A Festa do Avante e a saúde pública

Julguei que a foto que aqui deixo, devida à amável deferência de Alfredo Barroso, tinha sido tirada no Seixal com voluntárias da Festa do Avante.


Afinal, é uma 'selfie' da praia de Porto Santo, na Madeira.



Comentários

Jaime Santos disse…
A hipocrisia geral da população, incluindo a mostrada pelo nosso beijoqueiro-mor (agora impedido de oscular as meninas da fotografia, o que faria com gosto noutras circunstâncias, sem dúvida) ou pelo Governo, cujo chefe fala num dever cívico de confinamento, enquanto provavelmente cruza os dedos atrás das costas, esperando não ser levado demasiado a sério não vá a Economia levar um tombo ainda maior, não invalida ainda o facto de que o vírus encontra terreno fértil para se propagar nas aglomerações de pessoas que deveriam pois ser evitadas, Festa do Avante incluída. A Esquerda que cerra fileiras perante os ataques oportunistas da Direita deveria lembrar-se disso...

Mas isso se calhar sou só eu, que sou meio anti-social... Mas penso sempre nos velhos, naquelas pessoas com co-morbilidades, a quem uma morte próxima espera, e que se calhar seria preferível deixar morrer em nome da saúde e do bem-estar do outros, como defende de forma inqualificável o católico Henrique Raposo no Expresso desta semana (a mostrar verdadeiramente que para esses, a vida começa com a concepção e acaba no nascimento), e no medo que sentirão, eles que estão aferrolhados em suas casas, e lembro-me que se calhar o tal dever cívico de confinamento protege-os sobretudo a eles. Os outros que me desculpem, mas temos muito tempo para viver...

Quanto ao PCP, recomenda-se a Jerónimo de Sousa e aos restantes camaradas que escutem as entrevistas realizadas aos moradores da Amora, muito frequentadores habituais da Festa do Avante, excepto este ano (não aos fachos que andam a fazer protestos dentro de carros) e que percebam que não foram capazes de demonstrar o bom-senso que este povo revela. Depois, queixem-se...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?