O obscurantismo e a fraude ao serviço da fé


«Após mais um ano de tratamentos de fertilidade, uma jovem mulher, de Lisboa, ouviu da médica a certeza de que nunca poderia ter filhos. No dia do funeral da vidente de Fátima, 15 de fevereiro de 2005, rezou e pediu-lhe fervorosamente ajuda. Em maio, três meses depois, soube que estava grávida.»

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

A desmemória e a dissimulação