Trump descobre que há outros países além do EUA

Trump disse ao ministro russo, Sergei Lavrov, que o ex-diretor, James Comey, do FBI, era “maluco” e que o seu despedimento aliviava a "grande pressão" que sentia sobre si pela investigação às alegadas ligações a Moscovo. Foi pior a emenda do que o soneto e o empreiteiro arrisca-se a ver caducado o contrato de arrendamento da Sala Oval.

Entretanto, essa referência ética e exemplo de estadista faz a sua primeira viagem fora dos EUA, começando pela Arábia Saudita, onde foi assinar um contrato de vendas de armas de 110 mil milhões de dólares com o rei Salman bin Abdulaziz.

O vetusto monarca disse que a visita do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, "tornará realidade a segurança e a estabilidade global". O casal Trump foi recebido com um aperto de mão pelo rei Salman, de 81 anos, apoiado numa bengala e levado até aos degraus do avião num carrinho de golfe.

A conversa entre os dois empreiteiros deixará o mundo mais tranquilo. As armas nas mãos dos dois interlocutores são uma garantia para a paz como o demonstram as amplas liberdades da Arábia Saudita.

A aliança entre o rei Salman bin Abdulaziz e Donald Trump é uma garantia de paz.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita