PSD – A rudeza das palavras e os juízos de valor

Às vezes lamento ter de combater partidos onde tenho amigos cujo pensamento não é sequer antagónico do meu, especialmente o PSD.

Quem vê a democracia representativa como grande conquista civilizacional, não pode atribuir o monopólio da verdade ou a fonte de todos os males a nenhum partido, mas há razões para a acrimónia, a suspeição e o combate.

Não faço a Rui Rio a ofensa de o considerar igual a Passos Coelho ou de pensar que os militantes se reveem todos em Relvas, Cavaco e Marco António, mas quando Portugal precisa do PSD, encontra-o no lado errado, daquele que a ditadura infetou.

Na criação do SNS o PSD votou contra, com o satélite CDS, agora em vias de extinção; na primeira tentativa de descriminalizar a IVG nos casos de malformação fetal, risco de vida para a mãe e violação, com 4 honrosas exceções, votou contra; no planeamento familiar e defesa da saúde reprodutiva da mulher, apesar da coragem e do valioso contributo de Paulo Mendo e Albino Aroso, o PSD esteve quase sempre contra; na invasão do Iraque, o silêncio ou a cumplicidade foram a imagem do apoio ao crime; na censura à candidatura de ‘O Evangelho segundo Jesus Cristo’, livro de Saramago a um prémio literário, o cavaquismo foi o herdeiro dos coronéis e padres da Censura, através de Sousa Lara; no ataque às datas emblemáticas do país que somos, 1.º de Dezembro e 5 de Outubro, Passos Coelho e Cavaco, por incultura ou maldade, ou ambas, extinguiram os feriados.

Sem remorso nem vergonha, quando o PS constituiu Governo com apoio do BE, PCP e PEV, de Belém vinham urros de raiva para serem ouvidos na UE e fazerem aumentar os juros da dívida, sem falar do ora catedrático, afogueado pela fúria e a impotência. Valeu a Portugal o desprezo a que a Europa os votou, acostumada à leveza ética e fragilidade política dos protagonistas.

Neste momento a direita civilizada está com Rui Rio e a outra, a desavergonhada, está já, com armas e bagagens, no redil que aguardava.
 
Afinal, raramente pudemos contar com o PSD. E, no futuro? Resta saber se Rio resiste ou se os sobejos cavaquistas voltam à ribalta.

Comentários

Jaime Santos disse…
O problema para a Direita é que é muito duvidoso que esta ganhe no futuro próximo uma eleição se radicalizar o discurso. As pessoas lembram-se do além-da-troika de Passos e Portas. Portugal ainda não é o Brasil, onde o ódio ao PT fez com que toda a Direita decidisse pôr um dedo no nariz e votar no alarve em vez de votar no democrata.

Mais, à medida que os populistas vão mostrando a cepa de que são feitos e vão enfiando os Países a que presidem em becos sem saída, mais difícil será, espera-se, que entre nós o eleitorado alinhe no canto da sereia.

Aqueles que agora apoiam Ventura são os mesmos que sempre pensaram como Ventura, muito embora votassem mais ao Centro, mas por falta de alternativa à Direita, por falta de um 'líder forte' que dissesse em voz alta o que eles pensam em silêncio.

São ressabiados do fim do Império, ultra-liberais que esperam ganhar dinheiro com o desmantelamento do Estado prometido por quem escreveu o programa do Chega! (Ventura parece que o desconhecia :-) ), fascistas e neo-nazis, e evangélicos que, com a habitual hipocrisia dos credos ultra-conservadores americanos, não se importam de votar em aldrabões que sacrificam no altar de Mamon desde que isso lhes garanta algum Poder...

Isso é mau porque deixa o PS como único Partido-Charneira de todo o sistema. Quando cair do Poder de podre, como sempre acontece, qual será então a alternativa? Curiosamente, entre nós, o pós-troika e a Geringonça trouxeram a crise da Direita Democrática e não do Centro-Esquerda (ou pelo menos não ainda)...
Jaime Santos:

Habituei-me a ver a volubilidade do eleitorado e, estando de acordo com a sua reflexão, não estou certo de que a direita radical não possa ser hegemónica a curto prazo. Veja o caso de Espanha onde o PP e o VOX já parecem partidos irmãos.
Jaime Santos disse…
Carlos, eu também estou tudo menos certo. Diria no entanto que a Direita fascista em Espanha sempre existiu dentro do PP. Agora está mais solta, saiu do armário. As coisas não são assim no PSD, eram um pouco assim no CDS (essas pessoas agora já não precisam deste Partido para nada).

Mas pode uma Direita radical tomar conta do PSD e chegar ao poder num processo de alternância de poder, porque os eleitores do centro se cansam do PS? Pode, só que de certo modo, isso já aconteceu em 2011 e as pessoas não guardam disso boas memórias...

Passos e Portas eram democratas e não alarves, mas que eram extremistas no plano económico, lá isso eram...

Mensagens populares deste blogue

António Costa e a popularidade

Vasco Graça Moura