O primeiro 1.º de Maio em Lisboa – Viva o 1.º de Maio

No 1.º de Maio, há 48 anos, estive ali. Fui um entre a maior multidão que alguma vez me envolveu. Foi o primeiro 1.º de Maio da minha vida, em liberdade, com a exaltante moldura de 1 milhão de portugueses a tornar-me seguro e feliz.

Jamais esquecerei aquele dia mágico, a degustar a liberdade e o sabor da democracia, a recordação que há de acompanhar-me até ao dia derradeiro e em cada ano evocarei.

O MFA foi a força motora do entusiasmo, a inspiração de todos os sonhos, a referência emblemática para todas as transformações, o algoz da ditadura e arauto da democracia. Foi a festa da liberdade numa jornada de emoções fortes e solidariedade.

O feriado do 1.º de Maio, em Portugal, renasceu ali, tardio, exuberante, no rescaldo da ditadura fascista, com abril fresco de cravos e maio florido de sonhos, nos discursos de sindicalistas, seguidos dos de Francisco Pereira de Moura, Nuno Teotónio Pereira, Mário Soares e Álvaro Cunhal.

Em Lisboa, fomos mais, muitos mais do que os 500 mil que em 1886, em Chicago, deram origem e significado à data que nesse dia voltou a festejar-se em Portugal, nesse estádio, com 1 milhão de pessoas vibrantes de felicidade e prenhes de sonhos.

A memória desse dia é o bálsamo de um dia radioso, único e irrepetível, que perfuma a vida de quem o viveu.

Viva o 1.º de Maio!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial