A metamorfose do fascismo que regressa – 4

O réptil e os seus sequazes

Quando um réptil político atrai marginais, delinquentes e inimigos do Estado de Direito democrático, não podemos ignorá-lo.

Quando a abjeção contamina todo o edifício democrático, é a decência e a honra de um país que são postas à prova, e todos somos obrigados a defender a democracia do ataque totalitário onde a insinuação torpe, a mentira descarada e o assassínio de carácter são as armas de um ofídio a rastejar, sem escrúpulos, na latrina da perfídia.

O aparecimento, numa candidatura respeitável, de um político que um juiz exibicionista foi à AR prender, com as câmaras da televisão atrás, humilhando o mais nobre órgão da soberania e um dos seus membros, permitiu ao réptil uma referência ignominiosa que os vermes, que o apoiam, bolçam coletivamente nas redes sociais.

Ora, esse juiz, que um acórdão da Relação, considerou ter cometido erros grosseiros na instrução do processo de que o deputado foi vítima, teve a avaliação suspensa, e acabou com “muito bom”, estando agora na Relação. O ex-deputado nem sequer foi acusado e a prisão injusta obrigou o Estado a pagar uma vultuosa indemnização que nunca ressarcirá os danos e o sofrimento do ofendido pelo vexame infligido por um juiz narcisista.

A composição do órgão que permitiu ao exibicionista chegar aos Tribunais superiores é assunto que exige ser repensado, mas alheio à torpeza que visa de novo o ex-deputado, para atingir a candidatura que apoia.

Um erro judiciário ainda se aceita, mas que o réptil, que ensina Direito, faça alusões que remetem para o crime hediondo de cuja acusação foi inocentado pelos Tribunais, revela o carácter do biltre que recorre à insinuação para despertar ondas de torpeza nos esgotos de onde brotam os seus seguidores.

É deplorável a complacência com o regresso do labéu da infâmia para quem sofreu um terrível erro, suspeitas ignóbeis e grosseiras aleivosias dos adversários do partido onde era, então, destacado dirigente.

Quando democratas se calam, por cálculo ou oportunismo, são cúmplices da degradação ética que o réptil trouxe à política a partir da latrina onde germina o partido fascista que criou contra a democracia.

Apostila – Não sou apoiante da candidatura que o réptil pretendeu atingir com a insídia e desfaçatez que o caracterizam e o eco dos vermes que o patrocinam.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?