Cimeira do G7 – 2017

A falta de compromisso de Trump com o Acordo de Paris, para a redução de emissões de dióxido de carbono, foi o pequeno passo para agradar aos poluidores que o elegeram e uma enorme deceção para quem se preocupa com o futuro da Humanidade.

No país dos melhores cientistas e dos piores trogloditas, foram os últimos que elegeram o presidente de todos, como se a arte da política fosse a competência de um empreiteiro. Trump não é um estadista, é o homem de negócios que exonerou a ética do quotidiano e a solidariedade das suas preocupações.

Rejubilam os poluidores, que ganharam o direito a deixar sem futuro os netos; exulta o complexo industrial e militar, que escoa mais depressa as armas obsoletas; excita-se o Tea-Party, que assalta o aparelho de Estado e obtém a maioria dos juízes do Supremo; enfim, é a euforia entre os fundamentalistas do protestantismo evangélico, os partidários da pena de morte e os belicistas do Pentágono, quer creiam ou não que o mundo foi uma criação divina de uma semana infeliz e o homem um produto de Jeová para matar o ócio numa olaria imunda.

Pode faltar oxigénio, água, ozono, alimentos e meios de subsistência à próxima geração, mas não abrandará a acumulação de capital em cada vez menor número de pessoas, nem a aceleração frenética do Apocalipse.

Não há impérios perpétuos, mas algum será o último e, provavelmente, o que sucumbirá com resto do mundo.

Na reunião do G7 Trump forçou os parceiros a sublinhar que os países têm direito a fechar as suas fronteiras, mas não há muros que contenham o desespero e a torrente de deserdados para quem a vida, deles e dos outros, deixará de ter valor e de fazer sentido.

Comentários

soprosdeovil disse…
Um país que ainda convive com um dos maiores exemplos de arrogância conhecidos, praticado pelo seu governo - a ” captura” de Deus, seja lá o que for, para logo o enclausurar no que, um dia, foi classificado como a maior porcaria que existe à face da terra, o dinheiro - ( veja-se verso da nota de banco de um dólar americano e leia-se a frase “ IN GOD WE TRUST), não pode deixar de entender que tudo lhe é permitido. Até substituir-se àquele cuja omnipotência pretende. Nem os judeus, o povo eleito? a tanto se atreveram…!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975