Um juiz da Relação

Um juiz que ignora a língua e gosta de protagonismo

«…nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário'». (dos jornais, novembro de 2013)

Não interessa escarafunchar o passado deste cidadão que, depois de ter sido referido em acórdão da Relação, por «erros grosseiros» num processo, acabou com a classificação profissional máxima.

Está em causa julgar o que não lhe compete, impor o que não pode e comportar-se como não deve, acrescido de alguma ignorância e de maior prepotência para com as entidades que escrevem segundo o Acordo Ortográfico onde, como se vê pela amostra, é inculto.

Dos três exemplos que exibiu, manifestou a mais cabal ignorância em dois deles e, no outro, tomou por predicado o que só podia ser sujeito. Deixando, pois o substantivo «atas» ou «actas», como tem o direito de escrever e não de impor, o zeloso guardião parece desconhecer que os factos continuam «factos», só para o contrariar, a menos que goste de os alterar para ter razão, e os cágados só cheiram mal se gorem grafados como julga, isto é, na sua escrita, onde julga grave uma palavra esdrúxula ou proparoxítona.

Umas aulas de português não fariam mal ao filólogo apressado que ninguém contrataria para dar explicações de português embora tivesse a arrogância de ensinar que na «língua portuguesa» o substantivo e o adjetivo se escrevem com letra maiúscula, como o fez no infeliz despacho.»

Apostila – Lembrei-me deste texto, escrito em 11 de novembro de 2013, por ter visto o nome do referido juiz na atribuição de um processo no Tribunal da Relação onde está colocado. A ignorância idiomática não o impediu de juntar ao honrado título de juiz o de «Venerando Desembargador».

Comentários

Mark Johansson disse…
Olá. Meu nome é Lucy Carveth-Johnson. Sou de Groningen, mas me mudei para Londres com meu marido. Fiquei ferido e com o coração partido quando um grande problema surgiu há sete meses no meu casamento, entre eu e meu marido. tão horrível que ele levou o caso ao divórcio perante o tribunal. Ele disse que nunca mais queria ficar comigo de novo e não me ama mais. Que ele desempacotou a casa e deixou eu e meus filhos com muita dor. Eu tentei todas as minhas chances de recuperá-lo depois de muitos pedidos, mas tudo era inútil e ele confirmou que havia tomado sua decisão e que nunca mais queria me ver. Então, uma noite, quando voltei do trabalho, encontrei um velho amigo meu que me perguntou sobre meu marido. Então eu expliquei tudo a ele, que ele me disse que a única maneira de recuperar meu marido é visitar um feitiço chamado Drosagiede, porque realmente funcionava para ele também. Que eu nunca acreditei em ortografia, mas não tive escolha a não ser seguir seus conselhos. Então ele me deu o endereço de e-mail doctorosagiede75@gmail.com da ortografia que ele visitou. Na manhã seguinte, enviei um e-mail para o endereço que ele me deu e os requisitos de ortografia garantiram que eu recuperasse meu marido nos dois dias. Que explicação fantástica !! Eu nunca pensei que ele estava falando comigo e me disse tudo para fazer. Na manhã seguinte, surpreendentemente, meu marido, que não me ligou nos últimos sete meses, me chamou para anunciar que voltaria. Que maravilhoso !! Foi assim que ele voltou no mesmo dia, com muito amor e prazer, e pediu desculpas pelo erro e pela dor que causou a mim e aos nossos filhos. Desde aquele dia, nosso relacionamento ficou mais forte agora do que antes, com a ajuda de drosagiede. Que eu consultarei você aqui se você tiver problemas para contatá-lo, eu lhe garanto 100% de que ele irá ajudá-lo. Você também pode ligar para ele ou adicioná-lo. O que é app: +2349014523836 ou viber em +2349014523836 um muito obrigado a Dr.osagiede ..!

Mensagens populares deste blogue

Associação Ateísta Portuguesa (AAP) - RTP-1