Justiça

«Carlos Alexandre insiste no depoimento presencial de Costa. Belém não recebeu qualquer novo pedido nesse sentido
Alexandre considera que o testemunho presencial de António Costa na instrução do processo de Tancos é indispensável e discorda da decisão do Conselho de Estado. Mas ainda não solicitou nada a Belém.» (Título de caixa alta do Observador)

A ser verdade,

Quando um juiz de instrução reiteradamente avisa a comunicação social do que decide, antes de o comunicar aos órgãos de soberania visados, e se permite tornar pública a sua discordância com o Conselho de Estado, não é a sua independência que está em causa, é o abuso da autoridade com que afronta os outros órgãos de soberania, é a insuportável arrogância, indigna de um Estado de direito, a pequenez de quem se julga ungido para todas as afrontas e a ameaça de uma ditadura de Juízes que a Assembleia da República, o Governo e o PR não podem consentir.

É assustador imaginar do que este juiz é capaz e faz pensar em pessoas ou organizações a que possa estar ligado.

Basta! 

Comentários

Unknown disse…
Este senhor quer arvorar-se em superjuíz, tal qual Sérgio Moro!... Está em curso também a judicialização da política!

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Insurreição judicial