O mimetismo islâmico

A violência do mais implacável monoteísmo, agravada pela agonia da civilização árabe, parece contaminar o protestantismo evangélico e, num desafio ao Papa mais tolerante e humanista depois de João XXIII, o próprio catolicismo romano de Francisco.

Em El Salvador, Teodora Vásquez, condenada a 30 anos de prisão, por aborto, foi solta, depois de 10 anos e 6 meses de prisão, graças à comutação da pena, por enorme pressão de ONG, ativistas de todo o mundo e sucessivas críticas da ONU, porque “a prova científica não permite determinar nenhuma ação voluntária que conduzisse à morte da criatura em gestação”. A simples suspeita de ter sido deliberado o aborto desta mulher, agora com 34 anos, foi suficiente para uma pena de 30 anos de prisão.

El Salvador tem um clero reacionário, cúmplice do poder, que se opõe à IVG com violência e o aborto mantém-se proibido em todas as situações e sujeito a duras penas que nem o risco de vida da mãe, as malformações fetais ou a violação atenuam.

Na Polónia, a tentativa de criminalizar de novo a IVG acompanha limitações drásticas dos direitos humanos, com o regime a resvalar para um autoritarismo onde o Governo submete o poder judicial ao seu controlo, sem lhe faltar o apoio da hierarquia católica.

Nas Filipinas, onde a demência da fé exige sacrifícios humanos que levam devotos a crucificar-se, na Páscoa, perante a complacência da hierarquia católica, foi eleito como PR Rodrigo Duterte um assassino popular, por incitar à execução sumária de prováveis drogados, traficantes e contrabandistas.

Não tardou que a Igreja católica se juntasse às manifestações contra a droga, o tráfico e o contrabando, em apoio do biltre, acrescentando a luta contra o aborto.

Este atentado contra as mulheres, em coerência com a doutrina habitual, atinge já uma violência que rivaliza com o Islão político numa postura de intimidação e cruzada digna da Idade Média. A Espanha, aqui ao lado, já tentou reverter a legislação atual da IVG.

O insano apelo do cardeal Clemente à abstinência sexual aos cônjuges recasados foi só ridículo, mas o Dr. Gentil Martins, ex-bastonário da OM e cirurgião pediátrico, exaltado católico, estarreceu o País, ao lamentar na TV, há anos, que as ecografias e a legalização da IVG impedissem o treino de cirurgiões, para separar gémeos siameses pela ausência do seu nascimento em Portugal, após a separação com êxito de dois irmãos africanos que lhe foram enviados e cujas sequelas futuras eram imprevisíveis.

Não há avanços civilizacionais definitivos, nem democracias eternas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

Notas sobre a crise venezuelana…