Eleições presidenciais – Reflexões

Marcelo é um democrata. Não vale a pena denegri-lo pelo meio de onde veio ou mesmo pelo seu percurso ziguezagueante. Não é justo nem descente.

É desonesto e de mau gosto negar-lhe as convicções democráticas, tão arreigadas como o seu exacerbado conservadorismo nos costumes, paradoxalmente não sendo praticante.

MRS é um político de direita e, no seu segundo mandato, tudo fará para deixar no poder a direita democrática, se a houver com força suficiente, razão para não merecer votos de sociais-democratas, isto é, do PS, Livre e parte do BE. MRS é um genuíno conservador e democrata-cristão, com a indiscutível simpatia de quem lhe negaria o voto em eleições legislativas, e votará nele nas presidenciais.

Esta é a razão pela qual um candidato à PR, indicado pelo PS, fosse quem fosse, obteria sempre uma votação inferior a 20%, averbando uma enorme derrota para o partido. A declaração final do candidato do PS, a assumir a derrota como pessoal, faria as delícias de comentadores da noite eleitoral, a rejubilarem com a derrota da esquerda, a somarem votos dos candidatos do PCP e BE e a compará-los com os de Marcelo e dos fascistas, com os adversários de António Costa a responsabilizá-lo, como se pudesse impedir que os simpatizantes do PS o sejam também de MRS.

Dito de forma simples, Marcelo, sem qualquer apoio partidário, será sempre o candidato mais votado da primeira volta, seja única ou não. A vitória em um segundo mandato, até Cavaco a conseguiu à primeira volta, não houve exceções, embora fosse lamentável que se desse por adquirida a vitória de Marcelo. Em democracia não há vitórias antecipadas.

Só quem pretende o suicídio político de António Costa pode querer obrigá-lo a defender um candidato diferente de Marcelo, sem benefício para o conjunto das esquerdas, salvo ganhos residuais para os candidatos do PCP e, sobretudo, do BE, se não houvesse um/a candidato/a credível da área do PS, o que acabou por não acontecer.

Como social-democrata, não votarei em MRS. Combaterei a sua candidatura, e não me assusta a sua eventual vitória. Numa segunda volta, que a dinâmica da campanha poderá tornar possível, será aliciante o duelo democrático.

Nesse caso, é fácil decidir o lado.

Comentários

zézen disse…
Sem uma candidatura do P.S. e sem apoiarem Ana Gomes; A. Costa, S.Silva e C. César, não precisavam de promover MRS, nem de tirarem o tapete à candidata da área Socialista. Penso eu de que...

José de Matos
Nas eleições para PR as indicações partidárias têm pouco peso. Penso eu.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime