregadas, sem lhes ser contado o tempo de serviço e sem ordenado, de 14 de julho de cada ano a 1 de outubro, 2 meses e 27 dias, situação a que se sujeitavam para não saírem da localidade onde tinham a família.

Para lá de vencimentos miseráveis, o que me levou a abandonar a docência, ainda se era vigiado nas companhias, nas leituras e na correspondência, como prova uma inofensiva carta de 25 de novembro de 1963, data do carimbo de correio, dirigida ao diretor do jornal República, Carvalhão Duarte.

Seria hoje crível que um delegado escolar, função para que fui nomeado em novembro de 1963, tendo sido exonerada a professora que exercia essa função, porque “uma mulher é que não”, tivesse a ousadia de proibir, às professoras, regentes e auxiliares de limpeza, saias curtas, decotes pronunciados e mangas curtas?

Pois era o que fazia o Albininho, colega que conheci, presidente da Câmara e delegado escolar de Óbidos. Não admira, pois, que uma professora só pudesse casar, depois de autorizada pelo ministro, com quem tivesse rendimentos superiores aos dela e gozasse de boa reputação e comportamento.

Enfim, se deixasse a memória exumar todos os esqueletos do fascismo faltar-me-iam dias, meses e anos para descrever o que era o país concentracionário da ditadura nos tempos em que fui jovem.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?