A Liberdade passou ontem pela sua casa, a Assembleia da República

Ontem a Liberdade passou por S. Bento no esplendor do pluralismo democrático, no afã da luta partidária, no discurso do PR, imaculado na forma e exemplar no conteúdo, na confirmação eloquente de que há direita democrática.

A Liberdade esteve presente com os capitães de Abril da A25A, com todos os partidos a utilizarem a cerimónia para a luta partidária, quiçá esquecidos do que devem a Abril, mais interessados nas eleições que hão de vir do que no combate ao regime que o MFA derrubou há 47 anos.

O melhor discurso foi o do PR, mas todos foram convincentes na diversidade que passa pela representação parlamentar do espetro ideológico do povo português.

Até na ausência deliberada de um salazarista que ali estaria por direito próprio se sentiu o odor da Liberdade e a consagração de Abril.

Dos comunistas aos fascistas todos disseram ao que foram na casa da Liberdade, todos disseram como eram, mesmo os que odeiam a democracia, execram o pluralismo ou têm saudades da ditadura.

Houve quem levasse um cravo branco, metáfora do partido de marca branca, em vias de extinção, símbolo do partido que se afastou do ideário democrático dos seus fundadores, nostálgico de um salazarismo serôdio, a hesitar entre a democracia e a ditadura.

Houve quem exibisse um cravo negro de quem representa hoje o luto e a nostalgia pela ditadura fascista. Estava ali, no ódio, a diferença e a superioridade moral da democracia que concede aos inimigos o direito à existência, na condescendência com a demagogia e na aceitação do espetáculo circense que deleita os média e corrói a democracia.

Urge fazer de cada dia que vier a denúncia do regime que Abril derrubou e a defesa da democracia.

Comentários

João Andarilho disse…
Bem escrito e o retrato fiel da nossa deficiente democracia. Sempre vigilantes, cumpramos o espírito de Abril. Cumpramos o Abril por cumprir...
Jaime Santos disse…
Abril cumpriu-se na medida em que nos legou uma democracia imperfeita, mas longe de ser deficiente. Só os regimes totalitários almejam à perfeição. As democracias sabem que o pluralismo político que vigora a cada momento impede que todos estejam contentes.

Para países felizes, temos o Nepal e a Coreia do Norte.

Na verdade, em regimes como o nosso o povo não é soberano, a Lei é que é soberana, porque a soberania nunca é exercida pelo povo no seu conjunto, mas sim pela maioria de turno. E essa maioria está submetida ela própria à Lei, que a obriga ao respeito pelas minorias.

E cabe lembrar que não falamos de meras abstrações e sim de um regime que com todas as suas imperfeições, nos doou um serviço nacional de saúde de qualidade, uma população escolarizada, uma taxa de mortalidade infantil que nos coloca entre os países mais avançados do mundo, uma comunidade científica capaz...

E isso não negando que a estrutura produtiva continua deficiente, que os salários são baixos e que a formação dos trabalhadores ainda deixa a desejar. E, claro, que as elites políticas e económicas, sobretudo estas últimas, são de fraca qualidade.

As utopias coletivistas do sec. XX faliram todas, ou transformaram-se em regimes capitalistas oligárquicos, enquanto a nossa democracia viceja. Viva o 25 de Abril!
João Andarilho e Jaime Santos

Obrigado pelos excelentes comentários.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?