Divagando sobre sindicalismo

A minha experiência, antes e depois do 25 de Abril, não me permite duvidar do carácter político dos sindicatos, inerente à sua ação, nem dos perigos para os trabalhadores se os seus dirigentes avaliam mal a correlação de forças ou o aventureirismo os (a)trai.

É o conhecimento das virtudes e dos perigos da natural politização que me leva a negar o direito de sindicalização a magistrados, membros dos órgãos de soberania, militares e, com dúvidas, a polícias. Voltarei a este assunto mais vezes, por dever cívico, na defesa da democracia que me serve de referência.

Hoje, é a demissão de Carlos Silva da liderança da UGT que me move. A sua demissão é irrelevante, pois não parece que fosse um sindicalista quem, segundo as suas palavras, devia o que era ao ex-banqueiro Ricardo Espírito Santo, a quem pediu aconselho (ou autorização?), antes de assumir a liderança da central.

O que me surpreende é que alegue como razão para a sua demissão, não a falta de apoio  do patrão, mas a do PS. É evidente que o PS deixou de ter uma política sindical, o que o prejudica, mas jamais poderia apoiar um líder que queria o apoio promíscuo de Ricardo Salgado e do líder do PS, de onde se infere que gostaria de outro líder no PS.

A desconfiança na UGT levou-me, sendo social-democrata, a ser filiado e ocupar cargos na CGTP, sem prejuízo da defesa do pluralismo sindical como apanágio da democracia. Só não percebo o que seja um sindicato independente. Independente de quê e de quem? Os sindicatos dependem dos trabalhadores e aproximam-se dos partidos, o que é natural e compreensível, sem que devam deixar-se instrumentalizar por eles.

Penso que a UGT faz falta, que o PS tem de fazer esforços para não perder os sindicatos e ter um diálogo privilegiado com os que lhe estão mais próximos, esforços que o PSD e o CDS também faziam, mas ter como interlocutor um líder de fação, não é certamente honroso para o PS nem para a central sindical.

A saída de Paulo Pedroso do PS, com argumentação consistente, peca pela associação à central sindical que se vem degradando e na companhia de um líder pouco estimável. À medida que o sindicalismo, à semelhança da vida associativa, se vai debilitando, não é com líderes como Carlos Silva que o prestígio da central se recupera, se acaso o teve.

Sem prejuízo do direito de associação, é tempo de repensar o papel dos sindicatos, quer no seu seio, quer no dos partidos. Não se compreende que haja centenas de professores da escola pública, por exemplo, que contaram o tempo de serviço, sem darem aulas, até se aproximarem do local onde eram sindicalistas. Depois abandonaram o sindicalismo.
Outro aspeto do oportunismo consiste em usar créditos para atividade sindical de alguns sindicatos cujos filiados e dirigentes são em número equivalente.

Ignoro como se resolverão estes problemas notórios, sem quebra do direito inalienável à liberdade de associação, mas a discussão é útil e urgente. No País e na AR.

Inaceitável, e de fácil solução, é a deriva sindical, anómala e ilegal, das Ordens.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?