Meia Idade

Comentários

Rui Cascao disse…
não obrigatoriamente meia idade... já começa a ser praticado a partir dos 35... com efeitos terríveis. Começa-se a colocar muito em causa o diagnóstico PSA em homens mais novos, e as consequências terríveis que a assimetria do consentimento informado mal prestado pode ter. Ainda há muito a desenvolver em Portugal no que respeita à emancipação dos pacientes e dos seus direitos.
Rui Cascao disse…
Mas o E-pá que é médico, e o André Pereira que é o especialista em consentimento informado que nos informem mais e melhor sobre este tópico.
e-pá! disse…
Caro Rui Cascão:

Não sou especialista em Urologia mas acho pertinentes as questões que coloca...

Apesar de tudo continua a ser minha convicção que existe uma janela de rastreio entre os 50 e os 70 anos, embora o 'rastreio' (aleatório e universal), em relação ao carcinoma da próstata, seja controverso ou até desaconselhado.
Penso ser verdade que esse 'rastreio' não deve assentar exclusivamente na quantificação do marcador PSA por 2 ordens de razões:
- Os falsos positivos que motivam 'sobre-diagnósticos' e, consequentemente, à possível instituição de terapêuticas intempestivas, todas com efeitos colaterais importantes;
- Os falsos negativos que, por sua vez, induzem perante sintomas atitudes (clínicas e pessoais) 'contemporizadoras', eventualmente, 'laxistas'...

Aqui, o importante - como de resto em toda a actividade médica - é a clínica. E os exames complementares (marcadores serológicos, ecográficos e biópsicos) devem vir a reboque da semiologia. Interessa, em meu entender, substituir rastreios sistemáticos e universais por uma cuidadosa vigilância clínica e individual. E será fundamental divulgar nesse eventual (estatístico!)'grupo etário de risco' (dos 50 aos 70 anos) os sintomas mais frequentes de 'disfunção prostática'. Isto é, entramos mais uma vez no campo da 'educação sanitária', ou 'educação para a saúde', único caminho que poderá levar à emancipação dos doentes. Logo a seguir, vem a consolidação e a acessibilidade aos cuidados de saúde primários.
O grande problema é, pelo facto de se desconhecer a etiologia desta doença, ser impossível de definir previamente e com rigor (científico) 'grupos de risco'. Para além da história familiar pouco mais existe que seja consensual...

Tem, contudo, razão quando afirma que começa a surgir uma casuística significativa em idades mais jovens o que determinou, em alguns países, um alargamento da 'janela de vigilância' (este é o termo mais adequado), i. e. dos 40 aos 70 anos... No entanto, não 'desceria' para os 35 anos...
é pá é serra ossos e comuna?

ou só da luar como a sabel do carmo

endocrinologista doutrinária

casuística significativa

toma hormonas femininas quisso passa

semiologia de seminais pessoas

querem ver qués neurologista no santa maria do galvão...
e de resto hipertrofia prostática num invasiva et en capsulada prevalece sobre os nomas

pelo menos em ratos em padres e em médicos e noutros mamíferos roedores

já em gaijas só nas halterofilistas da RDA....
tenho um puto salvosseja que qwer ir para serra ossos bocacional a ordem bai pôre exames pra manter a corporação sexagenária ou bai suicidar-se bia prostética?

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?