Henrique Galvão – No 48.º aniversário da morte de um inimigo de estimação de Salazar


O 48.º aniversário da morte de alguém, por muito ilustre que seja, não é data adequada à celebração de uma efeméride, mas é um excelente pretexto para evocar episódios da luta contra a ditadura salazarista.

Henrique Galvão, ainda cadete, participou em dezembro de 1917 na revolta que levou Sidónio Pais ao poder, aderiu ao golpe de 28 de maio e foi um salazarista. Excelente organizador, foi administrador do concelho de Montemor-o-Novo, inspetor da administração colonial, governador de Huila, Comissário Geral da Exposição Colonial Portuguesa (Porto, 1934), deputado, diretor da Emissora Nacional, responsável pela secção colonial da Exposição do Mundo Português (1940).

Escritor, com vasta obra publicada, estava destinado a ser um dos vultos do salazarismo, mas porque, como disse, “Ninguém conhece melhor o amo que o seu criado de quarto”, opôs-se ao ditador no início da década de 50, tornando-se um inimigo audacioso e protagonista de alguns dos mais espetaculares e mediáticos golpes contra o regime.

Apoiante da candidatura oposicionista de Quintão Meireles, autor de um relatório onde denunciava haver escravatura nas Colónias Portuguesas, viria a ser demitido e preso na sequência da participação numa intentona contra a ditadura.

Foi sob intensa vigilância da Pide que protagonizou a fuga espetacular do Hospital de Santa Maria, onde se encontrava internado, ido do Forte de Peniche, a cumprir a pena de 18 anos de prisão a que fora condenado, e se refugiou na embaixada Argentina, de onde seguiu para a Venezuela, em cujo exílio terá preparado o assalto ao Santa Maria.

Em 1961, sob os auspícios do Diretório Revolucionário Ibérico de Libertação (DRIL), galaico-português, com o lendário comandante Jorge Sottomayor, herói republicano da Guerra Civil espanhola, assaltou o paquete de luxo Santa Maria, que navegava para Maiami com 612 passageiros, muitos norte-americanos, e 350 tripulantes. Assumiu o comando do paquete, logo denominado de Santa Liberdade, com a imprensa mundial surpreendida com o audacioso e inédito assalto, até ter atracado no Brasil onde lhe foi concedido asilo político.

Mais tarde, coorganizou o desvio de um avião da TAP com Palma Inácio, outro herói da luta contra a ditadura, em que este lançou panfletos assinados por Henrique Galvão, do avião que vinha de Casablanca.

Nascido em 4 de fevereiro de 1895, Henrique Galvão morreria em S. Paulo, em 25 de junho de 1970, quatro anos antes de poder assistir à manhã gloriosa do 25 de Abril.

Porque a história da liberdade se construiu com muitos mártires, aqui fica hoje a breve recordação de um dos seus mais destacados atores a quem devo momentos de enorme felicidade pelas setas que disparou ao coração da ditadura.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo