Coronel Varela Gomes

A morte do coronel Varela Gomes

Com a sua morte, aos 93 anos, desaparece uma figura cimeira da luta contra a ditadura fascista.

Principal responsável da fracassada revolta de Beja, onde foi gravemente baleado, foi um influente militar no processo revolucionário que se seguiu à Revolução de Abril.

Recordar o revolucionário e a sua entrega à luta contra o fascismo, primeiro, e, depois, à Revolução, é homenagear sem sectarismo todos os que se empenham na defesa de um ideal e são coerentes com as causas que defendem.

Não posso deixar de evocar a sua mulher, Maria Eugénia, que todas as semanas parava na Lourinhã, onde tive o privilégio da sua convivência e estima, antes de seguir com o advogado Joaquim Catanho de Meneses a caminho de Peniche em cujo forte estava preso o marido.

É com enorme mágoa que assisto ao desaparecimento do coronel Varela Gomes, um homem de grande cultura, enorme coragem e excecional coerência.

Comentários

Conheci o carrasco que desferiu os dois tiros de pistola no abdómen do então capitão Varela Gomes, o também capitão Calapez, depois tenente-coronel, quando ele, num dos seus serões na Messe de Oficiais do Regimento de Infantaria Nº3, de Beja, Regimento onde eu prestei serviço, contou, com grande desfaçatez e com uma grande naturalidade, o covarde acto criminoso, mas refugiando-se sempre, para aliviar a culpa, no ardiloso argumento de ter cumprido o seu dever de militar, ao mesmo tempo que ressalvava ter tido o cuidado de não causar a morte imediata ao seu camarada de armas e de curso.
não foram dois tiros, foram seis....
e-pá! disse…
O enorme respeito e a infindável gratidão que alimento pelos bravos homens e as determinadas mulheres que corporizaram, em Portugal, a resistência antifascista, mostra-nos, neste triste momento, que o coronel Varela Gomes, não conseguindo libertar-se da lei da morte e fisicamente nos abandona, deixa no ar um profundo sentimento de orfandade.
Uma certeza: o exemplo permanece. Todos lhe devíamos muito (mesmo os que não sabem, os que fingem não saber ou aqueles que vão aproveitar o momento para o caluniar).

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo